Ibope confirma que Wellington perdeu o ‘timing’

A pesquisa Ibope/TV Mirante divulgada ontem (23) durante o JMTV2 (reveja) confirmou o que dez entre dez analistas políticos de São Luís já apontavam: fora do timing, o deputado Wellington do Curso (PSDB) já não tem mais influência na sucessão na capital.

Dono de algo em torno de 10% dos votos enquanto era pré-candidato a prefeito, o tucano não transferiu sequer metade disso para o seu aliado Neto Evangelista (DEM).

O democrata até subiu entre as duas pesquisas do mesmo instituto: de 10% para 14%.

Mas Braide também oscilou positivamente, e tanto Duarte Jr., quanto Rubens Jr. também cresceram acima da margem de erro.

Ou seja: o eleitor de Wellington não esperou sua definição para decidir que rumo tomar. E já se dispersou.

Algo que era óbvio dada a demora do parlamentar para se posicionar publicamente.

Nova pesquisa confirma liderança de Dr. Humberto em Pedreiras

O candidato Dr. Humberto segue liderando a intenção de votos no município de Pedreiras-MA. Nova pesquisa confirma que o médico será o próximo prefeito da cidade.

De acordo com o levantamento do Instituto BMO – Brasil Marketing e Opinião, Dr. Humberto tem 38,03% dos votos. Em segundo aparece a candidata Vanessa Maia com apenas 29,08%; depois o prefeito Antônio França com 26,17% e Alexandre Assaiante com 1,57%. Os demais candidato tiveram menos de 1%. Brancos e nulos também menos de 1%. Não souberam ou não responderam foram 3,36%.

A pesquisa também fez um cenário de confronto direto entre Dr. Humberto e Vanessa Maia. O médico ganharia a eleição com 47,88% contra 34,23% da candidata. Brancos e nulos 13,42%. Não souberam ou não responderam foram 4,47%.

Em um outro cenário contra o atual prefeito, a vitória de Dr. Humberto é ainda maior. Ele aparece com 52,13% e o prefeito Antônio França com 27,29% dos votos. Brancos e nulos 14,54%. Não souberam ou não responderam foram 6,04%.

O Instituto BMO ouviu 447 entrevistados nos dias 16 e 17 deste mês e a pesquisa foi registrada na Justiça Eleitoral sob o número MA-09809/2020. A margem de erro foi de 4,0% com 95% de nível de confiabilidade.

TCE-MA vê ‘descuido com o dinheiro público’ na compra de respiradores pelo governo Flávio Dino

Em Relatório de Instrução apresentado há pouco mais de uma semana ao conselheiro Antônio Blecaute, relator de um procedimento instaurado no Tribunal de Contas do Estado do Maranhão (TCE-MA) para apurar a compra de respiradores pelo governo de Flávio Dino (PCdoB) por meio do Consórcio do Nordeste – aparelhos nunca entregues (saiba mais) -, a auditora estadual de Controle Externo Aline Vieira Garreto teceu duras críticas ao que considerou “descuido” de agentes da Secretaria de Estado da Saúde (SES) com o dinheiro público no caso.

A menção à falta de diligência da pasta foi feita ao se analisar a primeira tentativa de compra dos equipamentos. Na ocasião, o Governo do Maranhão pagou de forma antecipada R$ 4,9 milhões ao Consórcio Nordeste para a aquisição de 30 respiradores – R$ 164 mil por unidade -, mas os aparelhos nunca chegaram e o dinheiro não foi devolvido.

Para a auditora, o Estado deveria “ter sido mais previdente” ao repassar os valores ao Consórcio. Ela apontou que a empresa contratada, HempCare Pharma, fora criada meses antes do início da pandemia, e com capital social de apenas R$ 100 mil.

“Nesses pareceres emitidos no âmbito da Secretaria de Saúde Estadual, nada disso foi analisado: preço, escolha do fornecedor pelo Consórcio, garantias e cuidados que deveriam ser adotados para pagamento antecipado. No relatório inicial deste TCE/MA (item 3.8.1) consta que a empresa HEMPCARE, escolhida pelo Consórcio, foi constituída em junho de 2019, com capital inicial de R$ 100.000,00 (cem mil reais). Que experiência/confiabilidade uma empresa tão nova no mercado tinha para uma transação desse porte? As condições do mercado no período de pandemia impuseram condições extremas, mas não é justificativa pra se agir de forma descuidada com o dinheiro público, olvidando-se de adotar cautelas para evitar danos ao erário. E os entes consorciados tinham que ter sido mais previdentes, ter conhecido e avaliado melhor os termos e tratativas do Consórcio com o pretenso fornecedor antes de liberar o recurso para o pagamento antecipado”, destacou.

No segundo caso – que culminou com o pagamento, também de forma antecipada, de R$ 4,3 milhões por outros 40 respiradores (R$ 218 mil por unidade) -, o dinheiro foi devolvido ao Estado. Mas como a compra foi efetivada em Euro, no ato da devolução houve deságio de R$ 493 mil, decorrente de variação cambial.

Para a auditora, esse valor deve ser ressarcido. “O defendente [SES] também não indicou que providências foram adotadas no sentido de cobrar ações do Consórcio para reaver essa diferença. Portanto no âmbito do Contrato de Rateio nº 002/2020, persiste um prejuízo no montante de R$ 493.933,69 […] que devem ser ressarcidos ao Estado do Maranhão”, pontuou.

Acrescentando, mais, uma vez, que houve desleixo da SES em relação ao acompanhamento da contratação pelo colegiado. “O valor unitário do respirador nesse segundo contrato de rateio foi de R$ 218.592,00 por unidade de respirador. E mais uma vez não ficou demonstrado pela defesa que a Secretaria de Saúde fez qualquer ponderação acerca do preço e do fornecedor escolhido pelo Consórcio antes de transferir o recurso, ainda mais considerando que os respiradores do primeiro contrato de rateio ainda nem tinham sido recebidos nas datas contratualmente estabelecidas”, completou.

A auditoria ressaltou também que faltou transparência, já que os contratos e os pagamentos não estavam corretamente inseridos no Portal da Transparência do Governo do Maranhão, tampouco haviam sido disponibilizados no Sistema de Acompanhamento Eletrônico de Contratação Pública (Sacop) do TCE-MA.

No mesmo sentido, Aline Garreto entendeu, então, que não há porque decretar o sigilo do procedimento e opinou, ainda, pela conversão do procedimento de controle em Tomada de Contas Especial, “em face da gravidade das irregularidades apontadas”.

Econométrica: Carlinhos Barros deve reeleito em Vargem Grande

Dados apurados pelo Instituto Econométrica apontam que, se as eleições fossem hoje, a vitória seria do candidato à reeleiçã, Carlinhos Barros.

O instituto pesquisou 358 eleitores nos dias 14 e 15 de outubro de 2020, com margem de erro estimada em 5% para mais ou para menos e intervalo de confiança de 95%. A pesquisa foi registrada na Justiça Eleitoral, na data de 18/10/2020, sob o número de identificação: MA-03800/2020.

A pesquisa, na modalidade espontânea, considera apenas o cenário oficial, onde se enfrentam o atual prefeito, Carlinhos Barros, o ex-prefeito da cidade, Dr. Miguel e Geraldo. Mantido esse cenário, Carlinhos Barros seria reeleito com 62% das intenções de voto, Miguel teria 28,8% e Geraldo, 3,6%. O percentual de votos nulos seria de 1,4%. Não sabe: 4,2%. Os percentuais dos dois oponentes somados não chegariam a ameaçar a reeleição do candidato Carlinhos Barros. A percepção de vitória também foi aferida pelo Instituto: independentemente de suas intenções de voto, 72,3% dos pesquisados acreditam na vitória de Carlinhos Barros, 24,3% acreditam na vitória de Miguel e 0,8% na de Geraldo Rodrigues.

Avaliação da gestão

O Instituto aferiu também o índice de aprovação da atual administração pública municipal de Vargem Grande. 67,6% dos pesquisados aprovam a atual gestão e 32,4% desaprovam.

Desta forma, em Vargem Grande, com o maior índice de intenção de voto, baixíssimos níveis de rejeição e significativa aprovação de sua gestão, segundo a Econométrica, Carlinhos Barros seria reconduzido ao cargo de prefeito em 2021, se as eleições fossem hoje. 

Braide vence Duarte Jr. e Neto Evangelista no 2º turno, diz Ibope

Contratado pela TV Mirante, o instituto Ibope levantou em São Luís dois possíveis cenários de 2º turno na pesquisa divulgada ontem (23) no JMTV2 (reveja).

Em ambos os cenários, o candidato do Podemos, Eduardo Braide, venceria a eleição.

Eduardo Braide x Duarte Júnior

  • Eduardo Braide (Podemos): 54%
  • Duarte Júnior (Republicanos): 31%
  • Branco/Nulo: 9%
  • Não sabe/Não respondeu: 6%

Eduardo Braide x Neto Evangelista

  • Eduardo Braide (Podemos): 55%
  • Neto Evangelista (DEM): 28%
  • Branco/Nulo: 13%
  • Não sabe/Não respondeu: 4%
  • O Ibope ouviu 805 eleitores ludovicenses entre os dias 21 e 23 de outubro. A pesquisa foi registrada sob protocolo MA-05018/2020 e tem margem de erro de 3 pontos percentuais, para mais, ou para menos.

Ibope: Braide tem 44%, Duarte 19% e Neto 14%

Pesquisa Ibope/TV Mirante de intenções de votos para prefeito de São Luís aponta que, se a eleição fosse hoje, Eduardo Braide (Podemos) seguiria com ampla liderança. Ele aparece com 44% – 1 ponto percentual a mais que na pesquisa do dia 21 de setembro (reveja). Neste cenário, haveria um 2° turno.

O segundo colocado seria Duarte Júnior, que chegou aos 19%, cinco pontos a mais que no levantamento anterior.

Neto Evangelista subiu de 10% para 14%.

Rubens Júnior saltou de 2% para 6%..

Bira do Pindaré 3%, Jeisael Marx 2%. Empatados com 1% estão Yglésio, Franklin e Hertz. Silvio Antonio não pontuou. Branco e nulo somam 5%, não souberam ou não responderam 4%.

O Ibope ouviu 805 eleitores ludovicenses entre os dias 21 e 23 de outubro. A pesquisa foi registrada sob protocolo MA-05018/2020 e tem margem de erro de 3 pontos percentuais, para mais, ou para menos.

Roberto Rocha parte pra cima de Dino: ‘Rapazinho mentiroso’

O senador Roberto Rocha (PSDB) voltou à carga contra o governador Flávio Dino (PCdoB), nesta sexta-feira (23).

Durante entrevista ao programa Questão de Ordem, da Mais FM, o tucano disse que o governador é um “rapazinho mentiroso”, reafirmou que a PM foi vetada de prestar apoio à segurança de Jair Bolsonaro em Balsas e criticou a ação do comunista contra o presidente por calúnia.

“Esse rapazinho quer criar factoide para agradar a extrema esquerda porque sabe que Lula não pode ser candidato. Ele está mentindo para o povo”, disse.

Raimundo Antônio realiza comício histórico em povoado de Pedro do Rosário

Um comício histórico, assim pode ser considerado o ato político do prefeito Raimundo Antônio no povoado Fala Só, que está disputando a reeleição em Pedro do Rosário. Milhares de pessoas participaram do grande evento que confirmou o desejo da população em conduzir o gestor para mais quatro anos de gestão.

Raimundo Antônio falou dos avanços de Pedro do Rosário nos últimos quatro anos, assim como o seu compromisso em continuar buscando melhorias para o município. Os povoados possuem atenção especial, tanto que no “Fala Só”, a população já decidiu que vai votar maciçamente no atual prefeito.

Para se ter uma ideia da grandiosidade do comício eleitoral de Raimundo Antônio no povoado Fala Só, no último domingo (18), o seu adversário político, não conseguiu reunir nem metade em um ato na sede do município.

Em 2016, Raimundo Antônio foi eleito com mais de 70% dos votos e agora em 2020, ele deve repetir a votação para continuar colocando Pedro do Rosário no rumo certo.

Justiça começa a interrogar PMs réus por espionagem no MA

Atual 7

O juiz Nelson Rêgo, da Vara de Auditoria da Justiça Militar, a partir das 9 horas desta sexta-feira 23, vai finalmente realizar a audiência de instrução para interrogatório do coronel Heron Santos e do major Antônio Carlos Araújo Castro, na ação penal em que ambos são réus por determinação de ação militar sem ordem superior e falsificação de documento.

No escândalo, segundo a acusação, os militares teriam usado a estrutura da Polícia Militar do Maranhão para espionagem de opositores do governador Flávio Dino (PCdoB), nas eleições de 2018.

A denúncia foi recebida pelo magistrado em julho do ano passado, e o interrogatório deveria ter ocorrido em fevereiro último. Contudo, acabou suspenso por força de liminar em habeas corpus concedida pelo desembargador Bayma Araújo, um dia antes da audiência.

Ao analisar o caso, porém, a 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Maranhão denegou o pedido, em decisão unânime tomada em abril.

De acordo com o promotor Clodomir Lima Neto, da 2ª Promotoria de Justiça Militar de São Luís, o coronel e o major da PM do Maranhão teriam participação na emissão de ordem expressa aos batalhões da corporação, em documento oficial da SSP (Secretaria de Estado da Segurança Pública), para monitorar opositores políticos do comunista naquele pleito.

Entre as ordens apontadas como ilegais, consta a determinação para identificação de políticos opositores “ao município” ou ao “Estado” que pudessem “causar embaraços no pleito eleitoral”, e de transferência de policiais envolvidos com política.

Um mês antes de virar réu por espionagem, apesar das graves suspeitas, apontadas inclusive em sindicância sigilosa aberta pela Polícia Militar, Heron Santos foi admitido pelo governador Flávio Dino na Ordem do Mérito do Alto Comando da Polícia Militar do Maranhão – Ordem Coronel PM Hermelindo Gusmão Castelo Branco, no grau “Alta Distinção”.

Em julho último, já réu e havendo o habeas corpus pelo trancamento da ação penal sido negado pela 1ª Câmara Criminal do TJ-MA, por ato do presidente do IPREV (Instituto de Previdência dos Servidores do Estado do Maranhão), Mayco Murilo Pinheiro, o coronel Heron foi transferido, ex-officio, para a reserva remunerada da Polícia Militar, com proventos integrais mensais, calculados sobre seu subsídio em abril deste ano.

Após calote, Dino quer lei para comprar vacina como comprou respiradores

Ao defender a aprovação de uma lei que permita a compra da CoronaVac, a vacina chinesa da Sinovac, mesmo sem registro pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o governador Flávio Dino (PCdoB) quer repetir o que fez nas malogradas tentativas de compra de respiradores, via Consórcio Nordeste: adquirir tudo direto do exterior.

Como já se sabe, sob o pretexto de garantir rapidez no processo de aquisição dos equipamentos – a tal “urgência sanitária” -, o Governo do Maranhão tentou, por intermédio do colegiado de governadores, efetuar duas compras.

Na primeira, pagou adiantado R$ 4,9 milhões por 30 respiradores que nunca chegaram. O dinheiro também não foi devolvido. Na segunda, pagou R$ 4,3 milhões, mas foi ressarcido com prejuízo de R$ 490 mil (saiba mais).

O caso agora virou uma investigação no Ministério Público Federal (MPF). No Maranhão, o secretário de Estado da Saúde (SES), Carlos Lula, responde a um procedimento no Tribunal de Contas do Estado do Maranhão (TCE-MA) – ele até tentou revestir o processo de sigilo, mas não conseguiu.

Dá pra confiar que quem fez isso na tentativa de compra de respiradores vai conseguir levar a bom termo um processo de compra de vacinas?