Comandante do CBMMA infringe lei ao anunciar candidatura a deputado

O comandante-geral do Corpo de Bombeiros Militar do Maranhão (CBMMA), coronel Célio Roberto de Araújo, anunciou na semana passada sua candidatura a deputado estadual.

Em um vídeo direcionado a correligionários e possíveis apoiadores, ele destaca sua intenção de entrar para a vida política.

Mas infringiu uma lei ao fazê-lo.

Segundo o Estatuto dos Militares (Lei nº 6.880/1980), “é proibido ao militar o uso dos uniformes: a) em manifestação de caráter político-partidária”.

Como se vê do vídeo abaixo, Araújo estava fardado ao anunciar seu interesse em disputar a eleição do ano que vem.

Já começou errado.


6 pensou em “Comandante do CBMMA infringe lei ao anunciar candidatura a deputado

  1. Como fica os direitos assegurados pelo artigo 5º da Constituição Federal de 1988? Então os militares estão impedidos de de manifestarem publicamente acerca de suas opiniões e pretensões? Não seria uma forma de tratamento desigual perante a Constituição que garante essa igualdade de todos perante a lei? Creio que vários cidadãos já manifestaram suas intenções de concorrer a cargo eletivo e não foi dada tanta atenção.

  2. Já começou a incomodar !?
    Temos aqui um grande líder, pois o compromisso de servir a população, e além do mais, tem aplena liberdade de expressão, porém aqueles que nunca serviram, se servem em confundir.
    Portanto não deslizem pelos boatos e pelas maldades de quem não aceita a nobreza do trabalho brilhante que vem fazendo o Sr Cmt Cel Célio Roberto.
    Desejamos ao Cmt Cel Célio Roberto sucesso e paz nessa caminhada.

  3. Esse vídeo que o Sr divulgou foi um plebiscito que aconteceu em sua igreja onde foi escolhido pra ser seu representante na próxima eleição.
    O comandante se manisfestou somente pra PARTICIPAR de sua alegria.
    Agradecemos a Sr Gilberto leda por divulgar faça mas vezes ficaremos grato.
    Chegou nosso vez e nossa resposta será nas urnas.

  4. Infringindo claramente a lei 6513/95 Art 103 parágrafo 1°,usurpando a função pública e cometendo abuso de poder politico por exercer cargo de comandante geral de uma instituição que presta serviço pra sociedade. O cidadão claro que pode exerce seus direitos políticos contudo dentro do limite da legalidade e não utilizando influencia do estado para tal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *