Rádio Universidade divulga nota sobre dispensa de jornalista

A Rádio Universidade FM divulgou, ontem (5), nota de esclarecimento sobre a demissão da jornalista Poliana Ribeiro – que disse, em nota de repúdio publicada em sua página no Facebook, ter sido dispensada por ser mãe (veja post abaixo).

Na nota, a direção da rádio argumenta que a demissão obedeceu as exigências legais e que se deu por incompatibilidade no cumprimento das obrigações por parte da profissional.

Veja a nota abaixo:

“A Rádio Universidade FM, tendo em vista nota publicada nas redes sociais pela jornalista Poliana Marta Ribeiro de Abreu, acerca de sua dispensa dos quadros da emissora, esclarece o que se segue:
A demissão foi feita em obediência a todos os preceitos da legislação trabalhista e não foi causada por quaisquer preconceitos, contrariamente ao que alega a jornalista.
A direção da Rádio, ao proceder à dispensa, o fez não somente nos trâmites legais, mas especialmente motivada por incompatibilidades relativas ao cumprimento da demanda das tarefas do Núcleo de Jornalismo. É importante considerar que o cargo que a profissional exercia, Coordenadora do Núcleo de Jornalismo, de acordo com o Regimento da emissora, é de livre contratação e demissão do gestor.
Esclarece, finalmente, que a Rádio Universidade sempre prezou por um jornalismo presente e de qualidade, porque é o que a sociedade exige e espera, objetivo que sempre pautou a direção em suas decisões.
São Luís, 5 de abril de 2012.
A direção”


6 pensou em “Rádio Universidade divulga nota sobre dispensa de jornalista

  1. Meu amigo,
    Nao existe demissao sem stress.
    A radio contrata e demite quem quiser e nem sempre(quase nunca) quem sai,sai de maneira amigavel.
    Saiu,saiu agora e correr atras de outro emprego e viver um novo ciclo. A vida e assim.

  2. Que trâmites legais? Onde estão os artigos da legislação trabalhista que, supostamente, “basearam” a demissão?

    Que “incompatibilidades relativas ao cumprimento da demanda das tarefas do Núcleo de Jornalismo”?

  3. Vejam se eu estou certo: a) a Radio Universidade é um braço da Universidade Federal. Assim, é órgão integrante da Administração Pública Federal, em que os servidores devem, conforme a nossa desrespeitada Constituição, ser contratados mediante Concurso Público; b) pelo que esclarece a Rádio, ela não era concursada. Chegou ao cargo ou emprego empurrda pela caneta de algum ‘p.g’ da Rádio. c) ora, a caneta que tem força para trazer tem mais força ainda para levar… d) ela não tem de o que reclamar.
    Alguém contesta?

    • Caro Armando,
      conforme explicado pela nota da rádio, o cargo é de livre nomeação e exoneração e não se configura crime ou qualquer ilícito administrativo chegar aos postos da Administração Pública por essas vias, como enseja seu comentário. Ela chegou lá pq mereceu.
      O que se está discutindo aqui são os motivos que levaram à sua demissão, que se ficarem provados os levantados pela colega, pressupõe o direito de reparação.
      No mais, também concordo que é bola pra frente. Procurar outro emprego, afinal há muitos outros lugares que pagam bem melhor que a rádio Universidade.

  4. ACABOU DE MORRER SOTERRADO UM FILHO DO VEREADOR DE SAO JOSE DOS BASILIOS-MA EDIMILSON TEXEIRA…. A MA QUE LIGA JOSELANDIA A BR-135 DESABOU 02 BUEIRROS PROXIMO A JOSELANDIA-MA E O RAPAZ DE 22 ANOS VINHA DE UMA FESTA EM JOSELANDIA QD SE DEPAROU CM O BURACO DE MAS DE 50 MTS DE LARGURA E UNS 30 MTS DE ALTURA.QD O VEICULO FIAT(UNO) CAIU O MOTORISTA CHAMOU OS COMPANHEIROS Q VINHAM CM ELE NO CARRO E OS COMPANHEIROS SAIRAM DO CARRO E SUBIU A BARREIRA E O RAPAZ QD TENTOU SUBIR FOI SOTERRADO PELA BARREIRA E MORREU NO LOCAL.

  5. Olha, minha solidariedade à colega Polyana Ribeiro. Atitudes como essa não se coadunam com a prática da cidadania e da dignidade humana.
    Na nota emitida pela Rádio fica claro que o ‘presente’ e o caminho mais curto e rápido para situação em que mulheres brasileiras em pleno trabalho tornam-se mães é, logo após a notícia ser dada sempre com muita ansiedade ao patrão, é serem sumariamente demitidas.
    Não se trata aqui de ser ou não uma decisão que cabe aà Direção. Mas penso que aqui configura-se um verdadeirto desrespeito ao profissional. E o que é pior parte de uma instituição que forma esses mesmos profissionais.
    E outra, segundo os trabalhadores, muitos qure já passaram por lá e até mesmo quem ainda se mantém, além supostamente descumprir o que diz a Lei 6615 (Lei do Radialista) em vários aspectos é histórico esses desmandos e abusos existentes por lá.
    Por isso é todos exigem que um dia seja realizado concurso público para todos os profissionais para acabar de vez de com essa ‘parcialidade’ nojenta.
    Ali é cobra engolindo cobra. E olha que ta vindo por aí uma TV universitária. Imagine vc.
    Isso é um absurdo.
    A Direção da Rádio, ou o responsável por essa irresponsabiliddade, deveria ter pensado nisso antes de tomar a decisão.
    Não pensou e agora padece com mais essa aberração.
    Sindicato dos Radialistas neles agora.
    E que sirva de lição aos colegas que por aqli ainda resolverem despejar todos os seus sonhos profissionais.

Os comentários estão fechados.