Bolsonaro, Flávio Dino e a retaliação a adversários

A notícia de que o Maranhão deve ficar fora de um pacote de ações de fomento à agricultura desenvolvido pelo governo Bolsonaro (saiba mais) reacendeu o debate sobre os constantes ataques do governador Flávio Dino (PCdoB) ao presidente da República.

Alguns aliados do comunista entendem que ele não pode ser culpado por esse tipo de retaliação. Dizem que Bolsonaro não pode punir todo um estado por conta de querelas políticas com seu governante.

Nisso estão cobertos de razão…

Só falta esses mesmo aliados dizerem a Dino para aplicar na prática o que defende.

Aqui mesmo, no Maranhão, por exemplo, a cidade de São Pedro dos Crentes é vítima constante de retaliações por parte do Governo do Estado.

A mais recente delas, o corte do repasse de verbas para a Saúde municipal (entenda aqui).

Motivo?

O prefeito Lahésio Rodrigues (PSDB), faz dura oposição a Flávio Dino (veja aqui|).

Como sempre, falta coerência a essa turma.

Juscelino reage

Apesar da divulgação das microrregiões atendias sem nenhum pólo no Maranhão, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, garante que o estado não será deixado de lado.

Segundo o coordenador da bancada maranhense em Brasília, deputado Juscelino Filho (DEM), o Maranhão só ficará de fora do projeto destinado ao semiárido, mas entrará em outros pacotes.

“A ministra nos afirmou que o Maranhão está incluso no programa porque ele vai abranger todo o Nordeste e apenas parte do programa será específica para o semiárido nordestino”, declarou o democrata (saiba mais).


3 pensou em “Bolsonaro, Flávio Dino e a retaliação a adversários

  1. Gilberto Leda, por favor publique em seu blog o atraso do pagamento dos professores de escolas comunitárias de Paço do Lumiar MA, pois estão a 3 meses sem receber e tem escolas que estão a 4 meses, ou seja, que não pagaram nem janeiro de 2019.
    Obrigada!

  2. Não existe “retaliação” nenhuma. E não tem nada haver com política. O fato é simples, se o projeto é para o chamado Semi-arido Nordestino, quem conhece um pouco de geografia nacional, é ciente que, o estado do Maranhão não está incluso nesta “região” ( que se estende em todo o nordeste e uma parte de Minas Gerais).

    O que estão tentando fazer é outra coisa, tudo menos política.

Os comentários estão fechados.