Maranhão é recordista em punição a magistrados no CNJ, aponta Folha

Criados em 2005 para fiscalizar o trabalho de juízes e promotores, os conselhos nacional de Justiça e do Ministério Público ficaram mais marcados neste período pelo arquivamento de casos conhecidos do que por impor penas severas aos profissionais.

É o que informa reportagem deste domingo (26) da Folha de S. Paulo.

“O CNJ, por exemplo, já autuou ao menos 13.638 processos disciplinares, mas em apenas 104 casos, o equivalente a 0,78%, houve punição a magistrado. Apesar dos números, os conselhos sempre serviram como um escudo perante a opinião pública”, diz a publicação.

A despeito dos baixos números, pelo menos em casos envolvendo magistrados do Maranhão há um ponto fora da curva: o estado é o recordista em membros do Judiciário punidos pelo CNJ.

De acordo com a publicação, 17 é o número de sanções a integrantes do TJ do Maranhão, o recordista.

Leia a íntegra aqui.


7 pensou em “Maranhão é recordista em punição a magistrados no CNJ, aponta Folha

    • Tem que haver profundas reformas no Brasil tanto no Judiciário como no MP. Intocáveis, a maioria fica numa boa, trabalham e produzem pouco, cheios de mordomias, cometem improbidades e quase não acontece nada com eles. Por cima são eles que dão as cartas no Brasil de hoje se metendo na vida de todos os brasileiros? Tudo culpado como dizia o liberal Roberto Campus dessa constituição socialista chamada pelo mesmo de “besteirol”.

  1. Deve ser porque os maranhenses são mais desonestos que o Brasileiro, por si já muito desonesto em relação ao mundo. Nosso judiciário virou uma guerra de gangues, lá no TJMA há facções em busca de saques e butins.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *