Navio da Vale com rachadura pode ser rebocado para o Ceará

Do Globo.com

O delegado Mauro Bordalo, titular da Delegacia do Meio Ambiente do Maranhão, afirma que o navio da Vale carregado de minério e óleo e que apresenta uma rachadura pode ser rebocado novamente para que possa ser consertado.

“Vistoriei o navio nesta manhã de quinta-feira (8) e uma das opções apresentadas pela empresa STX, a operadora do navio, seria levá-lo para Fortaleza, no Ceará, onde as águas são mais límpidas e claras e seria melhor para os mergulhadores visualizarem o tamanho da rachadura e para que pudessem realizar o reparo”, disse.

“Nossas águas, no Maranhão, são mais escuras. É difícil visualizar a dimensão da fissura do lado de fora. Uma alternativa seria a Vale trazer outro navio para descarregar parte da carga e depois a embarcação com a rachadura ser deslocada para Fortaleza para poder fazer o conserto. Mas é apenas uma hipótese levantada pelos técnicos. Eles ainda nem sabem a dimensão da rachadura”, afirmou o delegado Bardalo ao G1.

O navio estava sendo carregado no domingo no porto de Ponta da Madeira, em São Luís, em Maranhão, e seguiria com destino ao porto de Rotterdam, na Europa, quando a rachadura foi percebida. Na terça-feira (6), ele foi deslocado para uma área a cerca de 9 quilômetros da costa, onde a empresa operadora pretendia começar o conserto.

A STX, cuja sede no Brasil fica no Rio de Janeiro, confirmou ao G1 que cogita “levar a embarcação para outro lugar” e que um dos locais em análise é Fortaleza.

A empresa confirmou também que “ainda não sabe a dimensão” da fissura. Segundo a companhia, no lado externo, não há visibilidade no mar para mergulhadores e, no lado interno, dentro do tanque, não há segurança, pois uma bomba opera para expulsar a água que entra.

A STX também diz descartar riscos do navio afundar ou de vazamento de minério ou de óleo.

Rachadura está ‘longe’

Segundo o delegado, “a rachadura está longe do local onde ficam os tanques com minério e com combustível” e que a situação “está sob controle”.

“Fizemos uma vistoria preventiva, apenas para tomar ciência do que está sendo feito na embarcação. Fomos informados que nem todos os tanques estão cheios de minério. São sete tanques com 263,4 toneladas de minério, além de dois tipos de combustível. O navio está com 334 toneladas de diesel e mais 7 toneladas de combustível pesado”, afirma Bordalo.

O delegado afirma que tanto a Vale quanto a empresa operadora da embarcação ainda não apresentaram um plano preventivo para conter um possível vazamento do navio que foi solicitado na quarta-feira (7) pelo Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis). Até o momento, diz o Ibama, não houve vazamento na embarcação. A previsão é que o documento fosse entregue ainda nesta quinta-feira, diz o delegado.

A STX informou que divulgaria uma nota sobre o plano. A Vale disse que não poderia confirmar se o projeto foi ou não entregue.

O delegado diz ter visitado a embarcação da Vale em caráter preventivo. “Até o momento não há crime e não temos inquérito instaurado”, afirmou.


2 pensou em “Navio da Vale com rachadura pode ser rebocado para o Ceará

  1. “Fomos informados que nem todos os tanques estão cheios de minério. São sete tanques com 263,4 toneladas de minério”, além de dois tipos de combustível. O navio está com 334 toneladas de diesel e mais 7 toneladas de combustível pesado”, afirma Bordalo.

    -Agora navio ser “vistoriado” por quem não entende de navios é complicado.

    -Primeiro o minério esta nos PORÕES e não tanques, minério não é liquido.
    -Os dois tipos de óleo isso é normal em todo navio, um é apenas para “aquecer” e ser queimado enquanto o navio faz manobras dentro do porto (Diesel), o outro é o combustível normal de navios (óleo pesado)

Os comentários estão fechados.