As contradições de Fátima Travassos

Publicação da assessoria do MP de 2008

As imagens que ilustram esse post foram retiradas do site do Ministério Público (www.mp.ma.gov.br) e do Jus Brasil (www.jusbrasil.com.br).

São matérias produzidas pela Assessoria de Comunicação do órgão, dando conta do mesmo assunto: a reforma do prédio sede das Promotorias da Capital, o chamado “Espeto de Pau”.

A primeira é datada de 10 de dezembro de 2008. A segunda, de 28 de fevereiro deste ano.

Comparando-se as duas, percebe-se uma clara contradição nos discursos da procuradora-geral de Justiça, Fátima Travassos.

No primeiro caso, diz o texto: “A solidez do prédio foi reafirmada pela procuradora-geral de Justiça, que enfatizou que a administração superior do MP não cometeria a irresponsabilidade de realizar um investimento desse porte na recuperação de um prédio que não oferecesse as devidas condições de segurança. O orçamento da obra é de R$ 1.360.000,00. Para ela, o processo de recuperação da sede das promotorias de Justiça da capital representa um grande prejuízo orçamentário, mas é um problema que precisa ser administrado”.

Em 2011, o discurso mudou...

No segundo, mais recente: “De acordo com a procuradora, os problemas existentes no prédio sede das Promotorias de Justiça da Capital são estruturais e não apenas causados pela falta de manutenção

Afinal, Fátima, os problemas são, ou não são estruturais?


0 pensou em “As contradições de Fátima Travassos

  1. Quanta TRAVESSURA. O mal de quem mente é esquecer a própria mentira…

    quanta contradição… Gilberto, vc ficou sabendo do barraco da procuradora no Sistema Mirante? Vai falar sobre o caso?

    • Soube do barraco, mas, quando soube, não sabia que era com o pessoal da Mirante. Procure no blog o post: “Eu não ponho a mão no fogo por todos os promotores”, afirma Fátima Travassos.

      Essa foi uma das frases dela durante o bate-boca.

  2. Gilberto

    Talvez o nobre conselheiro do CNMP que veio ao Maranhão saiba responder esta pergunta que você faz para a PGJMA. O prédio cai ou não cai? Fátima, é uma vergonha para o MPMA, chamar um Conselheiro do CNMP para resolver um problema administrativo do MPMA. Quanta incompetência!