Jipeiros multados por trafegar pelo Parque Nacional dos Lençóis

De O Estado

Imagem meramente ilustrativa

A equipe de fiscalização do Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses autuou dois grupos de expedição 4×4 que entraram nos limites da unidade de conservação no mês de março. Desde 2017 é proibida a entrada de veículos particulares de visitantes. A medida visa preservar os atributos naturais do parque, concentrando o acesso dos visitantes nos veículos credenciados que são equipados para a atividade e seguem as rotas definidas pela administração do parque.

O primeiro grupo denominado Desorganização OffRoad invadiu a unidade de conservação com 11 veículos durante o período do carnaval com ajuda de guia local. Eles cruzaram o parque passando inclusive pela zona primitiva circulando sobre dunas fixas e móveis, paleomangues, lagoas e rios causando revolta a todos que vivem e trabalham no parque seguindo suas normas de visitação.

Outro grupo com cinco UTVs (veículo utilitário multitarefas, da sigla em inglês), também contando com o apoio de morador da região, invadiu a zona costeira do parque chegando à foz do Rio Negro e estacionando sobre as formações da cachoeira do Bonzinho.

Depois de um mês de investigação o ICMBio identificou os envolvidos e lavrou multas no valor de R$10.000,00 para cada envolvido por infringir as normas de visitação do parque causando danos diretos ao meio ambiente e danos indiretos ao usar do poder econômico para forçar moradores locais a quebrar as regras e incentivar atividade proibida através de postagens nas redes sociais. Além do processo administrativo ambiental, todos os envolvidos responderão ainda processo criminal na medida em que a atividade causa danos diretos e indiretos à unidade de conservação de proteção integral.


16 thoughts on “Jipeiros multados por trafegar pelo Parque Nacional dos Lençóis

  1. Eu me acabo de caminhar apresentando o.parque para pessoas de todas as partes do mundo e vem esses bostas irresponsáveis invadir com seus animais nojentos.

  2. Acho q o meio termo é uma saída.
    Tem alguns lugares q se pode trafegar e usufruir dessa blza infinitamente exuberantes q a natureza nos proporciona.
    O q os ventos fazem em 1 dia na mudança dos canários, os jipeiros levariam anos.

    • Entao, migo, o meio termo é colocar gente treinada pra apresentar o Parque para os turistas de maneira responsável. O termo extremista é nao deixar ninguem entrar. E o liberal é deixar todo mundo de maneira irresponsavel destruir o Parque. Nós ja estamos vivenciando o meio termo

  3. Primeiro lugar, sou jipeiro… segundo, nem todos sao irresponsaveis nao! fazemos viagens por nossa conta, sem auxilio de guia porque gostamos de nos virarmos sozinhos! achar as paisagens pelo gps, coordenadas…. passar por lugares bonitos, sem estragar o meio ambiente e o jipe (entao, sem forcar nada)….
    enfim, nao generalizem!
    se eles andaram em reserva, estao errados… mas penso eu, que onde pode andar o bugues, podem andar o jipes! todos devem ter os mesmos limites…
    e nao somos boyzinhos nao, conseguimos com muito esforco…
    estou errado?

    • Dentro do Parque Nacional nem bugues nem quadriciclos podem entrar, somente veículos credenciados pelo ICMBIO. Fui pra lá o ano passado e concordo plenamente com a medida. É um dos lugares mais lindos que já vi

      • Credenciado é aquele beneficiado local, que leva alguma vantagem? Que não usa combustível fóssil, anda com rodas de madeira? Uso meu jipe como todos meus amigos com muita consciência e cuidado com nosso meio ambiente! A mentalidade extremista do tudo NÃO é exatamente equiparada aos exemplos acima citados dos baderneiros motorizados. Imperando este “tipo” de gente tudo e todos saem perdendo!!

      • Sou jipeiro também e como sempre o governo libera para quem paga e proíbe para quem não paga. Os veículos credenciados pelo ICMBIO andam pelos mesmos lugares que os jipeiros e com vários passeios todos os dias e aí quem estraga o meio ambiente é meia dúzia de jipeiro que anda por lá. Vai aonde…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *