VÍDEO! Governo decide demolir “gaiolão da tortura” em Barra do Corda

O governo Flávio Dino (PCdoB) decidiu ceder à pressão e determinou, nesta sexta-feira (20) a demolição do “gaiolão da tortura”, espécie de jaula mantida a céu aberto na delegacia de Barra do Corda.

No local, morreu na semana passada Francisco Edinei Lima Silva, de 40 anos. Elehavia sido detido após provocar um acidente quando dirigia sob efeito de álcool.

Após a repercussão do caso, o Executivo inicialmente tentou culpar a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) pelo ocorrido (relembre).

Como não conseguiram convencer ninguém – justamente porque a atual gestão já conta com quase três anos, tempo mais do que suficiente para se resolver o problema – os governistas adotaram nova estratégia, e novo discurso.

Em outro comunicado oficial, disseram que “a estrutura existente na delegacia tem por finalidade garantir o banho de sol de presos provisórios, como prevê a Lei de Execução Penal”.

Ou seja: o que, de início, era “herança maldita” de Roseana, depois transformou-se num benefício dos comunistas a presos provisórios (leia mais).

Mas se era um benefício, porque foi demolido?

Os comunistas e suas infindáveis contradições/incoerências…

 


7 ideias sobre “VÍDEO! Governo decide demolir “gaiolão da tortura” em Barra do Corda

  1. Mas antes de demolir, poderiam ter utilizado para dar um corretivo nesses políticos bandidos e safados, principalmente para os 03 senadores daqui do MA que ajudaram a absolver o Aécio Neves e os demais deputados que ajudaram a livre o mandato do Temer.

  2. Chama a atenção o esforço patético do delegado querendo passar a ideia de que é bonzinho.

    Haja peroba. Vi dizer que é culpa de Roseana? hahahha

  3. O Maranhão só tá sendo conhecido nacionalmente agora,porque a 30 anos atrás era tudo escondido as notícias.

  4. Quer dizer que foi necessário uma pessoa morrer para que isso fosse demolido?Era essa a mudança prometida?Não tem como voltar no tempo, lá para 2014 no período das eleições?

Os comentários estão fechados.