Câmbio negro impera no ferry-boat no período carnavalesco

Passagens custam o dobro no câmbio negro

Em mensagem encaminhada por e-mail, leitor que pede para não ser identificado denuncia que é grande o comércio paralelo de passagens de ferry-boat no período carnavalesco.

O crime funciona nos mesmos moldes do câmbio negro de ingressos nos estádios de futebol: os cambistas – normalmente bancados por quem tem muito dinheiro – adquirem várias passagens de forma antecipada.

Como a demanda é alta e todas as viagens saem lotadas nesse período, eles vendem seus tickets às vezes pelo dobro do preço normal. O cidadão que precisa viajar acaba pagando o pato.

“Tem gente se humilhando pra esses bandidos”, afirma o interlocutor do blog.

No caso da venda apenas de assentos para passageiros, o problema é mais moral do que legal. O que deveria ser combatido com veemência é a venda de passagens dessa forma para quem embarca com veículos.

É que esse tipo de passagem vem com a identificação (placas) dos carros. Tecnicamente, não poderia ser utilizada para o embarque de outro veículo.

Se está acontecendo, é porque há conivência das empresas também.

Abre o olho, Ministério Público.

Se liga, Luiz Carlos Cantanhede!


2 pensou em “Câmbio negro impera no ferry-boat no período carnavalesco

Os comentários estão fechados.