Prestadores de serviço da saúde devem pressionar por salários

É de total apreensão o clima entre os prestadores de serviço da área de saúde no Maranhão depois que o governador Flávio Dino (PCdoB) determinou a suspensão de ordens de pagamentos enviadas para o Banco do Brasil pelo ex-governador Arnaldo Melo (PMDB).

Segundo levantamento de O Estado, a medida deverá afetar o funcionamento de pelo menos 21 unidades de saúde no Maranhão, uma vez que as empresas ICN e Bem Viver deixaram de receber, juntas, mais de R$ 8 milhões, que seriam para pagamento da folha de dezembro de funcionários dessas unidades.

A ICN deveria ter recebido cerca de R$ 4,75 milhões pela administração de 12 unidades de saúde. São UPAs e hospitais em todo o Maranhão. A empresa Bem Viver deveria ter recebido mais de R$ 3,6 milhões de 26 ordens de serviços.

No total, o valor dos pagamentos passa de R$ 8 milhões, mas foi suspenso após denúncia de funcionários da Secretaria de Estado do Planejamento (Seplan) de que as ordens emitidas nos dias 30 e 31 de dezembro continham irregularidades.

Às empresas, o Governo do Estado informou que o pagamento somente deverá ser normalizado depois do dia 15 deste mês. Entre os servidores, já há quem defenda paralisação de serviços caso o não seja cumprido.

Direitos

Por meio de sua página pessoa no Facebook, a deputada estadual Andrea Murad (PMDB) comentou que o caminho para os que se sentirem prejudicados é buscar seus direitos na Justiça.

“A minha preocupação maior, diante desse prenúncio do caos, é com o pai de família, com o trabalhador que honrou o seu compromisso e agora sai prejudicado com o comportamento autoritário, ditatorial e com a total falta de sensibilidade com as empresas que servem ao governo de forma legítima. Pior ainda fez Flávio Dino ao suspender pagamentos a prefeituras que já vivem argoladas e com poucos recursos. Prefeitos ficaram sem dinheiro para o Samu e Farmácia Básica, serviços de saúde essenciais para a população. Sugiro que todos os prejudicados busquem na Justiça seus direitos pra que todas as ordens bancárias sejam creditadas e possam honrar os seus compromissos”, escreveu Andrea Murad.


3 pensou em “Prestadores de serviço da saúde devem pressionar por salários

  1. CREIO QUE O PREFEITO EDIVAL HOLANDA JR., NÃO TERÁ NEM OS FUNCIONÁRIOS DA PRÓPRIA PREFEITURA AO SEU LADO PARA O PRÓXIMO PLEITO ELEITORAL, TENDO EM VISTA QUE NÃO VEM CUMPRINDO E MUITO MENOS MOSTRANDO VONTADE EM SER REELEITO.
    PODEMOS ESCLARECER QUE ALGUNS FUNCIONÁRIOS, CHAMADOS CARGOS COMISSIONADOS, LIGADOS A SEMUS, COM GRADUAÇÃO, QUALIFICAÇÃO E TITULAÇÃO GANHAM APENAS UMA IMORALIDADE DE R$ 800,00.
    DURANTE A CAMPANHA, O ENTÃO PREFEITO ELEITO PROMETEU MORALIZAR O SALÁRIO DOS TÉCNICOS CONTRATADOS DA SAÚDE E NUNCA SE VIU NADA ACONTECENDO, CHEGANDO A SERMOS AMEAÇADOS COM A ULTRAPASSAGEM DO SALÁRIO MÍNIMO QUE JÁ BEIRA OS R$ 800,00 (788,00).
    JÁ OS EFETIVOS QUEREM SEUS DIREITOS RESPEITADOS COM O PAGAMENTO DO ADICIONAL SAÚDE E DOS FUNCIONÁRIOS DA VIGILÂNCIA QUE NÃO ESTÃO RECEBENDO PELA SEMUS, ONDE JOÃO CASTELO ASSINOU UM DECRETO POR 90 DIAS DE SUSPENSÃO EM 02/10/10, TENDO EM VISTA QUE ALGUNS RECEBEM HOJE E OUTROS NÃO, GERANDO UMA INSATISFAÇÃO GERAL.
    QUEREMOS RECURSOS PARA AS PROGRESSÕES E TITULAÇÕES COMO REGE O ESTATUTO DO SERVIDOR,POIS A ATUAL GESTÃO MUNICIPAL RECUSA A FORNECER, O QUE É DE DIREITO ALEGANDO: “INDEFERIMENTO POR NÃO HAVER PREVISÃO ORÇAMENTÁRIA”

  2. Pingback: Dino evita dar prazo para pagamento de prestadores de serviço da Saúde | Gilberto Léda

  3. Pingback: Flávio Dino evita para pagamento de prestadores de serviço da Saúde | Blog do Ronaldo Rocha

Os comentários estão fechados.