Comunicação do governo Dino vai “por água abaixo”, diz professor da Ufma

A COMUNICAÇÃO DO GOVERNO POR ÁGUA ABAIXO

Por Márcio Carneiro*

Por que será que o governo estadual que tem tantos acertos em saúde, educação, direitos humanos, ciência e tecnologia e cultura erra tanto na Comunicação? O atual problema da água em São Luís é emblemático.

Uma operação técnica de grande porte que deveria ter sido tratada e comunicada como tal foi transformada em grande oportunidade para alavancar a imagem do Governo associando-a a uma obra importante que resolveria um problema antigo. Certo?

Errado.

Se a ideia aparentemente é boa, o timing de execução foi desastroso. Até um encanador iniciante sabe que uma tubulação nova ao receber uma pressão grande pode apresentar falhas e é até normal que isso aconteça, já que ela não tinha sido testada antes em condições reais. Não é comum, mas é possível. Entretanto os marqueteiros e gênios da Comunicação do Governo não consideram cenários, contextos e variáveis.

O negócio é botar a boca no trombone o mais rápido possível e gastar toda a mídia que puder para poder mandar a fatura no final do mês. Só que aí deu no que deu.

O sucesso foi provisório e o que deveria ter sido inclusive comunicado como uma possibilidade, ou seja, do sistema apresentar instabilidades iniciais até sua completa estabilização, foi substituído por um anúncio de “término de obra com antecedência”. Resumindo: a estratégia de comunicação ufanista e apressada virou um tiro no pé e colocou o Governo na delicada situação de ter que se explicar e assumir um problema técnico que deveria estar na lista de possiblidades (e comunicado como tal) mas foi totalmente omitido. O início da fase de comunicação “resolvemos e somos os tais” podia ter esperado mais alguns dias considerando a chance real de eventualidades. Como falei timing errado.

Antes que digam, não é um fato isolado. Basta olhar a maioria dos comerciais do Governo na TV, a mídia mais cara que existe. Com o que eles se parecem? Material de programa político. Imagens lindas, com drones, apresentadores e jingle animados, obra, obra, obra. Produção de primeira e, com certeza, custo lá no alto. Mas não é comunicação pública? Com o dinheiro do cidadão? Não deveria ser utilizada para campanhas educativas, de trânsito, de coleta de lixo, de prevenção de saúde, de cidadania? Essas existem, mas basta comparar com a quantidade de PPA (programa político antecipado) que é feito para ver que a desproporção é grande. O mais engraçado é que na Comunicação o governo Flávio Dino, com esse tipo de estratégia, fica muito igual a quem? Ao da sua antecessora, que fazia do mesmo jeitinho, com o agravante de pagar a conta direcionando a grande fatia do bolo para o próprio território. Mesmo assim tá errado.

Sei que os defensores de plantão vão dizer que não é assim ou que não tem jeito porque é uma luta contra o atraso. Em outras palavras que a agenda melhor justifica qualquer coisa. Disso eu discordo. Concordo que a luta deva ser travada mas não utilizando a forma de operar de quem você quer combater, gerando uma inconveniente e camuflada semelhança que não faz bem a nenhum projeto democrático.

Mas então porque será que são tão parecidos? Talvez porque a indústria da Comunicação movimente quantias enormes sendo muito conveniente para alguns de seus operadores que essa estratégia da mídia massiva e com formato de campanha tenha que ser o padrão e que, para tanto, um exército de assessores, consultores, entendidos e palpiteiros sem noção estejam sempre a soprar no ouvido do governador garantindo que esse é o único jeito de vencer. Não é. Talvez o único jeito de garantir boas somas de lucros, faturas altas e manutenção de empregos, cargos e contratos, mas não a melhor para quem acabou de dar ao adversário um excelente material para ser explorado no ano que vem.

Esse governo já encontrou um jeito popular e democrático de enfrentar muitas questões na sua gestão, falta achar esse caminho na Comunicação Pública e um bom começo é perguntar quem ganha dinheiro com tudo isso? A questão não é apenas construir a imagem de um governo popular, é agir de acordo. Se em outras áreas já acontece, na Comunicação também deveria ser um governo que age diferente. Ganhar a eleição só com a imagem é enganar as pessoas e construir uma fachada bonita diante de uma verdade nem tanto, que se sustenta apenas por ter se mostrado eficiente para conseguir votos, do mesmo jeito, há anos. Dá pra fazer melhor que isso.

* Professor Adjunto na área de Jornalismo em Redes Digitais na empresa Universidade Federal do Maranhão


21 ideias sobre “Comunicação do governo Dino vai “por água abaixo”, diz professor da Ufma

  1. Professor Márcio,

    Indiscutivelmente, a Operação Pegadores e a recente pesquisa divulgada pelo Instituto Vox Populi deixaram o governador Flávio Dino abalado, fora de si e do seu fleuma habitual de quando era juiz de direito. Lamentável! Imagino quando os seus adversários entrarem pra valer na campanha e as pesquisas mostrarem que o povo já assimilou: as suas mentiras, lhe dando as costas. Aí não há comunicação paga a peso de ouro pra reverter a leitura correta do eleitor.

  2. Sim os problemas existe e dai é normal em qualquer grande projeto, mais o importante é que no momento que aconteceu a falha foi avisado e tomado as devidas providências, esses sarneysistas querem fazer tempestade em copo d’água, mas o povo de hoje não é mais aquele povo de ontem graças a tecnologia, vemos tudo e sabemos tudo.

  3. O Márcio é um bom acadêmico, mas a academia serve para isso mesmo, ser uma boa academia … apenas . Sempre será um fonte para análises e estudos onde se podem buscar luzes para uma melhor compreensão e orientação de rumos.
    A Academia só não é capaz de compreender à altura, o momento, como nunca foi capaz de nos ensinar a sair do domínio oligárquico em que nos encontrávamos. A única derrota do Palácio dos Leões, foi imposta em 2014, por esse grupo, ao qual, agora, o Márcio quer dar aula. Essa crítica ao modelo de comunicação pode até ser na medida do “idealzinho”, do “bonitinho” e do “certinho”, mas vale um velho bordão : “Isso é política !!!!! estúpido …”

  4. O “professor” assim escreveu: “…Por que será que o governo estadual que tem tantos acertos em saúde, educação, direitos humanos, ciência e tecnologia….”. Quais “acertos”, baba-ovos? Os únicos “acertos” são feitos com a turma do Jerry, lá pela Secretaria da Saúde…

  5. Queria até saber quais foram estes acertos? Educação, saúde, cultura??? So pode estar de brincadeira. Não ha evolução efetiva nestas áreas e tem outras que parecem nem existir, como indústria e comércio, por exemplo. Nas propagandas o MA e uma Suécia, no mundo real, Bangladesh. Mídia sendo usada do forma mais cínica e inescrupulosa, querendo incutir a idea que o Messias do MA está realmente fazendo algo. FD e o maior estelionato eleitoral que se tem idea desde Pedro celestino. Propagou ouro, entregou merda.

  6. Muito boa análise. Eu, sempre que vejo as propagandas , penso que gostaria de morar no Maranhão que eles mostram, não nesse que estou, onde trabalhamos com superlotação nos hospitais, escolas com problemas, desvios na saúde, corrupção, enfim, o mesmo modelo de sempre.

    • As sérias pesquisas dizem ao contrário, meu caro. Ele não engana mais ninguém com as suas promessas de mudança e de probidade na administração. Queira a Deus que o seu governador em 2019 não vá é pra cadeia juntamente com os seus funcionários fantasma.

  7. Governo de Mídia esse do DINOSSAURO e seus Asseclas!
    A mudança tão esperada ainda não chegou, estamos vendo o mais do mesmo!
    Queria que mostrasse a realidade, mas, para os Lacaios do DINOQUIO é bom tem um DESGOVERNO CORRUPTO, MENTIROSO e PERSEGUIDOR, em resumo, de igual a pior que os DESGOVERNOS ANTERIORES.

  8. O problema dessa secretária de comunicação é o secretário o famoso coveiro.
    Ele já enterrou o prefeito de Imperatriz e está fazendo o mesmo com o governo do Estado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *