MPF apura fala de Rubens Júnior sobre monitorameno de prefeitos

O procurador-regional eleitoral substituto no Maranhão, Hilton Araújo de Melo, determinou a apuração de notícia de fato com suspeitas de crimes eleitorais supostamente cometidos pelo secretário de Estado de Articulação Política, o deputado federal licenciado Rubens Pereira Júnior (PCdoB).

O procedimento do Ministério Público Federal (MPF) foi aberto após provocação do jornalista Yuri Almeida, do Atual 7, com base em postagem do Blog do Gilberto Léda revelando um discurso do titular da Secap solicitando que alguns de seus auxiliares monitorem prefeitos e deputados no interior do Maranhão (saiba mais).

Conforme transmissão ao vivo da própria Secap, durante reunião com seus superintendentes regionais de articulação política – no Edifício João Goulart, sede de várias secretarias do Governo do Maranhão -, Rubens Júnior insta seus subordinados a levantar “quem é o prefeito que fala bem da gente, e quem fala mal” e também a produzir informações sobre o desempenho político de deputados, do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e até mesmo do governador, que disputará o cargo de senador em 2022.

“A gente não pode monitorar só o governo, a gente tem que monitorar também a política. Quem é o o prefeito que tá do lado da gente, e quem não tá; quem é o prefeito que fala bem da gente, e quem fala mal. Porque, para mim, todos falam bem? Ele vão falar mal para mim? Mas para vocês eles falam a verdade”, destacou.

Um advogado ouvido pelo Blog do Gilberto Léda dias depois, apontou, sob a condição de anonimato, pelos menos dois ilícitos na fala do secretário. Segundo ele, o caso configura “abuso de poder e improbidade administrativa” (reveja).


4 pensou em “MPF apura fala de Rubens Júnior sobre monitorameno de prefeitos

  1. Isso não é a primeira vez, essas autoridade só tomam alguma providência quando o caso interessa a eles. Maranhão terra de muro baixo, como dizia o saudoso Jairzinho. E assim segue o atraso do nosso estado.

  2. “O procedimento do Ministério Público Federal (MPF) foi aberto após provocação do jornalista Yuri Almeida, do Atual 7”

    Realmente lamentável que, para agir em matéria de sua competência, o Ministério Público precise de provocação do cidadão pagador de impostos.

    Em verdade, deveria sempre agir de Ofício, a partir da ocorrência do fato em tese delituoso de conhecimento público.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *