Dino admite loteamento da gestão: ‘Quem ganha conosco, governa com a gente’

O governador Flávio Dino (PCdoB) admitiu ontem, durante entrevista antes da posse coletiva dos novos secretários da gestão estadual, que loteou cargos no governo para contemplar todos os aliados que o ajudaram a se reeleger.

Perguntado sobre se a nomeação de vários indicados de partidos políticos atendia a uma estratégia baseada nas eleições municipais, ele disse que “muito pouco”, mas confirmou que trata-se do atendimento a compromissos firmados durante a campanha de 2018.

“[Tem a ver] Muito pouco com as eleições municipais, mais com as próprias eleições estaduais. Como eu gosto de sublinhar, sou uma pessoa de palavra, uma pessoa que tem compromissos. Então, na medida em que nós fizemos uma ampla união em favor da continuidade da nossa experiência de governo, é claro que, por coerência, em cumprimento ao programa que nós apresentamos na urnas, nós temos que ter um governo plural, cujas diferenças das várias posições políticas estejam representadas”.

Para o comunista, “Isso é fruto da nossa visão autenticamente democrática”.

“Quem ganha conosco, governa com a gente”, completou.

A declaração acaba por endossar uma crítica feita no fim da semana passada pelo líder do Bloco Parlamentar de Oposição (BPO) na Assembleia Legislativa, deputado Adriano Sarney (PV).

Em entrevista a O Estado, o parlamentar disse acreditar que as mudanças são o pagamento de compromissos de campanha (reveja).


5 pensou em “Dino admite loteamento da gestão: ‘Quem ganha conosco, governa com a gente’

  1. Adriano fala o óbvio por conhecer como funciona. Uma composição eleitoral de partidos sempre resulta numa composição de governo. Talvez um dia perceba que faz uma oposição medíocre que não o levará a nenhum lugar.

  2. E um idiota mesmo. Se no primeiro mandato montou a sua equipe de secretários por “competência”, escolhidos a dedo e foi um desastre, imagina agora que os piores políticos do estado metendo a mão na cumbuca, só preocupados com seus interesses. Pela lógica, será um desastre. Encheram de caciques no governo quando antes só tinha um buchudo que se achava/acha.

  3. Não vejo o motivo de tanto espanto. Claro que se governa com o grupo que esteve com qualquer candidato durante uma campanha… Ou se deve governar com um grupo que seja opositor ao governo que tomará ou tomou posse? Acho que governar com uma equipe de oposição não vai dar muito certo…

Os comentários estão fechados.