Flávio Dino tenta enrolar jornalista e toma “puxão de orelha”

dinoEssa foi hilária.

O governador Flávio Dino (PCdoB) tentou levar na conversa o jornalista Jorge Moreno, de O Globo, e tomou um tremendo “puxão de orelha” para todo o Brasil ver.

O jornalista iniciou uma conversa com o comunista por meio do Twitter, e pediu explicações sobre a revelação de que há parentes de assessores governamentais nomeados aos montes nas secretarias estaduais.

“Flávio Dino, botei confiança no seu governo. Não me deixe perdê-la pela denúncia de nomeações de parentes de assessores”, escreveu Moreno.

unnamedFlávio Dino tentou desconversar: “A denúncia é absurda. Basta ler a Sumula 13 do Supremo. Os servidores são efetivos. Não há nenhum parente meu, em lugar algum”.

O articulista de O Globo, então, não perdoou. E lembrou ao governador do Maranhão qual era o tema da denúncia.

“É sobre isso que este repórter, humildemente, lhe pergunta, governador Flávio Dino: o sr. nomeou parentes de seus secretários? A matéria, caro governador, não fala que há parentes seus nomeados. Pelo contrário, destaca isso, mas de secretários e assessores seus”, voltou a questionar.

Constrangido publicamente, Flávio Dino calou-se.


9 pensou em “Flávio Dino tenta enrolar jornalista e toma “puxão de orelha”

  1. Flavio Dino, repito, se deixar o fronteiriço Marcio Jerry mandar e desmandar no seu governo, terá o mesmo fim de Jomar Fernandes. Marcio Jerry está deslumbrado com o poder e não tem preparo nem equilibrio para discernir o que se deve e não deve fazer quando se tem poder. Esse é pobre de dinheiro e de espírito.

  2. Cara, é foda isso aí. Tô começando a achar que o mal de governo é esse tal de Jerry aí, acho bom FD ficar de olho

  3. Carta aberta a Flávio Dino

    Governador, desde o início do seu mandato à frente do Governo do Maranhão, depois de décadas de um câncer político em metástase assolar nosso estado, tenho conservado um otimismo contido. Sua eleição foi, de longe, a melhor coisa que nos aconteceu, como povo, em anos, e eu a comemorei sem reticências. Mas, a partir daí, a festa precisa dar lugar à vigília.

    Não foi a primeira vez que o Maranhão acreditou em promessas de libertação – antes mesmo de Jackson Lago, derrubado depois de eleito, o próprio Sarney, que o senhor tão corajosamente combate, havia sido erguido como messias por se opor à oligarquia que antecedeu a dele, a de Vitorino Freire. Mas não acredito em messianismos, apesar de crer fortemente na sua boa vontade política e, mais ainda, na sua competência técnica para gerir nosso estado.

    Continuo otimista, mas vigilante. “Meu brinde foi sumário, curto e breve”, como diz o poeta. Incomoda-me muito o clima de embriaguez com que muitos de seus entusiastas ainda se referem ao senhor quando é hora de sobriedade, de vigília intransigente para que essa conquista, que não é sua, mas do povo maranhense, não seja maculada.

    O caso de suposto favorecimento de parentes de aliados seus na gestão pública não fere a súmula vinculante do STF que trata de nepotismo, como seu discurso oficial rebateu, mas há grandes diferenças a serem observadas entre o que é legal e o que pode ser considerado legítimo. A escravidão também não contrariava a lei de sua época.

    Governador, é preciso ter em mente nos próximos quatros anos que, mais do que um “sim” para o senhor, o povo disse “não” a um modelo de política falido, esgotado no sentido mais amplo da palavra, um esgoto a céu aberto. Não repita esse modelo. A tentação será grande – e maior ainda será a tentação de evocar a lógica das coisas como justificativa.

    Não foi a primeira vez que nos prometeram libertação, mas, depois de um tempo, a gente passa a perceber que são nossos gestores públicos que precisam se libertar, de uma vez por todas, da lógica perversa que tem guiado nossa política ao longo das décadas.

    Acredito no senhor. Mas sem messianismo

    DIEGO FREIRE

  4. Espanta-me o atual Governador(o ex-Juiz Federal que iniciou o processo de caças às bruxas com a Resolução do CNJ sobre nepotismo) permitir, justamente na sua gestão e sob seu nariz, a festa de nomeação de parentes entre os Secretários e demais exercestes de cargo de Direção no seu governo. Dois pesos e duas medidas, Flávio Dino. Assim vc vira Petista. Lamentável…

  5. Comungamos aqui em Presidente Dutra do ponto de vista do Diego Freire: ” Antes de libertamos o Maranhão, precisamos libertar os nossos governantes do Messianismo. Do patrimonialismo. O favorecimento de amigos , correligionários e parentes com a coisa pública é IMORAL sim. São vários casos:Márcio Jerry com esposa e família, José Reinaldo com sobrinho e mulher.Vereador Zezão em Presidente Dutra com todos filhos , nora e sobrinho…Viva Vitorino Freire, Viva Padre Antonio Vieira.

  6. Para entender o governo comunista basta ler “A Revolução dos Bichos”.Uma verdadeira farsa:” Alguns são mais iguais”.Acredíto que Diego Freire votou errado. Aquí em Presidente Dutra tem um NEPOTISMOZÃO. O comunista do Maranhão se esconde por traz da súmula 13, para praticar atos que se não ilegais, são imorais e ferem a dignidade do povo do Maranhão.Viva Vitorino Freire, Viva Padre Antõnio Vieira.

Os comentários estão fechados.