NOTAS: não faltou confusão nas prévias do PT

Vaias

A primeira confusão do encontro do PT deste domingo (PT) pegou de surpresa a observadora nacional da votação, Vera Gomes. Ela foi hostilizada por aliados do deputado estadual Bira do Pindaré quando afirmava que o PT devia ao presidente do Congresso, senador José Sarney (PMDB), o fato de não ter sido aberto processo de impeachment contra o ex-presidenrte Lula por conta do Mensalão.

“O PT deve, sim, a Sarney, porque foi o pulso firme do senador que evitou um processo de impeachment que a oposição tanto queria abrir contra o ex-presidente Lula”, destacou.

Foi o estopim para a reação desmedida do deputado. Para a observadora, a reação “faz parte da democracia”.

“Faz parte da democracia, reagir contra opiniões divergentes. A vaia é uma forma de se expressar, uma forma mal-educada, é verdade, mas, ainda assim, uma forma de se expressar. Normalmente se utiliza desse tipo de artifício na falta de argumentos”, completou.

Devolve, Bira

O vice-governador Washington Oliveira (PT) engrossou o coro pela devolução, por parte do deputado Bira do Pindaré, dos salários que este recebera a mais em 2011 e início de 2012.

Na polêmica envolvendo os 18 salários dos parlamentares maranhenses – recentemente reduzidos a “apenas” 15 – Bira tem sido um intransigente defensor de que ele e os colegas recebam 13, como qualquer trabalhador comum. Mas nunca denunciou a regalia, ou pelo menos se predispôs a devolver o recurso recebido a mais.

Se depender de Oliveira, ele devolverá. “Eu sou de um tempo em que discurso, às vezes, dava até cadeia. Eu convivi, e sofri, com a ditadura. Agora, o deputado Bira parece não ter mais do que apenas discurso, porque, se tivesse, devolveria os salários que recebeu a mais. O Bira posa de vestal, mas é só pose”, disse, sob o olhar petrificante de Bira.

Suspeito

A votação deste domingo (15) terminou em 123 a 97 a favor de Washington Oliveira. Como o vice-governador entrou na disputa com 124 delegados, houve uma defecção., que nunca será confirmada, porque a votação foi secreta.

Mas, ao conversar com militantes após a apuração, o blog levantou que 8 em 10 petista acreditam que pode ter sido Joab o “traidor”.

Lentidão

Muita gente criticou a lentidão do processo de votação das prévias. Pelo que ficou decidido, cada militante era chamado nominalmente, preenchia a cédula de votação e depositava na urna.

O formato foi uma exigência dos aliados de Bira, que exigiram que o Regimento Interno fosse seguido à risca.

Os aliados de Washington Oliveira queriam votação por crachá. Para eles, a exigência de Bira – que garantia votação secreta – era a única esperança de conseguir defecções (ou trairagem, mesmo). Não deu certo. Como já se viu acima, só um traiu W.O.

De fininho

Rapaz, o deputado estadual Bira do Pindaré arranjou uma nova forma de sair “à francesa”, ou de fininho: carregado pelos aliados. Isso mesmo.

Logo após o fim da votação – e antes mesmo do início da apuração – ele fez um discurso empolgado, arrancou aplausos dos aliados e saiu carregado do auditório do SESC Turismo.

Muita gente achava que, após a cena, ele voltaria para acompanhar a contagem dos votos. Mas ele sumiu. E desligou o celular…

Protagonismo

A palavra “protagonimso” foi a mais utilizada pelos aliados de Washington Oliveira durante o encontro. Além do próprio pré-candidato (“este ano, o PT tem condições de ser protagonista da mudança”), utilizaram o termo o militante Kleber Gomes (“essa é uma candidatura para garantir o protagonismo do PT nestas eleições”) e o ex-presidente do Incra, Raimundo Monteiro (“só Washington tem a capacidade de levar o PT a ser protagonista nestas eleições”).

Todos referindo-se ao fato de que, se ganhasse a eleição, Bira abdicaria da pré-candidatura em prol de um candidato ligado a Flávio Dino (PC do B).


3 pensou em “NOTAS: não faltou confusão nas prévias do PT

  1. Washington tem tudo para reeditar o “fenômeno Força Total – Jaime Santana”, que em 1985 ficou em quarto lugar, apoiado pela oligarquia maranhense, que contava até com um presidente da república

    Como diz o professor Ed Wilson: “Tatuado de Sarney, WO vai às ruas desmoralizado e sem estímulo dos apoiadores. O pior cenário é para a chapa de vereadores do PT. Anulam-se as chances de o partido eleger sequer um representante na Câmara Municipal” http://blogdoedwilson.blogspot.com.br/2012/04/washington-oliveira-e-adversario-de-si.html

  2. podem ter levado o macaxeira a condição de candidato, e isso ele deve ao grupo sarney e não ao povo maranhense, que também não lhe dará a credibilidade de quem quer ver o grupo sarney fora dos dominios do maranhão. quanto ao bira, esse sim, é, e será o expoente da oposição, que quer ver um maranhão livre sem as amarras do senador mor do maranhão. temos a certeza que bira como dutra, estarão na frente oposicionista para enfrentar não só o vice mais tambem seu capataz. lamento ver um lider sindical $$er arrematado com tanta facilidade, o tempo vai mostrar quando for abandonado, veja o que eles fizeram com o tadeu.

Os comentários estão fechados.