Governo Flávio Dino mostra as garras para moradores do Cajueiro

As cenas protagonizadas na noite de ontem (12) pelo Batalhão de Choque da PMMA contra moradores despejados da comunidade Cajueiro chocaram até mesmo os mais fieis aliados do governador Flávio Dino (PCdoB),

Sem disposição alguma para dialogar, o governo comunista usou toda a força que podia contra um protesto de não mais que 30 pessoas, e pacífico.

Os moradores, munidos apenas de faixas, não representavam qualquer risco de dano ao patrimônio público ou à integridade de qualquer membro do Executivo.

Queriam apenas dialogar…

Mas diálogo parece já não ser mais o forte desse governo, que se elegeu sob esse signo.

A postura da gestão Flávio Dino no caso contrasta com a da própria WPR, empresa que implantará um porto no terreno invadido do Cajueiro.

E, antes de ser surpreendente, isso é na realidade revelador.

O “capitalista opressor”, o empresário que “só visa aos lucros”, negociou com a comunidade. E aceitou ceder em vários pontos, mesmo sendo legítimo proprietário da área ocupada.

Para garantir o cumprimento da liminar de forma pacífica e humanizada, o Porto São Luís formalizou proposta que contempla as 11 famílias que residiam no local: ofereceu-lhes aluguel social no valor de até R$ 600 por mês, pago diretamente ao locador ou ao ocupante contemplado, e uma cesta básica por mês. Ambos pelo prazo de um ano (saiba mais).

Os ocupantes que optaram pela ajuda de custo tiveram garantida, ainda, vaga de emprego nas obras de construção do Terminal Portuário. Tudo para facilitar as negociações para a saída dos invasores.

Então despejados do local, na manhã de ontem, os moradores seguiram em vigília em frente ao Palácio dos Leões.

Ora, se o “capitalista opressor” ofereceu aquilo, é claro que com o comunista/progressista haveria de ter uma proposta melhor. É como devem ter pensado.

Ledo engano.

Após horas em frente ao Palácio dos Leões, só o que receberam foram bombas de efeito moral e algumas cacetadas.

Isso sem contar os que ainda devem ser processados pelo Estado pela “baderna” causada no local.

Antes de ser surpreendente, a postura do governo comunista no caso é reveladora…


16 pensou em “Governo Flávio Dino mostra as garras para moradores do Cajueiro

  1. Se houve acordo entre a empresa proprietária do terreno e os moradores que lá residiam, inclusive com garantia de “vaga de emprego nas obras de construção do Terminal Portuário”, pergunto: 1 – Porq o protesto em frente o palácio dos leões? 2 – O governador teria o poder de cassar decisão judicial ou impedir que a PM a cumprisse?

  2. “Ora, se o “capitalista opressor” ofereceu aquilo, é claro que com o comunista/progressista haveria de ter uma proposta melhor. É como devem ter pensado”

    Que obra prima da imprensa maranhense. Eu nunca imaginei ver um jornalista miranteano dando “joinha” para chantagem de invasores, e sem nenhuma vergonha de escrever isso.

  3. Existem hoje uma demanda reprimida gigantesca de decisões judiciais legítimas de reintegração de posse dormitando na mesa do comandante geral da PM para execução (dizem que já são mais de 1000 em todo Estado)..apenas duas foram “autorizadas” até hoje pelo seletivo Governo comunista.. uma em São José de Ribamar de um ex-deputado estadual e essa da comunidade Cajueiro!!..Ao MP, Judiciário, OAB e aos requerentes, só cabe o “Jus Esperniandi” …o direito de espernear pq o Executivo não autoriza a força policial para acompanhar os Oficiais de Justiça para o cumprimento!! Um claro desrespeito a ordem judicial, bem como uma conduta que pode ser caracterizada como Crime de Responsabilidade com punição de perda do cargo público e inabilitação pra exercer cargos públicos.

  4. Quem deveria também fazer um protesto na porta do Palácio do Leões era as dezenas de centenas de requerentes que até hoje não conseguiram reaver a posse de seu patrimônio em razão — segundo a imprensa e os proprietários — do governador do Estado não deixar se cumprir as respeitáveis ordens judiciais, será!!?

  5. este governo esta precisando pagar pelas consequências ruins ocasionadas para a população em geral.
    creio que o poder judiciário local e os órgãos auxiliares do judiciário estão mesmo que indiretamente sobre o Comando do executivo.
    desta forma acredito que deva ser denunciada todas as opressões e irregularidades deste governo no judiciário federal.

  6. Nao é o governo Bolsonaro que é opressor e esse cara quer se candidatar a presidência em 2022 somente os mortadelas ou os desavisados para votar nele

    • Essa opressão cruel e covarde do reacionário governador Flávio Dino com a sua Polícia de Choque contra os pobres e indefesos moradores de Cajueiro que estavam na porta do Palácio dos Leões com apenas faixas protestando democraticamente, será mostrada na Rede Globo e na campanha dele pra Presidente da República em 2022, tomara que ele se candidate.

  7. fale sobre o 1º concurso da câmara de são luis em que não foi chamado nenhum aprovado ainda, o presidente osmar só está enrolado os concursados com várias desculpas: organizar a casa (só se for a passos de tartaruga) , aposentadoria de irregulares, acúmulo de cargos, etc. não sabe nem informar quantos servidores tem na câmara. Absurdo total

  8. PT e PCdoB.
    Os Partidos que mais gostam de MANIFESTAÇÕES e agora NÃO aceitam contra eles, aonde está a Democracia????
    Era bom mostrar isso na Globo, olha isso Bolsonaro publica aí, o Governador do MA , expulsando a População das suas casas.

  9. Desconfio que esses policiais não seguiram as ordens do governador !!!..Todos sabem que a grande maioria dos policiais militares são bolsonarianos.

  10. O Sr. Governador esta mostrando a que veio e o que ele realmente é, pois trata-se de um sujeito que não tem dialogo com ninguém, ele é AUTORITÁRIO, PREPOTENTE, DITADOR E UM PATÉTICO INVETERADO.
    Agora tudo isso é muito pouco pra agradecer ao povo do Maranhão por sua reeleição em primeiro tuno
    O Senhor Flavio Dino precisando de uma reeleição já era péssimo governador imagine agora que ele não quer se reeleger

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *