Escândalo na SES não foi o único caso de corrupção do governo Dino

Em todos os anos de gestão governamental, Dino enfrentou ações que apuraram irregularidades

(Com informações de O Estado)

A operação “Pegadores”, deflagrada na última quinta-feira, 16, e que verificou um esquema de corrupção na Secretaria de Estado da Saúde (SES) foi mais um capítulo de uma gestão governista marcada por denúncias de corrupção em todos os anos de mandato de Flávio Dino. A gestão enfrentou ações da polícia, fato que vai na contramão de quem bradou, no Palácio, no dia de sua posse, que seria o mais honesto dos políticos.

Em 2015, uma das adjuntas da Secretaria de Educação, Simone Limeira, foi acusada após investigações de cobrar propina de índios na região de Grajaú, para liberar licenças de transporte nas aldeias. Ela foi afastada, sob a promessa de que seria alvo de investigação, no entanto, no ano seguinte, foi candidata comunista nas eleições em Grajaú, com o apoio do próprio Dino.

Ainda no primeiro ano de mandato, operações da Polícia Civil derrubaram outros dois auxiliares ligados ao governador Flávio Dino. Inicialmente, foi o assessor regional da Secretaria de Articulação Política, José Wellington Leite, envolvido de acordo com os investigadores com o agiota Josival Cavalcanti, o Pacovan. Em seguida, o assessor especial da mesma pasta, Walter França Silva Júnior, também aparece envolvido com cheques de Pacovan.

Os dois auxiliares foram afastados pelo Governo, mas o relatório prometido pelo próprio Executivo Estadual que apuraria o caso não foi divulgado. Outro caso marcante foi do homem de confiança de Dino, o advogado Antonio Nunes. Ele apareceu envolvido em um contrato de R$ 25 milhões com uma empresa criada em plena campanha de 2014. Mesmo denunciado, o sócio comunista de Dino continuou no órgão, sem que nada acontecesse.

Em 2016, foi a vez de Rosângela Curado. Então secretária-adjunta de Saúde, a pedetista deixou o governo em uma obscura decisão que gerou forte especulação.

Em 2017, o ano da corrupção comunista começa com denúncia contra um assessor da Secretaria de Administração Penitenciária, Danilo dos Santos, preso na Operação Turing, da Polícia Federal. Em nota, o governo explicou que já havia exonerado Danilo dos Santos dos quadros do governo. E negou ter recebido informações privilegiadas da PF.

Os três anos de mandato de Flávio Dino foram marcados também pelo escândalo dos alugueis camaradas, por desvio de recursos da previdência para usar em asfalto e por malfeitos na Secretaria de Segurança.

Cronograma da corrupção comunista

2015

Simone Limeira, da Seduc: foi acusada de cobrar propina para liberar transporte escolar em aldeias indígenas; mesmo assim, foi a candidata de Flávio Dino em Grajaú.

José Wellington Leite: o assessor do secretário Márcio Jerry foi descoberto com um cheque do agiota Pacovan em seu poder. Mesmo assim, atuou nas campanhas comunistas em 2016;

2016

Antonio Nunes: chefe do Detran, o ex-sócio de Flávio Dino foi acusado de beneficiar com R$ 25 milhões uma empresa criada apenas para este contrato. Hoje chefia a Segov.

Rosângela Curado: às vésperas das eleições municipais, a então adjunta da Saúde deixa o cargo em circunstâncias obscuras. Mesmo assim, foi a candidata de Flávio Dino em Imperatriz.

2017

Danilo dos Santos: adjunto na Secretaria de Administração Penitenciária chefiava esquema de desvio de recursos e foi pego pela Polícia Federal.

Rosângela Curado: afastada do governo, mas com atuação ainda forte na Saúde, ex-adjunta foi presa por participação em esquema de pagamento a funcionários fantasmas.

“Basta de corrupção e descaso”, diz Andrea Murad em artigo

Por Andrea Murad

A covardia, o desespero e a mentira são próprios dos fracos, dos que temem a Lei e o implacável julgamento do Povo. Manda a vida e os valores da responsabilidade, que cada um responda pelos atos que pratica. O que ocorreu, desde 2015, em termos de gestão na Secretaria de Estado da Saúde configura crimes graves e mostra de forma clara o estado lamentável e vergonhoso como o dinheiro público é gerido. A corrupção, a incompetência e o descaso têm dois rostos, o do governador Flávio Dino e o do seu alter ego Márcio Jerry, responsáveis por tudo o que ali acontece e para quem o povo do Maranhão exige um castigo exemplar.

Diz a sabedoria popular que “a mentira tem a perna curta”. Não é acusando o governo da ex-governadora Roseana Sarney, não é mentindo a respeito da gestão do ex-deputado Ricardo Murad à frente da SES, que as roubalheiras fruto desse esquema montado pelo governador e por seu braço-direito vão ser jogadas para debaixo do tapete e esquecidas. Não se brinca com a saúde do povo, com a segurança das pessoas, bem como com a educação das crianças e dos jovens.

Na gestão anterior, concorde-se ou não com a política de gestão rigorosa que a SES foi alvo, a equipe que começou o mandato terminou, e nenhum dos que fizeram parte dessa equipe responde ações judiciais decorrentes de operações da Polícia Federal, como sucede com este governo. E mais: o descaramento é de tal ordem que os responsáveis da SES como, por exemplo, a Rosângela, o Luiz Júnior, que alertei para não deixá-lo na Secretaria de Saúde, o Marcos Pacheco, o Mariano, foram afastados na iminência das investigações, mas rapidamente “arrumados” e escondidos em outras áreas do governo, nomeadamente em cargos influentes no gabinete do governador e junto de Márcio Jerry.

Se foram demitidos por ilícitos, por que permanecem ainda na administração? Será por que apenas cumpriam ordens? Por que a secretaria comandada por Rodrigo Lago, até hoje, mesmo após as operações policiais, nunca abriu investigação contra nenhum deles? É medo do quê e de quem? Será que essa gente tem o governador e o seu fiel escudeiro Jerry “na mão”, que estariam dispostos a contar as malfeitorias que protagonizaram e por que as fizeram?

O governador e seu séquito bem podem tentar alijar responsabilidades e inventar fatos e datas, que a própria superintendente da Polícia Federal e o delegado, encarregados dessa operação, foram bem claros e enfáticos ao afirmar que essa investigação se relaciona exclusivamente ao período deste governo, com fatos iniciados em 2015, que permaneceram até agora e com conhecimento do próprio secretário Carlos Lula.

Basta de mentiras, de falsidades e de invenções. A investigação levada a cabo pela Polícia Federal visa a atual gestão do governo de Flávio Dino. É a ele que os maranhenses e a justiça têm de exigir contas, é a ele que, mais cedo ou mais tarde, os eleitores apontarão a porta de saída. E são eles, Flávio Dino e Márcio Jerry, que ficarão na história do Maranhão como protagonistas de uma página negra do nosso estado, marcada pela corrupção, roubo, descaso e irresponsabilidade. Basta!

Pegadores: agente da PF investigado por participação em fraude na saúde do MA

Trecho em que é relatada a “suposta participação” de servidor da PF no esquema na saúde

O agente da Polícia Federal José de Ribamar Costa Lima, lotado na delegacia de Repressão à Corrupção e Crimes Financeiros, é investigado por suposta participação no esquema que fraudou inicialmente R$ 18 milhões que deveriam ser aplicados na melhoria da saúde dos maranhenses. De acordo com os investigadores, já está comprovada a proximidade entre o agente da PF e o gerente de Recursos Humanos do Instituto Cidadania e Natureza (ICN), Marcus Eduardo Alves Batista.

Segundo a PF, era no computador de Marcus em que ficavam armazenadas as planilhas de pagamentos complementares na pasta estadual, constituindo prova de materialidade do esquema para os investigadores. Conforme comprovado nos autos da investigação, o funcionário do ICN se aproximou do agente da PF para “obtenção de informações” acerca da Operação Sermão dos Peixes, que iniciou as apurações de irregularidades na gestão da saúde no estado. A partir daí, a PF verificou ainda a “suposta participação” do servidor da polícia na “destruição e ocultação de provas”, o que causaria problemas na apuração.

A PF ainda não informou se o servidor do órgão foi afastado. Já o funcionário do ICN teve a prisão temporária decretada. Ele e outras 16 pessoas foram presos durante a Operação Pegadores.

Observação: A verificação por parte da PF de envolvimento de servidores da própria instituição demonstra somente a isonomia das apurações, ao contrário do que os aliados de Dino defendem, de que o trabalho “teria sido articulado” nos bastidores por José Sarney.

Central de Licitação e Emserh com “expediente” normal neste sabadão

Expediente normal em pleno sabadão na CCPL

Em pleno sabadão e pós-operação Pegadores, deflagrada pela Polícia Federal e que constatou fraudes no uso de recursos públicos da saúde do Maranhão, o “expediente” foi normal na Comissão Central Permanente de Licitação (CCPL) do Governo do Maranhão. Durante toda a manhã, de acordo com fontes do blog do Gilberto Léda, foi um “entra e sai” sem fim na sede do órgão.

O mesmo aconteceu na sede da Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares (Emserh) – empresa criada pelo Governo do Maranhão para gerir as unidades de saúde. A foto abaixo foi tirada às 12h30 de hoje (18) e, pelo que se vê, vários carros de funcionários da empresa permaneciam estacionados na entrada do órgão.

Como o governador citou em seu Twitter (relembre aqui), creio que todo este trabalho nos órgãos seja para apurar os fatos irregulares apontados pela Polícia Federal…

Deve ser isso…

Na sede da Emserh, expediente normal neste sábado.

Dino se contradiz, não explica pagamentos e repete discurso “oligárquico”

Dino não explica questões importantes do escândalo da SES

Por meio das redes sociais, o governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B), depois de quase 24 horas após a ação da Polícia Federal (PF) que desbaratou um esquema de corrupção na Secretaria de Estado da Saúde (SES), finalmente comentou o fato. Apesar do relativo tempo que teve para pensar em argumentos convincentes, Dino entrou em contradição, não explicou o porquê dos pagamentos a servidores que não prestavam serviços à pasta e repetiu o discurso de que é perseguido pela oligarquia “Sarney/Murad”.

Em uma das manifestações, Dino afirma que “sempre foram tomadas medidas administrativas quando erros foram detectados” e que o modelo “herdado”, sem especificar que modelo seria esse, “não é desmontado em semanas ou meses”. Não é o que apontam as investigações da Polícia Federal, que comprovou, por meio de interceptações telefônicas, que a gestão da saúde dinista tinha ciência dos pagamentos ilícitos desde 2015. Ou seja, se já se sabia dos pagamentos, quais as razões da omissão do Governo, neste caso? E se já tinha ciência do modelo, por que o Governo ainda não tornou públicos tais fatos que, segundo a gestão, foram herdados?

Em outra postagem, Dino cobra a divulgação dos chamados “funcionários fantasmas” que, segundo a PF, custavam R$ 400 mil ao orçamento da saúde. E que, assim que tiver ciência, dos nomes, tomará as providências necessárias. Ora, antes tarde do que nunca!

Por fim, Dino encerra a série de postagens matutinas culpando os aliados de Sarney e Ricardo Murad sobre tais fatos. Sem argumentos, claramente o governador repete discursos, mas não se preocupa em explicar, por exemplo, sobre o porquê da incorporação de uma servidora na folha da pasta com salário incompatível com a função (entenda aqui).

A população exige argumentos mais convincentes de Dino para este escândalo que manchou a imagem do estado nacionalmente.

 

Dino em seu Twiiter não explicou questões importantes

Após denúncia de Andrea Murad, governo paga vigilantes do Carlos Macieira

Depois da denúncia da deputada estadual Andrea Murad no sábado, o governo do estado correu para contatar os vigilantes que trabalham no Hospital Carlos Macieira na tentativa de resolver o atraso de 3 meses de salário, motivo que fez boa parte deles parar as atividades. Para garantir a guarda no hospital, a SES também teve que recrutar vigilantes de outras unidades para cobrirem o HCM, segundo informações que chegaram até a deputada.

A medida veio com a promessa da secretaria resolver o problema nesta segunda-feira e garantir o retorno dos vigilantes. Poucos voltaram de fato, sábado apenas 6 compareceram para cumprir o expediente e no domingo, três fizeram a vigilância de todo o Hospital Carlos Macieira.

Enquanto isso, o HCM segue desfalcado na área da vigilância. Após essa denúncia, a parlamentar vem recebendo relatos de vários outros atrasos nos salários de funcionários da área da saúde.

Prefeito de São Pedro dos Crentes acusa Flávio Dino e TCE de tentarem intimidá-lo

O prefeito de São Pedro dos Crentes, Lahésio Rodrigues, usou as redes sociais para denunciar  uma tentativa de intimidação do governador Flávio Dino (PC do B) pelas constantes críticas feitas por ele ao governo comunista. Num vídeo de aproximadamente oito minutos, o gestor cita falta de repasse por parte dos cofres estaduais de verbas para a construção de escolas, casas populares e campos de futebol no município.

O prefeito ainda citou o Tribunal de Contas do Estado (TCE) que cobra explicações acerca dos últimos gastos da prefeitura local com segurança pública. Segundo Lahesio, há anos o município arca sem ajuda com os gastos relativos ao pagamento dos salários dos policiais militares e com combustível de viaturas.

VEJA ABAIXO O VÍDEO NA ÍNTEGRA

Flávio Dino quer que aposentados voltem a trabalhar

professores-da-uema

Imagem de professores da Universidade Estadual divulgada pelo site do Apruema

Professores que integram o corpo docente da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), representados pela Associação de Professores da Universidade Estadual (APRUEMA) denunciaram em sua página na internet a tentativa do Governo do Estado, de fazer com que os aposentados voltem a trabalhar. A medida ocorreria como uma espécie de condição para que a classe dos aposentados fosse beneficiada numa negociação salarial.

Os professores da Uema reivindicam melhores condições de trabalho e reajuste salarial – que contemple os profissionais da ativa e os aposentados. Até o momento, segundo a  Apruema, as partes não avançaram.

Ocorre que há alguns dias, o Governo do Estado, por meio da Casa Civil, comandada pelo secretário-chefe Marcelo Tavares, encaminhou proposta para a direção superior da Uema, e não para  a comissão da Apruema que negocia o reajuste salarial, que diz respeito a um Programa de Extensão que poderia ser implantado no prazo de 30 dias e beneficiaria a classe dos aposentados. Mas, para isso, o professor aposentado deveria obrigatoriamente retornar às suas atividades e ter disposição para trabalhar entre 10 horas e 15 horas semanais.

A proposta, segundo os professores, foi prontamente rejeitada [leia o posicionamento dos professores na íntegra, aqui].

“Os dois outros pontos, que são a tabela de Gratificação Técnica e o prazo de implantação da tabela salarial dos docentes da Uema para o ano de 2017 não foram alterados. O que significa dizer que continua valendo o valor inicial de R$ 350,00 para a tabela de Gratificação Técnica, uma contraproposta do próprio Governo do Estado, e o prazo de até março/2017 para a implantação da tabela de equiparação salarial com os professores do Ensino Médio, mas que o Governo do Estado, contumazmente, insiste em manter até junho/2017”, destaca trecho do texto.

Os professores devem se reunir hoje com a direção superior da Uema para tratar da imposição do Governo aos aposentados. A reunião deverá ocorrer na própria universidade.

Policiais civis rejeitam proposta do Governo e retomam greve

greve PCPoliciais Civis decidiram no fim da tarde de ontem, em assembleia geral da categoria, realizada no auditório da Secretária de Segurança Pública (SSP), rejeitar a proposta de reajuste apresentada pelo Governo do Estado e retomar de imediato a greve no Maranhão.

Com a retomada do movimento, os grevistas se reorganizam para a concentração que permanente no Plantão Central do Parque Bom Menino. No interior do estado, o local de concentração é na sede de cada Delegacia Regional.

Segundo os grevistas, o Governo propôs parcelamento em 26 vezes, a partir de janeiro de 2017, da gratificação de dedicação exclusiva (GDE) ao subsídio e a aplicação de reajuste de 10% para os policiais. A categoria, contudo, não aceitou.

Como a greve foi retomada, apenas 30% do efetivo: entre comissários, investigadores, escrivães, peritos criminalísticos auxiliares, auxiliares de perícia médico legal, motoristas e operadores de rádios da Ilha de São Luís, permanecerão nos plantões.

Serão cumpridos os autos de prisão em flagrante delito somente aqueles: decorrentes de crimes inafiançáveis; decorrentes de crimes hediondos; decorrentes de crimes contra a criança e o adolescente; decorrentes de crimes contra o idoso e decorrentes da aplicação da Lei Maria da Penha.

Leia mais aqui_________

PT oficializará apoio a Dino

monteiroO diretório estadual e a executiva do Partido dos Trabalhadores (PT) no Maranhão, oficializa hoje apoio ao Governo do Estado. Foi o que assegurou o presidente da sigla no Maranhão, Raimundo Monteiro.

Monteiro explicou que o partido já integra a estrutura do Poder Executivo, com cargos nos primeiro e segundo escalão da administração, mas pretende buscar espaços na máquina. Ele explicou que há um consenso entre as diversas correntes do partido no sentido de apoiar o governo iniciado em janeiro de 2015.

“O que deve acontecer no encontro é justamente isso. Vamos fechar o apoio ao governo a partir de agora e oficializar esse posicionamento”, revelou.

O presidente do PT explicou que a aproximação do partido no Maranhão ao governador Flávio Dino (PCdoB), ocorreu justamente após as manifestações públicas do comunista em favor de Dilma Rousseff (PT).

“As defesas públicas de Flávio Dino à presidente, foram uma demonstração de que ele apoia de fato o governo federal. Foi a partir daí que as correntes do partido começaram a chegar a esse consenso. O posicionamento público do governador facilitou muito essa decisão que será tomada”, disse.

O PT buscará ampliar os seus espaços no Governo a partir de agora.

Informações de O Estado