Ministra que teve pedido de aumento salarial negado afirma que é “pobre e da periferia”

A ministra de Direitos Humanos, Luislinda Valois Crédito:: Wilson Dias/Agência Brasil

 

A ministra dos Direitos Humanos, Luislinda Valois (PSDB) que, há alguns dias, teve um pedido de acúmulo salarial que dobraria os seus ganhos mensais afirmou, em solenidade oficial na manhã de hoje (13) no Rio de Janeiro que “é preta, pobre e da periferia”. O detalhe é que a frase foi proferida na presença do presidente da República, Michel Temer que, por pouco, não foi obrigado a retirar a ministra dos quadros do Planalto.

Com a declaração, a ministra tenta colocar panos quentes na saia justa criada por ela ao fazer o pedido. Luislinda – que já ganhava antes do pedido algo em torno de R$ 31 mil – baseou seu pedido de reajuste na história do país, ao se comparar com uma “escrava”.

Caso o pleito da ministra fosse atendido, ela receberia a bagatela de pouco mais de R$ 62 mil, valor que fere o teto constitucional e viola a legislação.

 

 

 

 


9 ideias sobre “Ministra que teve pedido de aumento salarial negado afirma que é “pobre e da periferia”

  1. O que está mesmo em pratica deixado até agora por essa senhora que é ministra, que foi preta, que foi pobre, que foi de periferia e quer se comparar com uma escrava e que atualmente tem muita regalia nesse governo medíocre do Temer? Por sinal, podemos notar que sua aparência está longe de uma escrava desnutrida.

  2. Pois é, ainda é, e para sempre será!
    Pobreza não tem haver com falta de dinheiro. Falta de dinheiro é a famosa “lisura”. Para a pobreza desse ser, nem dois bunkers do Geddel resolvem!
    DISGUSTING!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *