MP cobra SES por volta às aulas presenciais no Maranhão

Promotores de justiça das áreas de Saúde, Educação e Proteção ao Idoso e à Pessoa com Deficiência encaminharam, na sexta-feira (7), ofício conjunto à Secretaria de Estado da Saúde do Maranhão (SES/MA) solicitando um pronunciamento sobre a volta às aulas presenciais.

No ofício, o MPMA pede que, no prazo de cinco dias, o Centro de Operações de Emergências em Saúde Pública (COE Covid 19) e a Comissão de Infectologia da SES/MA detalhem critérios sanitários que devem viabilizar a retomada segura das aulas presenciais nas instituições de ensino, públicas e privadas, em território maranhense.

Caso seja possível a retomada responsável das atividades educacionais presencialmente, deve ser formulado um protocolo sanitário uniforme único, que contemple todas as instituições de ensino do estado, públicas e privadas, e seja aplicável aos alunos da educação especial.

O ofício é resultado de uma reunião virtual promovida pelos Centros de Apoio Operacionais (CAOps) Saúde, Educação e de Proteção ao Idoso e à Pessoa com Deficiência com representantes da Secretaria de Estado da Saúde do Maranhão. Participaram da reunião os coordenadores dos CAOps Saúde, Ilma de Paiva Pereira; da Educação, Eduardo Borges Oliveira; de Proteção ao Idoso e à Pessoa com Deficiência, Gabriele Gadelha, além dos promotores de justiça Glória Mafra, Paulo Avelar, Thiago Oliveira Pires, Paula Cortez e Sandra Pontes e representantes da COE Covid 19 e da Comissão de Infectologia.

_______________Leia mais
Dom Bosco suspende aulas presenciais após caso positivo de Covid-19
Colégio Batista também suspende retorno de aulas presenciais


2 pensou em “MP cobra SES por volta às aulas presenciais no Maranhão

  1. Interessante…

    Por que não dão o exemplo e testam protocolos sanitários em reuniões presenciais?

    Mas pra verificar mesmo se o protocolo é bom, sugiro que façam reuniões diárias, por 1 semana, com duração de 4h numa sala de 3×5 sem ventilação adequada. Incluam no grupo da reunião algumas crianças e adolescentes.

    Depois da experiência, aí sim podem sugerir a extrapolação do protocolo para toda a rede.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *