Marreca pede mais segurança após assassinato de secretário de Magalhães de Almeida

O presidente da Federação dos Municípios do Estado do Maranhão (FAMEM), prefeito Junior Marreca, comentou, neste fim de semana, o que chamou de “tragédia anunciada”, referindo-se ao assassinato do secretário de Finanças do Município de Magalhães de Almeida.

Fenelon Candeira Caldas foi vítima de latrocínio na MA-034, com um tiro na boca, na tarde de sexta-feira (9), quando voltava de São Bernardo com o dinheiro para o pagamento dos funcionários da Prefeitura. A vítima estava acompanhada do irmão do prefeito de Magalhães de Almeida, identificado como Raimundo Nonato, que também foi atingido com um tiro no ombro.

Segundo a polícia, a vítima estava em um Honda Civic de placas NHO-0003 de propriedade do prefeito de Magalhães de Almeida, Neto Carvalho, quando, a 20 km de chegar ao destino, foi abordado por quatro homens armados em uma Hilux que disparam contra o veículo.

Em entrevista ao titular do blog, Marreca lembrou que o crime foi cometido justamente no dia em que ocorre o maior repasse do ano na conta do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). “Além da 1ª cota do mês, também foi efetuado o repasse do 1% do FPM. Isso mostra que os bandidos já conhecem as rotinas administrativas dos municípios e, com a necessidade de deslocamento de uma cidade para outra, fica mais fácil a ação criminosa”, disse ele.

Para o presidente, a falta de agências bancárias nos municípios e o fato de o Estado não intensificar a segurança nos dias em que a movimentação financeira é maior nas cidades do interior do estado favorecem a atuação das quadrilhas.

“A instalação de mais agências bancárias nos municípios tem sido uma reivindicação constante da FAMEM. Já mantivemos reuniões com as superintendências do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal e mesmo dos bancos privados, para que instalem novos postos nas cidades onde eles não existem. Não é só uma questão de conforto. Como todos puderam ver, agora, após essa tragédia anunciada, a abertura das agências é, primordialmente, um questão de segurança”, completou lembrando que, recentemente, o Banco do Brasil anunciou, após conversas com a Federação, a criação de dez novas agências no estado e a contratação de 500 funcionários.

Marreca ressaltou, também, que a falta de acesso à Internet em praticamente todo o interior do estado limita a possibilidade de utilização dos chamados gerenciadores financeiros. “O acesso à Internet no interior do estado, como sabemos, é ínfimo, e ações que poderiam ser resolvidas via gerenciadores bancários são impossíveis sem acesso à grande rede”, finalizou.


4 pensou em “Marreca pede mais segurança após assassinato de secretário de Magalhães de Almeida

  1. esse marraka deveria era pedir segurança as 217 municipalidades maranhenses, contra a insegurança advinda pelos prefeitos e suas trupes. é logico que este exagero tem algum fundamento, a exemplo do proprio itapecuru.

  2. a famem caso séria, deveria pedir + segurança para as municipalidades quando esta lhes falta em seus proprios municipios a exemplo da propria região do vale do itapecurú. entendeu?????

    • Mas e não é exatamente isso o que o presidente está fazendo? Ele pede não apenas mais segurança, como também mais agências bancárias nos municípios – o que, por outro viés, acaba proporcionando mais segurança também

Os comentários estão fechados.