Max alerta para impasse na duplicação de novo trecho da BR-135

Em discurso na Assembleia Legislativa nesta quinta-feira (06), o deputado Max Barros (PMB) fez um sério alerta sobre o risco de paralisação das obras de segunda etapa de duplicação da rodovia federal BR-135, trecho que vai de Bacabeira até Miranda.

A suspensão das obras decorre de uma ação da Defensoria Pública da União em função das obras da segunda etapa de duplicação atravessarem  uma área considerada como possível reserva quilombola.

“Em função da suspensão, os recursos destinados para a obra podem ser remanejados para outros fins”, alerta o deputado.

Em função desse risco, Max Barros convoca seus colegas a levantarem a bandeira da continuidade das obras, junto ao Ministério Público Federal e à Defensoria Pública Federal para que seja encontrada uma saída conciliatória para a questão, fazendo-se se necessário, as devidas compensações.

Max Barros aproveitou a oportunidade para ressaltar o quanto foi importante a luta dos parlamentares maranhenses em todas as bancadas pela efetivação da primeira etapa de duplicação da BR 135, trecho que corresponde entre São Luís e Bacabeira.

Ele destacou o empenho de deputados estaduais, federais, senadores, entidades civis na mobilização pela realização dessa importante etapa de duplicação e quanto ela tem sido de relevante importância na redução de acidentes, fim de congestionamentos, melhoria da fluidez e tantos outros incontáveis benefícios.

Acrescenta que, caso se comprove a existência de uma área quilombola a ser afetada pelas obras de duplicação da segunda etapa da BR 135, que haja bom senso nas negociações e que sejam tomadas medidas compensatórias em relação à área afetada, mas que as obras sejam reiniciadas o mais breve possível.

 


3 ideias sobre “Max alerta para impasse na duplicação de novo trecho da BR-135

  1. Esses sujeitos que se denominam “Quilombolas” invadiram a faixa de domínio a uns 20 anos, não havia nada ali, passo por essa estrada a uns 40 anos. São um bando de vigaristas e aproveitadores que em tudo tentam conseguir alguma grana do pode público.
    Como pode o interesse coletivo ser afetado por invasores de áreas públicas a margem da rodovia !
    Essa defensoria só serve para soltar bandido e criar problemas.

  2. Essa defensoria além de não ajudar ainda atrapalha, quantas vidas já foram perdidas nesse trecho da BR, eles querem mídia, a moda agora é querer aparecer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *