Desconto em folha seria exigência para atendimento de aposentados no Hospital do Servidor

Uma denúncia recorrente envolvendo a Secretaria de Estado de Planejamento (SEPLAN) tem sido alvo de comentários em blogs e rádios locais e ainda não foi esclarecida pelo secretário Fábio Gondim.

Segundo os denunciantes, os servidores aposentados do Estado que buscam atendimento no novo Hospital do Servidor, na Cidade Operária, estariam sendo obrigados a preencher um formulário, autorizando o Executivo a descontar 1% dos seus benefícios, para que consultas, exames e etc. pudessem ser efetivados.

Um absurdo!

A principal reclamação desses aposentados diz respeito ao fato de que eles já pagaram, durante todo o período de serviço, os conhecidos FUNBEM e FEPA, descontados também em folha. Segundo eles, isso deveria bastar como garantia para o atendimento.

Mas não é assim, pelo menos de acordo com as várias denúncias já recebidas por este blog, via comentários, e ouvidas em rádios locais.

Outro lado

Por telefone, o titular do blog tenta contato com o secretário de Planejamento, Fábio Gondim, desde a última segunda-feira (9) para tratar do assunto. Sem sucesso.


8 pensou em “Desconto em folha seria exigência para atendimento de aposentados no Hospital do Servidor

  1. Se esta idéia destrambelhada do desconto, partiu deste FÁBIO GODIN, ele está pedindo pra sair, ele deve está com saudades dos conforto e mordomias do suntuoso Senado Federal, é o que dá entender, só tendo uma mente doentia, para pensar desta maneira. Que maneira mais bizonha de arrecadar recursos? dos pobres aposentados e pensionista, aonde já se viu isso?, esse playboyzinho tem que ser chamado pelo beiço, para dar explicação desta atitude nefasta, se ele quer ir embora, que use a diplomacia e peça pra sair, não tomando medidas precipitadas e irrelevante. As manifestações já estão marcada dos Servidores Aposentados e Pensionista o Sindicato dos Professores, para a retomada do HOSPITAL DO IPEM nas próxima semana, que é dos servidor Estadual, e não pode ser entregue de mão beijada para a iniciativa privada, o único bem dos funcionários público. Que fique o alerta a governadora, corte as asas dos seus auxiliares que querem por os pés diante das mãos tornando mais desgastante, “O pior governo da vida dela”

  2. VERDADE MEU AMIGO,AGORA CAD.A SAÚDE DO SERVIDOR MAIS EM 2014 COM FÉ EM DEUS O HOSPITAL DO IPEM VOLTARA

  3. Meu povo isso tudo só acontece porque a população do Maranhão é muito ordeira e pacífica: ou será subserviente e acomodada???
    Vejam o exemplo dos nossos vizinhos piauienses. As passagens de transporte coletivo lá foram rejustadas em R$ 0,20 (isso mesmo, vinte centavos de real) e o pau está comendo nas ruas. Sao estudantes e trabaladores em um protesto ferrenho e agora até violento com uma ação atabaolhada da PM Piauiense…… Lembre-se ainda que as passagens lá custam R$1,90.
    Em se falando em Saúde só o fato do atual governo tirar do servidor o excelente prédio onde funcionava o IPEM, o bem localizado e estruturado prédio do Hospital Carlos Macieira (que pelo que dizem as más linguas será entregue para o funcionamento da residência médica de uma Universidade Particular) e deslocar o atendimento dos servidores para a Cidade Operária (do outro lado da ilha) em um prédio minúsculo já é motivo suficiente para uma guerra civil.
    Cabe lembrar ainda que desde que o Carlos Macieira parou de atender aos servidores públicos estaduais (que continuam pagando todos os meses para ter direito a acesso a saúde “pública”) os mesmos servidores e seus dependentes estão jogados as traças.
    Eu mesmo (Investigador de Policia Civil) tive que procurar a rede de saúde estadual para realizar simples exames laboratoriais em minha esposa que se encontra gestante, contudo não tivesse acesso a nenhum tipo de atendimento, assim sacrifiquei meu 13º em quase R$600,00 em exames em laboratório particular.
    Na época procurei o Hospital Carlo Macieira e como alí não havia atendimento fui enviado a qualquer das UPA’S, pois estes locais estariam orientados a atender os servidores estaduais, frente a ausência de qualquer outro local para esse atendimento. Entretanto, em todas as Unidades – UPA’s – a que me dirigi não consegui nenhum tipo de atendimento, pois só poderiam ser admitidos ali pessoas em situação de URGÊNCIA ou EMERGÊNCIA e só para esses pacientes poderia ser realizado qualquer atendimento. Questionei sobre sobre o atendimento aos servidores estaduais e me foi informado que aquelas unidades não seriam destinadas a esse público….

  4. Concordo plenamente com o amigo Nilson! Esse colapso na saúde do servidor público é sim, motivo suficiente para se fazer uma greve geral! Temos que parar o Maranhão!! Afinal a “máquina”, é o funcionarismo público!! Chega de “abaixar a cabeça” e dizer que tudo tá bom, que nada pode melhorar!

Os comentários estão fechados.