Edilázio: “Flávio Dino levou ‘taca’ nas eleições no Maranhão”

O deputado federal Edilázio Júnior (PSD) avaliou hoje, em pronunciamento na Câmara Federal, como vexatório o desempenho do governador Flávio Dino (PCdoB) – enquanto líder de um grupo político -, nas eleições municipais do Maranhão.

O parlamentar lembrou que em 4 dos 5 maiores colégios eleitorais do estado – aí incluída a capital, São Luís, o governador não obteve êxito com os seus candidatos a prefeito. Para Edilázio, Dino saiu menor destas eleições.

“Venho aqui destacar as derrotas do Partido Comunista do Brasil no estado do Maranhão. O governador Flávio Dino saiu pequeno das eleições deste mês de novembro. Flávio Dino perdeu em quatro das cinco maiores colégios eleitorais do nosso estado”, disse.

E completou: “Ele perdeu em São Luís. No primeiro turno o candidato dele [Rubens Júnior], teve míseros 10% dos votos. No segundo turno o governador apareceu na televisão mais do que o próprio candidato [Duarte Júnior] e coagiu funcionários e secretários para que trabalhassem pelo candidato, rachou o grupo dele e ainda assim entrou na taca onde a ‘Ilha Rebelde’ mostrou mais uma vez que não aceita cabresto”, disse.

Edilázio lembrou que além de São Luís, Dino perdeu a eleicao em Imperatriz, em Caxias e em São José de Ribamar. “E a única cidade dos 5 maiores polos em que ele se saiu vitorioso foi no município de Timon, onde ele obteve apenas 40% dos votos. Ou seja, 60% dos munícipes de Timon também disse não à gestão comunista e aos aliados do governo comunista”, completou.

Edilázio ainda enfatizou, antes de concluir o seu pronunciamento, que Dino acumulou outras duas derrotas significativas no Maranhão: Lago da Pedra, que tem como prefeita eleita Maura Jorge e São Pedro dos Crentes, onde o prefeito reeleito Lahesio Bonfim obteve mais de 90% dos votos válidos, com a maior votação proporcional do Maranhão. Os dois combatem o comunismo no Maranhão de forma expressiva.

Ele também enfatizou que em 2016 o PCdoB encerrou o pleito com 45 prefeitos eleitos. Em 2020 esse número baixou para 22, a maioria em municípios pequenos.

“Em 2020 o Maranhão já mostrou que não quer mais esse tipo de governo, que coage, que persegue que usa a polícia de forma opressiva. O governador sai pequeno, se vende como um grande líder nacional, mas lá no seu quintal pegou taca de cabo a rabo no estado do Maranhão”, finalizou.


1 pensou em “Edilázio: “Flávio Dino levou ‘taca’ nas eleições no Maranhão”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *