VÍDEO! Prefeito de Santa Rita flagrado supostamente dando dinheiro a eleitores

O prefeito de Santa Rita, Hilton Gonçalo (PDT) foi flagrado por um cinegrafista amador  supostamente dando dinheiro a eleitores em praça pública.

Adversários do pedetista dizem que ele estava comprando votos para o seu candidato, o motorista Tim Ribeiro (PRB). O prefeito ainda não foi localizado pelo blog para comentar o assunto.

Na gravação, Gonçalo aparece conversando com três mulheres, uma menina e dois homens. Ele coloca a mão no bolso e retira o que as fontes do blog dizem ser dinheiro. É possível ver a mulher mais à direita do vídeo – de blusa cor-de-rosa – guardando algo no bolso de trás da bermuda.

Ele também entrega o que parece ser dinheiro nas mãos de um senhor de camisa amarela antes de entrar numa caminhonete.

Prisão

Hilton Gonçalo é o mesmo que foi preso nas eleições de 2010 justamente sob a acusação de compra de votos. Na ocasião, policiais do Serviço de Inteligência da Polícia Militar detiveram o prefeito, o motorista dele, Luis Alberto Castro, e o sargento aposentado da PM, José Orlando dos Santos, no povoado Jiquiri, município de Santa Rita.

Durante a revista feita no carro de Gonçalo, foram apreendidos santinhos do ex-governador Jackson Lago (PDT), um revólver calibre 38, uma pistola 380, medicamentos, além de R$ 500, em notas de R$ 5 e R$ 10.

O prefeito passou a noite na cadeia e só saiu após o pagamento de fiança.


10 pensou em “VÍDEO! Prefeito de Santa Rita flagrado supostamente dando dinheiro a eleitores

  1. Não adianta nada essas provas junto ao TRE. Já vimos várias cenas comprovadas de vendas/compras de votos e enviados ao Tribunal e nada foi feito.Os juize$ parecem não entender do a$$unto!

    • Mas eu naum quero provar nada ao TRE, apenas informar o cidadão de bem… Se conseguir isso, já me basta

  2. Nao olhei dinheiro algum e sim um papel branco ….È melhor vcs primeiro se informarem, pois o conteudo do teu texto não condiz com a realidade dos fatos acontecidos, podendo lhe gerar um processo …

  3. GILBERTO O PRÓPRIO TSE TEM AVACALHADO O PROCESSO ELEITORAL.

    ESTE TIPO DE PROVA É CONSIDERADA ILÍCITA PELO TSE.

    ESSE CORRUPTO AINDA PODE QUERER PROCESSAR QUEM GRAVOU E O TEU BLOG.

    Por quatro votos a três, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), na sessão desta quinta-feira (16), considerou ilícita a gravação ambiente feita sem o conhecimento dos interlocutores. Acompanhando o voto do relator, ministro Marco Aurélio, a Corte manteve decisão do Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA), que havia rejeitado a referida gravação como meio de prova e mantido o diploma de Délcio Mascarenhas de Almeida Filho, eleito vereador de Santo Antônio de Jesus-BA, nas eleições de 2008.

    Segundo o voto do relator, a gravação ambiente submete-se à regra da inviolabilidade dos dados, sendo que o afastamento da proteção não pressupõe gravações escondidas ou dissimuladas por um dos interlocutores, mas sim decorrentes de ordem judicial e sempre vinculadas à investigação criminal ou à instrução processual penal.

    Para o ministro Marco Aurélio, a questão ganha ainda mais relevo quando se trata de processo eleitoral, onde as disputas são acirradas, prevalecendo, muitas vezes, reações passionais. “Penso que na situação em exame houve violação ao direito da intimidade, não se devendo admitir a prova como lícita”, afirmou em seu voto.

    O ministro ressaltou, ainda, que se constitui verdadeiro paradoxo reconhecer como válida gravação ambiente feita sem o conhecimento dos interlocutores, tendo em conta admitir-se tal prova somente quando autorizada pelo Poder Judiciário.

    A ação de impuganção de mandato eletivo contra Délcio Mascarenhas de Almeida Filho foi promovida pela coligação “Com a Força do Povo” e pelo PMDB municipal, por suposta captação ilícita de sufrágio ou compra de votos. Segundo os autos, o eleitor Israel Nunes dos Santos teria gravado, clandestinamente, utilizando um telefone celular, um suposto oferecimento de dinheiro por seu voto e de sua família.

    Os ministros Dias Toffoli, Gilson Dipp e Luciana Lóssio acompanharam o relator. Já os ministros Arnaldo Versiani e Nancy Andrighi divergiram do relator e consideraram a gravação uma prova lícita e, no mesmo sentido, votou a presidente do TSE, ministra Cármen Lúcia Antunes Rocha.

    MC/LF

    Processo relacionado: Respe 34426

    • Edgar, é ilícita para fins de produção de provas. Como eu não sou tribunal e estou respaldado no direito que dei a ele de se manifestar antes de publicar o texto, não tenho o que temer…

  4. Gilberto vcs sabe que nos interior do nossos estado isso sempre acontece não e só em perido de eleições depois do bolsa escola povo não que mais trabalhar e bolsa que não acaba mais e bolsa gestante vale gas fora aqules que ficam não frente dar prefeitura nos coredores do legislativo municipal até no estadual o gvernodora comete o maiorabo crime e não dar capacitação mão de obra e empregos chega de esmola

  5. ME DIZ QUEM E QUE NÃO COMPRA VOTO, PARA QUALQUER POLITICO PARA SE ELEGER TEM QUE COMPRAR VOTO E DROGAS PARA DAR PARA OS VICIADOS VOTAREM NELES.

Os comentários estão fechados.