Diretor consegue apoio de empresários para reformar Socorrão I

socorraoEra para tudo ser feito com certa discrição, mas a própria filha do empresário Marcos Regadas, Caroline Regadas, resolveu pedir a ajuda de amigos e acabou dando a senha de uma iniciativa inédita que pode estar para ser posta em prática em São Luís.

A Franere e empresas parceiras devem viabilizar nos próximos meses a reforma do setor de pediatria e a ampliação do número de leitos de UTI no Socorrão I.

A decisão foi tomada depois de uma visita de Caroline e do tio, Inácio Regadas, irmão de Marcos, às dependências do hospital, logo após aquela campanha de doação de alimentos. Ela se disse sensibilizada e por isso decidiu tomar a atitude.

“Liguei para um amigo arquiteto Marcos Peixoto esse se prontificou a fazer todo o projeto sem custo, meu tio adotou toda a área da pediatria para fazer a reforma. […] Eu fiquei com a área  de fazer uma nova UTI e fazer as reformas de todos os banheiros do segundo andar e a pintura [sic]”, disse Caroline em sua página pessoal no Facebook.

Em virtude do tamanho da obra, ela usou a influência que tem para conseguir, também, a ajuda de parceiros.

“Gostaria de pedir a ajuda de todos vocês com sacos de cimento, galões de tintas, metros de fio… (Esses materiais serão necessários para todo o hospital) […] Me liguem que eu vou pegar [sic]”, completou.

Segundo apurou o blog, muito desse material já começou a chegar no hospital. A reforma deve começar em breve.


16 pensou em “Diretor consegue apoio de empresários para reformar Socorrão I

  1. sera que o secretario da pasta responsavel pelo capeamento asfaltico da capital não poderia seguir o exemplo e pedir a populacao carradas de entulho para tapar os buracos das ruas?? O que se pode esperar de uma administracao onde se adota praticas dessa natureza??? Haha

  2. Atitude Louvável, tenho CTZ que essa Nova Gestão será Sucesso, com a Simpatia de pessoas que querem ajudar a fazer uma São Luis Melhor!

  3. Franere? Uma das maiores patrocinadoras de campanhas politicas?? Hmm..sei não!! E a transparência disso tudo? O Yglésio fala em PPPs..Ele sabe o que é isso?? O Município a serviço do capital privado. Entramos novamente no Estado Minimo

  4. Gente ignorante, quem conhece a Carol sabe que ela fez por vontade própria e por amor.
    Alguns comentários mostram que o povinho daqui nasceu para servir aos senhores feudais.

  5. Tava na hora mesmo…Esses empresários ficaram milionários vendendo imóveis superfaturados, e com qualidade dúvidosa no mercado imobiliário de São Luís, esse é o minimo do minimo que pode ser feito em retribuição pela riqueza conseguida a custos absurdos. É louvável a ação, mas se fizessem calados seria bem mais nobre…

  6. Essa atitude é inovadora, e demonstra q cabeça de um gestor comprometido com o serviço público,pois se a prefeitura esta trabalhando no vermelho,todos os gestores devem procurar uma saída para dar continuidade aos seus trabalhos,parabéns Yglesio Moyses.

  7. Concordo com tal atitude. Penso que quanto mais valorizamos pessoas que de alguma forma querem ajudar mais teremos progresso. Quanto aos comentários “contrários” é importante respeitarmos pois não pensamos igual. Se achamos que tal atitude vai trazer “melhoras” para a sociedade é importante seguir em frente.Contem comigo.

  8. Caro Gilberto,
    É lamentável um profissional como você deturpar fatos que só visam o bem comum das pessoas mais carentes.
    Não devemos julgar cidadão pelo simples fato dele querer colaborar com uma instituição tão carente como o SOCORRÃO I.
    Essa jovem tão sensível que você e outros blogueiros citam, não tem nenhuma finalidade política ou lucrativa. Apenas achou que poderia dar um pontapé inicial para ajudar um setor público que está passando por um redesenho no atual governo.
    Sabemos que o novo prefeito tem muitos projetos e muitos problemas para serem alinhados, mas a saúde pede socorro, a saúde não pode esperar e apesar de ser uma das prioridades do que foi proposto em eleições, estou certa que se a iniciativa privada se propõe ajudar, não vejo porque não aceitar.
    Ao contrário de apunhalar a iniciativa privada, seria muito bom repensar e somar forças para solucionar este problema.
    Fica a dica.

  9. Faz tempo que não acredito em Papai Noel e cegonha, de graça não ficará, é óbvio que a prefeitura também dará sua contrapartida, mesmo que seja isentando(?) as empresas parceiras de algumas taxas.

Os comentários estão fechados.