PM estava entre grupo de evangélicos

Essa é uma daquelas infelizes coincidências que, analisadas uma semana após a morte do jornalista e blogueiro Décio Sá, fazem pensar que o rumo do crime poderia ter sido outro.

Um policial militar estava entre o grupo de evangélicos pelo qual passou o assassino já em cima de um morro na Avenida Litorânea, minutos após cravar seis balas em um pai de família.

O policial, desarmado, achou estranha a atitude do executor de Décio – muitos acharam que ele procurava um local para fazer suas necessidades fisiológicas – e evitou uma perseguição por achar que poderia estar em desvantagem.

O detalhe é o motivo que o levou a deixar sua arma (também uma .040) dentro do carro, estacionado na avenida: um pedido do pastor que comandava um dos grupos.

O PM queria levar a arma consigo, mas o líder do grupo preferiu que não. “Vocês são muito confiados. Não sabemos o que tem lá em cima”, teria ponderado o militar, ainda antes da subida ao morro, segundo fontes do blog.

Por fim, falou mais alto a voz do pastor, e ninguém subiu armado…


15 pensou em “PM estava entre grupo de evangélicos

  1. Simmmm, mas em que mesmo isso ajuda nas investigações do caso citado???Não entendi tanto misterio???Vc descobriu quem é o assassino???

    • E quando foi que eu disse que tinha uma informação crucial para o caso… é apenas um detalhe, sobre como uma série de coincidências favoreceram os bandidos…

  2. Ele fez o correto! Ele não estava de serviço e nem é heroi. Se ele tivesse morrido não teria nem uma recompensa de dez mil reais. Quem tem que correr atrás do bandido é a viatura com policiais de serviço, porque caso aconteça algo de errado o mesmo vai ser punido e marginalizado na mídia porca e comprada desse estado cheio de corruptos, onde a oligarquia, o banditismo e o coronelismo ainda existem por culpa de pessoas que só vislumbram melhorias pessoais e não coletivas.

    • Sem dúvida… mas, se estivesse armado, com certeza teria perseguido o assassino…

      • É, mas mesmo armado ele não tinha a minima idéia do que tinha acontecido, pra ele era somente mais uma pessoa qualquer as vezes apertado pra fazer alguma necessidade fisiológica. Uma amiga minha estava em um bar a 300 metros de lá e não ouviu nenhum dos dosparos, por ai vc faz uma analogia.

        • Sem dúvida… como digo no post, é só uma infeliz coincidência, que nos faz pensar que as coisas PODERIAM ser diferentes

  3. GILBERTO LEDA.
    QUERMOS ACABAR COM A PISTOLAGEM NO MARANHÃO, VAMOS FAZER MANIFESTAÇÕES NA FRENTE DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA, SOBRE OS CRIMES DE PISTOLAGEM, NÃO VAMOS DEIXAR ESSE ASSUNTO, CALAR A NOSSA BOCA, COLOQUE SEMPRE MATERIAS SOBRE PISTOLAGEM, GILBERTO LEDA, VAMOS SER DURO CONTRA OS PISTOLEIROS, VAMOS COBRAR DAS AUTORIDADES, COM A AJUDA DO SEU BLOG, O POVÃOOO FICA MAIS TRANQUILO, O SEU BLOG É A VOZ DO POVO, OS DEPUTADOS TEM QUE APROVAR A CPI DA PISTOLAGEM, UM ABRAÇÃOOOOO……

  4. Quando se é policia não tem hora e nem lugar que não esteja de serviço?
    Policial é sempre policia até nas horas com Deus.

    • Tb acho isso – como jornalista é jornalista toda hora. Mas entendo que ele, desarmado, tenha hesitado em agir…

      • AGORA ELE É O SALVADOR DA PATRIA? NAO SAO ELES OS BANDIDOS FARDADOS? QUE MUITO SE DIZEM POR AI?

  5. Vamos ver as ligações deste pastor para o assunto. Que eles estavam fazendo no alto do morro naquele dia e aquela hora? Por que não quiz o policial armado, ele é louco ou o que? O lugar é ermo, ele não tinha medo de um arrastão ou coisa que o valha. Vamos pegar o nome deste pastor e fornece-la a PF.
    cadê o retrato falado, cde o estudo dos lotes das munições, cadê a moto e o carro com certeza roubados, ou eram dos participantes do assunto? por que o autor estava de cara descoberta ou estava disfarce? Munição e carregador não tinham digitais? São tantas duvidas.

Os comentários estão fechados.