Circuito Alternativo Monte Castelo realiza desfile de blocos tradicionais em SLZ

Neste sábado (22), a partir das 19h, próximo ao antigo Cine Moste Castelo, será realizado I Circuito Alternativo dos Blocos Tradicionais. O evento é organizado pela Academia de Blocos Tradicionais do Estado do Maranhão e Associação Maranhense de Blocos Tradicionais Carnavalescos, com apoio cultural do deputado estadual Adriano Sarney e Juninho Luang.

Os grupos que participarão do circuito, decidiram por não desfilarem na Passarela do Samba neste ano após tomar conhecimento da alteração da escolha dos jurados, do pouco apoio financeiro e pelo atraso no cumprimento dos compromissos após o Carnaval.

Para eles, o processo antes em vigor era mais democrático, pois quem escolhiam os jurados eram os grupos participantes. Com as mudanças, o instituto que orgazina o Carnaval da Passarela administrará todo o processo de escolha da agremiação campeã do Carnaval pelo grupo A.

“Nós somos reconhecidos pela resistência e não renunciamos a nossa tradição”.

Participarão do Circuito, os blocos tradicionais: Os Gigantes, Diplomáticos, Os Tremendões, Os Gladiadores, Renovação do Ritmo, Falcão de Prata, Príncipe da Meia Noite, Os Brasinhas, Os Imbatíveis, Os Feras, Os Diferenciados, Os Foliões, Originais do Ritmo, Gaviões do Ritmo, Os Curingas, Os Trapalhões, Os Vampiros, Kambalacho, Os Inacreditáveis e Reis da Liberdade

Cajueiro: Porto São Luís consegue acordos com posseiros

NOTA – PORTO SÃO LUÍS

1 – O Porto São Luís conseguiu acordo com três famílias de posseiros (pessoas que ocupam o terreno, mas não são donas da propriedade), das cinco famílias que ainda estão na área do empreendimento, no povoado Parnauaçu, próximo à localidade Cajueiro (região Itaqui-Bacanga).

2 – Os acordos foram obtidos durante audiências de conciliação – intermediadas pela Justiça – realizadas ao longo desta semana. Neste momento, somente duas famílias seguem sem acordo. Cada uma está pedindo R$ 10 milhões para deixar a área do Porto São Luís. Os imóveis não têm benfeitorias que justifiquem quantia tão alta.

3 – Diante da recusa dos dois posseiros em sair, seguem paradas as obras do projeto do Porto São Luís de US$ 500 milhões – que deve gerar mais de 3 mil empregos diretos e cerca de 10 mil indiretos no pico da sua construção.

4 – A presença das duas famílias inviabiliza a retomada das obras, principalmente em função da segurança desses próprios moradores. As equipes de construção do Porto São Luís operam com máquinas pesadas e obedecem a padrões rígidos de segurança. Não é permitido que pessoas circulem próximo a essas máquinas quando estão em operação, pois há um grande risco de acidentes graves. As obras também provocam muita poeira, tornando a área insalubre para habitação.

5 – O Porto São Luís esclarece que, desde que iniciou sua implantação no Cajueiro, tem cumprido as etapas de remanejamento das famílias de posseiros. Nas negociações são oferecidos indenização, pagamento de aluguel, ajuda de custo, apoio para a mudança ou guarda dos pertences, além de preferência nas vagas de emprego que surgem em cada etapa das obras. Cerca de 100 pessoas das comunidades do entorno estavam trabalhando nas obras do Porto São Luís em dezembro, antes da paralisação.

6 – A empresa também mantém negociação e diálogo intermediados pelas equipes de Serviço Social, Comunicação e Responsabilidade Socioambiental com os moradores que ainda se encontram na área do empreendimento. O objetivo é a saída negociada, pacífica e amigável.

7 – O Porto São Luís destaca que tem realizado ações de responsabilidade social na área do seu entorno. As ações já beneficiaram centenas de pessoas com atendimentos odontológico e oftalmológico, e, em março, serão iniciados cursos de profissionalização gratuitos para a comunidade, por meio do projeto Comunidade Ativa.

8 – Por fim, o Porto São Luís espera que o bom senso prevaleça e as duas famílias que ainda ocupam a área do empreendimento saiam de forma pacífica e negociada, como já ocorreu com cerca de outras 90 famílias.

São Luís, 22 de fevereiro de 2020

Veja destaca façanha às avessas de Flávio Dino: aumentar a miséria no MA

Veja

Uma das principais apostas da esquerda para a eleição de 2022, o governador Flávio Dino é um comunista no comando do Maranhão. Como mostrou reportagem de VEJA, na gestão do político do PCdoB, o estado registrou importantes avanços em índices de qualidade de vida, como saúde e educação, mas viu ampliar-se a concentração de renda e o desemprego.

Como se não bastasse, ele conseguiu uma “façanha” às avessas: em sua gestão, a miséria aumentou ainda mais no mais miserável de todos os estados brasileiros. Como “remédio”, o governador vem abrindo de forma temerária os cofres. Nesse aspecto, provou ser um comunista. Os últimos três anos do Maranhão foram no vermelho, com déficits consecutivos.

Conheça os detalhes de cada etapa da história de Flávio Dino em mais uma edição do podcast Funcionário da Semana.

Viana: juíza proíbe bloco de prefeito pago com dinheiro público

O prefeito de VIana, Magrado Barros, foi proibido de mandar às ruas um bloco de Carnaval custeado com recursos públicos, mas que, na verdade, tinha o objetivo de promover a imagem do gestor e do seu grupo político, já de olho na disputa eleitoral.

A decisão proibindo o desfile do bloco foi da juíza Odete Maria Trovão, atendendo a um pedido do MP.

Segundo o despacho da magistrada, o blog “Macho Velho” é uma clara referência ao apelido do gestor, o que caracteriza a personalização da brincadeira, incluída na programação oficial do Carnaval da cidade, e custeado com dinheiro da Prefeitura.

“O exame dos autos revela que o atual gestor municipal Magrado Barros criou o bloco de carnaval “MACHO VELHO”, em referência ao apelido pelo qual é popularmente conhecido na cidade, com distribuição de abadás ou camisetas com o desenho da sua própria caricatura estampada na frente da vestimenta. E mais: o referido bloco está incluído na programação oficial do carnaval de Viana, como o evento de encerramento da festividade, sendo financiado com recursos públicos”, destacou Trovão.

Além do desfile do bloco, ela proibiu a distribuição de abadás e camisetas com referência à brincadeira. A multa por descumprimento da decisão é de R$ 100 mil.

BR-135: obras já custaram mais de R$ 1 bilhão; emendas custearam maior parte

De O Estado

Alvo de pesadas críticas de todos os setores políticos do estado, o trecho da BR-135 que corta o Maranhão segue em péssimas condições, apesar de todo o recurso já investido para duplicar a rodovia e recuperar trechos desgastados.

Levantamento de O Estado a partir do histórico de reuniões da bancada federal maranhense e de declarações de representantes do governo federal apontam que, desde o lançamento da obra de duplicação do trecho entre o Estreito dos Mosquitos e a cidade de Bacabeira, já foi investido mais de R$ 1 bilhão em serviços na via.

A maior parte da verba é oriunda de emendas parlamentares da bancada de deputados e senadores do Maranhão, notadamente nos últimos cinco anos.

Licitada em 2012, a duplicação do primeiro trecho foi orçada em R$ 370 milhões. Em 2016, uma emenda de bancada garantiu R$ 150 milhões extras para os serviços.

Um ano depois, em 2017, novo aporte patrocinado por emendas. Foram R$ 82,5 milhões da bancada.

Durante visita ao Maranhão, ainda em 2017, o então ministro dos Transportes do governo Michel Temer (MDB), Maurício Quintela, fez as contas: só a duplicação já havia custado mais de R$ 500 milhões.

Mas o escoamento de recursos para a BR-135 não parou ali. Em 2018, a bancada garantiu mais R$ 180 milhões. Em 2019, outros R$ 400 milhões e, para 2020, já estão confirmados mais R$ 57 milhões.

Roberto Rocha diz que Dino e o irmão agiram contra obras na BR-135

O senador Roberto Rocha (PSDB) usou as redes sociais para comemorar a decisão judicial que determinou ao Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes (Dnit) a retomada da obra de duplicação do segundo trecho da BR-135, que vai de São Mateus a Miranda (reveja).

Em postagem no Instagram, o tucano também acusou o governador Flávio Dino (PCdoB) um dos irmãos dele, Nicolao Dino, procurador da República, de terem atuado contra a obra.

Segundo o senador, o procurador ajuizou ações com o argumento de que estava defendendo comunidades quilombolas.

“O governador Flávio Dino, através do seu irmão procurador da República, estava impedindo as obras alegando ‘defesa’ de comunidades quilombolas, só para prejudicar o presidente Bolsonaro”, escreveu.

O governador e o irmão ainda não se manifestaram sobre o caso. O espaço está aberto.

Aliado de Bira que atacou gestão Edivaldo Jr. cai do governo Dino

Aliado do deputado federal Bira do Pindaré (PSB), Jhonatan Almada não é mais reitor do Iema.

Ele foi exonerado por telefone, na manhã desta sexta-feira (21). Coube ao chefe da Casa Civil, Marcelo Tavares (PSB), informá-lo da sua saída.

A queda ocorre depois de ele tecer duras críticas à educação municipal de São Luís, num artigo intitulado “A escola que não ensina”, publicado no Jornal Pequeno,

“A escola pública municipal de São Luís é uma tragédia”, disse, para completar: “Os erros são políticos” (reveja).

Após o episódio, iniciou-se um processo de “fritura” de Almada, que culminou com sua exoneração.

Em Tuntm, juiz proíbe promoção de pré-candidato em bloco de Carnaval

O juiz Raniel Barbosa Nunes, da 79ª Zona Eleitoral, em Tuntum, proferiu ontem a primeira decisão judicial contra suposta campanha antecipada em 2020.

Atendendo pedido formulado em representação do Ministério Público Eleitoral, o magistrado concedeu liminar proibindo a divulgação em redes sociais de imagem, mídia ou cor alusiva ao grupo político do prefeito Cleomar Tema – conhecido na cidade como grupo da Labigó -, ou do seu pré-candidato a prefeito, Dida do Tio Luís, num bloco de carnaval denomimado “Vem com o Tio”.

Para Nunes, a brincadeira estava sendo usada para promover eleitoralmente o pré-candidato.

“Analisando os fatos, verifica-se a presença do fumus boni iuris, pela documentação colacionada aos autos em que constam prints de redes sociais de pessoas veiculando convites para o bloco “VEM COM O TIO”, fazendo alusão a cores e símbolos do partido, assim como o anúncio da pré-candidatura do noticiado. Verifica-se, ainda, o periculum in mora, visto que há indícios suficientes de que os requeridos irão fazer o uso promocional em favor das suas candidaturas através do evento contestado, causando possível prejuízo às candidaturas dos demais grupos políticos”, despachou.

Wellington do Curso cogita filiação ao PRTB

O deputado estadual Wellington do Curso segue mais perdido do que cego em tiroteio na disputa pela Prefeitura de São Luís.

Ainda afiliado ao PSDB, ele praticamente já jogou a toalha no partido e sabe que, por lá, não conseguirá ser candidato.

Por isso, tenta avançar em conversas com o PRTB. Acredita que, via Coronel Mourão, vice-presidente da República, pode conseguir.

O problema é que, aqui na base, líderes da sigla já estão em conversas avançadas para declarar apoio à pré-candidatura da deputada estadual Detinha (PL).

Bolsonaro cogita cancelar R$ 239 mi em convênios de Weverton no MA

Boa fonte do Blog do Gilberto Léda em Brasília informa que o presidente Jair Bolsonaro cogita cancelar o empenho de pelo menos R$ 292 milhões em convênios assinados com prefeituras maranhenese.

A maior parte do dinheiro foi abocanhada por prefeitos que fazem oposição ao governo federal, e chegou ao destino por intermédio do senador Weverton Rocha (PDT), outro duro opositor do bolsonarismo, mas que, em Brasília, se aproveita de aliados para ter acesso aos cofres da União.

Segundo O Antagonista, essa verba integra um total de R$ 3,8 bilhões em créditos suplementares liberados às vésperas do Natal e do Ano Novo de 2019 a “um grupo seleto de parlamentares” para o Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), então comandado por Gustavo Canuto, que perdeu o cargo justamente em razão desse episódio (saiba mais).

No Maranhão, foram os recursos foram empenhados por meio de 46 convênios a 20 prefeituras, a maior parte deles assinada nos dias 30 e 31 de dezembro.

Todas as cidades contempladas com verba extra do MDR têm como prefeitos aliados do atual governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB)..

Vargem Grande, comandada por Carlinhos Barros (PC do B), por exemplo, receberá R$ 15,7 milhões para “reforma e adaptação de centros de convivência”, “pavimentação asfáltica” e “adequação de estradas vicinais”.