Alvo da Lava Jato é CEO de empresa que assinou acordo com a Gasmar

De O Estado

Um dos alvos da 75ª fase da Lava Jato, deflagrada pela Polícia Federal na quarta-feira, 23, foi Eduardo Antonello, CEO da Golar Power, empresa de gás natural liquefeito e energia que tem acordo fechado com o Governo do Maranhão via Companhia Maranhense de Gás (Gasmar).

Antonello teve bens bloqueados e é investigado por suposta participação em um esquema de pagamento de propina envolvendo a empresa de navegação marítima Sapura e a Petrobras, em um contrato de US$ 2,7 bilhões, quando ainda representava o Grupo Seadrill.

Em agosto, já sob comando de Antonello, a Golar fechou parceria com a BR Distribuidora, em que a Petrobras é acionista, para distribuição de gás natural liquefeito.

No Maranhão, um protocolo de intenções foi assinado em fevereiro deste ano. Segundo o Governo do Estado, o acordo deve viabilizar o fornecimento de gás natural para uso veicular e industrial, por meio do gás natural liquefeito (GNL). O protocolo para o início do projeto – entre a Gasmar e a Golar Power – foi assinado durante o “Fórum Maranhense de Distribuição de Gás Natural”, em São Luís.

Na ocasião, o vice-governador Carlos Brandão (Republicanos) representou o governador Flávio Dino (PCdoB) no evento e falou dos benefícios que a ampliação do uso do gás natural a outros segmentos trará para o Estado.

“Nós vamos interiorizar o gás não só para atender os pequenos e grandes veículos, mas também para as pequenas e médias empresas. Isso vai garantir uma energia limpa, renovável e mais barata; o que, consequentemente, vai impactar positivamente os investimentos das empresas, gerando mais empregos e renda”, destacou o vice-governador.

Já o diretor-presidente da Gasmar, ex-deputado e ex-prefeito Deoclides Macedo (PDT), garantiu que ainda em 2020 o estado contará com o GNL para uso veicular e industrial.

“O que se propõe hoje, de forma concreta e factível, é a inserção do gás natural de maneira mais ampla na matriz energética maranhense, beneficiando diretamente e de forma decisiva a sociedade. Com isso, conseguiremos melhorar a economia do estado, gerar oportunidades e fazer com que a população maranhense possa perceber, tanto na capital como nas principais regiões do interior, a presença do gás natural como impulsionador do desenvolvimento do Maranhão”, frisou Macedo.

O presidente da Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap), Ted Lago, enfatizou no evento que o Porto do Itaqui também estaria envolvido no projeto, garantindo infraestrutura dos seus terminais para a chegada de equipamentos e insumos.

“É uma nova carga que vem se incorporar à dinâmica de operações do Itaqui, principalmente em combustíveis, na geração de energia e outras possibilidades. Estamos preparados para movimentar essa nova carga que vem fomentar o crescimento do Itaqui e do nosso estado”, afirmou Ted Lago.

“Nós contamos muito com a infraestrutura do Porto do Itaqui para essa operação”, afirmou o vice-presidente da Golar Power, Marcelo Rodrigues na ocasião. “Nossa ideia é iniciar a operação em outubro deste ano, trazendo o GNL em nosso navio que está em Sergipe para movimentação de cabotagem no Itaqui”, completou.


2 pensou em “Alvo da Lava Jato é CEO de empresa que assinou acordo com a Gasmar

  1. Te cuida Flávio Dino, a PF já adquiriu até um ônibus para rodar o Brasil de ponta a ponta, fora os jatinhos para descobrir corrupção dos governadores.

  2. Pingback: Gasmar diz desconhecer ação da Lava Jato contra CEO da Golar Power - Gilberto Léda

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *