“Não negocio mais com forasteiro”, diz João Alberto sobre Prisco

O secretário de Projetos Especiais do Governo do Estado, senador João Alberto (PMDB), foi curto e grosso ao comentar a influência do baiano Prisco sobre as negociações entre o Executivo e os militares pelo fim da greve.

“Não negocio mais com esse forasteiro”, disparou, em conversa por telefone com o titular do blog logo após o fim da reunião que acabou por selar as chances de um acordo ainda nesta quarta-feira (30).

O peemedebista criticou o fato de os militares maranhenses estarem deixando o comando do movimento nas mão de “gente de fora” e disse que senta com os grevistas ainda hoje, “mas sem o baiano”, desde que aceitem os termos proposto pelo governo.

_____________________Leia mais

Baiano acusado de falsidade ideológica comanda greve no MA

Governo e militares não chegam a acordo e greve continua

“Eu não posso prometer algo que não vou cumprir. Se eles aceitarem a proposta que fizemos, sentamos ainda hoje, sem o baiano, para acertar os termos do acordo. Agora, o que não pode é um cidadão que nem da nossa polícia é comandar o movimento. Depois de tudo, o Prisco vai embora e deixa por aqui os problemas para o Governo e para os militares” declarou.

A atuação de Prisco foi definitiva para que não se chegasse a um consenso hoje. Intransigente, rejeitou todas as propostas governistas. Até o secretário Max Barros (Infraestrutura) conversou com o baiano tentando um consenso.

No meio da reunião, João Alberto chegou a oferecer R$ 2.240,00 de salário-base para s soldados (que iriam a R$ 2.490,00 com o auxílio-alimentação de R$ 250,00), com o restante do reajuste escalonado até 2014. Mas Prisco ele bateu o pé: quer R$ 3.400,00.

E, nesses termos, não há acordo.

Uma nova rodada de negociações ficou marcada para a próxima sexta-feira (2), novamente na sede da Seccional Maranhense da Ordem dos Advogados do Brasil.

Crise

A postura de Prisco gerou crise, inclusive, com os policiais civis. A categoria deliberou por greve na última segunda-feira (28) e muitos agentes já haviam engrossado as fileiras do acampamento na Assembléia.

Mas quando souberam que o baiano nem tocou nas reivindicações deles durante a reunião desta quarta ficaram enfurecidos. Muitos falaram em “trairagem”.

Esse é o perfil do homem que se diz líder do movimento.


9 pensou em ““Não negocio mais com forasteiro”, diz João Alberto sobre Prisco

  1. “No meio da reunião, João Alberto chegou a oferecer R$ 2.490,00 de salário-base para s soldados, com o restante do reajuste escalonado até 2014. Mas Prisco ele bateu o pé: quer R$ 3.400,00.”

    Larga de ser mentiroso seu zé mané! o Governo ofereceu apensa 2240 o q realmente é irrisório! procure falar a verdade esse seu blog n tem credibilidade mesmo n!

    • Vc tem razão… ato falho… R$ 2.240,00 é o valor do salário base oferecido por João Alberto. R$ 2.490,00 é o valor com o auxílio alimentação de R$ 250,00

  2. O maranhão está cheio de IMPORTADOS, SIM! SOMENTE A GOVERNADORA ROSEANA SARNEY É QUE FOI EXPORTADA! Com isso a segurança B A L A N Ç A ! ! !

    Marco Antonio Carvalho Diniz

  3. João Alberto, não tem diplomacia para ser o intermediador da desgovernadora que também não é diplomata, grosseiro como ele é, cada proposta é como o coice de uma mula, não tem talendo para tanta responsabilidade, os Militares tem que fincar pé e amarrar o piso dos Soldados em 3.500,00, nada menos do que isso.

  4. Interessante é falar mal dos forasteiros e não questionar os forasteiros do governo, como o próprio secretário de segurança. Aliás, quem deveria estar negociando uma questão salarial deveria ser o forasteiro secretário de planejamento ou, no máximo, o chefe da casa civil. O que tem a ver as pastas de projetos especiais e de infraestrutura para se meterem neste caso? Isso só mostra um total desgoverno, onde secretários ao invés de fazer aquilo para o qual foram nomeados, ficam se metendo em outros assuntos, como bons ASPONEs querendo aparecer. Sobre isto você não comenta, não é, Gilberto?

    • Os forasteiros do governo por acaso estão querendo atrapalhar alguma coisa? No caso específico de Aluísio Mendes – e olha que sou crítico voraz dele – pode-se falar muitas coisas, menos que ele não tem se empenhado desde o início para resolver a questão salarial dos militares. Esteve em todas as reuniões com a categoria.

Os comentários estão fechados.