COLUNA DO SARNEY: Meu amigo, o livro

Há pouco menos de 3 mil anos um cego escreveu dois livros: a Ilíada e a Odisséia. Nos séculos XVII e XVIII surgiu a ideia de que isso não podia ser verdade, que os poemas homéricos eram reuniões de cantos populares muito mais recentes, que Homero não era uma pessoa. Nessa mesma sequência se afirmou que os Evangelhos eram todos apócrifos, obras do segundo e terceiro séculos. Depois veio a correção dos métodos científicos, que demonstraram que a escrita era corrente na Ásia Menor desde os tempos da Guerra de Tróia, e que a unidade dos dois livros fundadores da literatura ocidental era tal que se chegou ao extremo de imaginá-los como obras inteiriças de 12 mil ou 15 mil versos, em vez de coleções de cantos de 300 ou 400 versos.

No caso dos Evangelhos, a descoberta dos documentos do Mar Morto tem recuado sua datação para o primeiro século, nos revelando que o autor do Apocalipse era mesmo o “discípulo amado”. As palavras tinham sido gravadas, não havia somente uma tradição oral, por mais forte que fosse esta.

Quando as expedições de Schliemann descobriram Tróia, não havia uma cidade, mas uma sucessão de cidades. A cidade perecera, não era imortal. Mas a descrição que Homero fizera de sua localização permitiu sua redescoberta. Homero e os livros são imortais.

A leitura e a escrita caminharam. A cópia era uma arte, os livros, as bibliotecas, preciosidades. Até a revolução de Gutemberg. Com a imprensa, começaria a difusão do conhecimento e, pouco a pouco, o ler e o escrever foram se encontrando.

Esse longo passo da difusão da cultura oral para a difusão da cultura escrita levou 25, 30 séculos. De repente, com a televisão e o computador, estamos criando gerações que, no espaço de uma vida, passam da cultural oral diretamente para uma nova forma de cultura, a visual.

Como nos tempos pré-históricos as pinturas representavam a caça, a vida e a morte, cenário de um ritual, a televisão nos mostra imagens abstratas de bombardeios. A morte, a violência são apreendidas como mitos distantes, catarse do quotidiano. É impossível compreender.

A televisão também a toda hora nos mostra a criança que mal sabe falar mas sabe “clicar o mouse” para “navegar na internet”. Dominado pelo efêmero, pelo instantâneo, o computador – e sou um viciado usuário – não fixa conhecimento como a escrita. Não é nova a verificação de que as informações registradas pelos computadores, ante a sucessão de programas e linguagens informáticas, tornam-se ilegíveis em poucos anos, inclusive pelo desaparecimento de equipamentos que tenham a capacidade de ler os “arquivos” armazenados.

Mas o próprio Bill Gates chamou a atenção para que é preciso saber ler e escrever para criar o computador. O caminho para a civilização passa pelo livro. O livro abre a porta do conhecimento, da ciência, da arte. O livro transforma o efêmero em permanente, o humano em imortal.

É preciso garantir o acesso de todos ao livro, viabilizar as bibliotecas e a indústria do livro. Com esta religião apresentei ao Congresso, quando no exercício do mandato de senador, tendo a cultura como a minha causa parlamentar, um projeto que criou uma política nacional do livro, colocando-o no seu altar devido.

Ele deve ser salvo, para que não se torne uma façanha mitológica.

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *