Advogados pedem prisão de Moro, Dallagnol e mais três procuradores

Jornalistas Livres

O coletivo nacional de Advogadas e Advogados pela Democracia pediu há pouco, por volta das 21hs deste sábado, (15/06/19), no Superior Tribunal de Justiça, a prisão em caráter cautelar do juiz Sérgio Fernando Moro e dos procuradores federais Deltan Martinazzo Dallagnol, Laura Gonçalves Tessler, Carlos Fernando dos Santos Lima e Maurício Gotardo Gerum, que aparecem nas conversas reveladas pelo site The Intercept, do jornalista Glenn Greenwald.

Segundo a petição, Moro, Dallagnol e os demais procuradores estão manipulando a imprensa e podem estar destruindo provas para encobrir crimes como, o de formação de organização criminosa, corrupção passiva, prevaricação e violação de sigilo funcional, além de crimes contra o regime representativo e democrático, a Federação e o Estado de Direito.

O documento protocolado aponta que “restam inexoravelmente presentes os requisitos do ‘fumus comissi delicti’  [onde há fumaça há fogo] e do ‘periculum in libertatis’ [perigo da permanência do suspeito em liberdade], seja para resguardar a ordem pública ou para conveniência da instrução criminal.”

“Protocolamos o pedido de instauração de inquérito. São medidas práticas de prisão cautelar  para evitar a fabricação de provas como a que está sendo veiculada pela mídia nesse momento sobre um hacker que está invadindo o Telegram. O próprio aplicativo de mensagens há manifestou que isso não é verdade”, disse aos Jornalistas Livres um dos membros do coletivo Advogadas e Advogados pela Democracia.

Até o momento, o procurador Dallagno, não entregou à Polícia Federal seu aparelho celular para investigação.

Agora, o STJ tem de despachar a petição imediatamente, ainda nesta madrugada, sob pena de o ministro plantonista incorrer no crime de prevaricação. “O plantonista poderá acatar a petição, recusá-la ou determinar medidas alternativas como afastamento de Moro e procuradores de seus cargos”, elucidou o coletivo.


11 pensou em “Advogados pedem prisão de Moro, Dallagnol e mais três procuradores

  1. Esses “Advogados pela Democracia” é da mesma trupe de “Jornalistas pela Democracia’,braços do Petismo que insiste em perturbar o País na saga de voltar ao Poder e transformar o País numa Venezuela.Se as Forças Armadas forem pra rua,podem contar comigo.PT nunca mais.

  2. Concordo com os advogados, pois assim como eles, promotores, já pediram varias prisões para os acusados não prejudicarem as investigações, e o juiz atendeu os pedidos, pode ser usado os mesmos argumentos contra a turma que tramou para tirar o PT do poder, fizeram um bem, mas usando métodos inconstitucionais.

    • Eh bonitao… Com certeza vc não eh do meio jurico…. Essas mensagens publicadas só trazem aos olhos o que todo mundo que eh do meio jurídico sabe existir…. Advogado que vai despachar com o juiz pq o promotor n pode???

    • Se vc conhecesse a justiça, jamais teria essa concordância, pois estas conversas entre juízes, procuradores e promotores de justiça é normal, mais a imprensa e alguns petistas acha isso o fim do mundo

  3. Está na hora de cassarem as carteiras desses advogados pilantra e botarem na cadeia, bando de idiota, que mal sabem fazer petições, são advogados de porta de cadeia, só gostam de bandidos.

  4. A LEI TEM QUE SER PRA TODOS NEM JUÍZES E ADVOGADOS ESTÃO ACIMA DELA,,, NÃO QUER DIZER QUE LULA E A TURMA DO PT SEJA INOCENTE , MAS O QUE MORO E DALLAGNOL FIZERAM ESTA ERADO ELES TEM QUE SER PUNIDOS ,,

  5. Eu, como advogado e militante a cada dia que passa fica mais assustado e abismado com tantas idiotices e absurdos no meio jurídico que determinados advogados fazem, sujando ainda mais a classe dos advogados.
    De onde surgiu esse tal “Advogadas e Advogados pela Democracia”? Se fosse democráticos o povo brasileiro teria o devido conhecimento.
    Isso é coisa desses lunáticos e vagabundos ligados a ORCRIM chamada PT, assim como o crime cibernético em desfavor da equipe da lava jato, com o intuito de quererem libertar o bandido e presidiário do Lula.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *