Ministério do Turismo propõe redução de impostos para aviação

O ministro do Turismo, Gastão Vieira, avançou na disposição de criar mecanismo para desonerar a cadeia produtiva do turismo. No finalzinho de 2011, apresentou ao Conselho dos Secretários Estaduais de Fazenda (Confaz) proposta de redução de impostos para as companhias de aviação. O objetivo é provocar a diminuição dos preços das passagens aéreas, estimulando o aumento de viagens internas.

Em conversa com o titular do blog, Gastão explicou que a proposta é de redução do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre querosene de aviação, que representa 35% do custo da passagem.

Desde que assumiu o Ministério em setembro do ano passado, Gastão Vieira colocou a desoneração do setor como uma das prioridades de sua administração. E já articula com setores da área econômica do governo outras medidas para baratear custos, aumentando a competitividade do turismo brasileiro.

_______________________Leia mais

Folha: Infraero deixa de gastar R$ 1 bilhão em obras em 2011


3 pensou em “Ministério do Turismo propõe redução de impostos para aviação

  1. De suma importância projetos nesse gabarito, pois estimulam as viagens internas pelo Brasil, e ainda contribuem para o turismo nas regiões do país. A iniciativa precisa ser colocada em prática, fato que em média demora (infelizmente), devido a boa parte, ou total classe política, sendo essa do legislativo e executivo, usufruem das passagens áreas gratuitas (a custo ZERO) para o bolso da autoridades. Enquanto isso, os brasileiros apertam o orçamento para viajar pelo menos uma vez no ano, com passagens áreas com preço absurdo, é o exemplo dos preços das passagens para Fortaleza, Ceará, Bahia, todos no nordeste, muitas vezes mais caras do que ir para Buenos Aires.

  2. Os incentivos para o setor de turismo terá um retorno satisfatório para arrecadação, pois não a interesse da sonegação e assim inibe os sonegadores e beneficiarão os bom contribuintes, incentivados a ajudar , fiscalizar e informar os maus contribuintes.

Os comentários estão fechados.