Veja imagens da ocupação do gabinete de Fátima Travassos

Servidores tomaram gabinete e corredores

Fontes do blog dentro da Procuradoria-Geral de Justiça do Maranhão encaminharam imagens da ocupação do gabinete da procuradora Fátima Travassos, na manhã desta segunda-feira (21).

Os invasores – 40 no total – são membros do Sindicato dos Servidores do Ministério Público (SINDSEMP). Segundo apurou o blog, a decisão de invadir a PGJ foi tomada depois que a procuradora impediu a entrada dos sindicalistas em evento do MP no Luzeiros, hoje pela manhã. Um ato público estava marcado pelo SINDSEMP para o local.

Manifestantes dentro do gabinete

Eles, então, montaram acampamento na sede da Procuradoria para reivindicar revisão do Plano de Cargos e Salários da categoria e o estabelecimento de um prazo para que isso ocorra.

Mas Fátima Travassos já mandou recado aos sindicalistas: disse que não atenderá aos manifestantes por pressão. E não compareceu ao seu gabinete para negociar.

Em nota encaminhada à imprensa, a diretoria do SINDSEMP apresenta um histórico da luta por melhorias salariais que culminou com a invasão da manhã de hoje.

Leia abaixo:

“Para conseguir a aprovação da proposta do novo plano de cargos enviada em setembro de 2010, de fevereiro a maio deste ano, o SINDSEMP organizou uma série de mobilizações para forçar o diálogo entre os servidores e a procuradora-geral de Justiça Fátima Travassos. Com pressão feita pelas mobilizações, a categoria finalmente consegui algo inédito durante a gestão da atual procuradora-geral, sentar para negociar.

Em maio foi criada uma comissão de estudos para elaborar o Plano de Cargos baseados na proposta enviada pelo SINDSEMP, estudos estes encerrados em agosto, quando foi enviada ao sindicato uma minuta com proposta de mudanças no PCCS sugeridas pela comissão, portanto ainda não é a proposta oficial da Procuradoria.

A minuta com a proposta da comissão de estudos foi enviada para gabinete da procuradora-geral, onde espera aprovação. E sendo aprovada, será apresentada como proposta oficial da instituição para os servidores que a apreciação. Após a negociação entre servidores e instituição, a minuta definitiva será enviada para aprovação no Colégio de Procuradores do MPMA e finalmente à Assembleia Legislativa, onde será aprovado o projeto de lei que concederá o aumento aos servidores.

Um caminho longo e complicado que o SINDSEMP exige que seja terminado ainda em 2011, para que no ano de 2012 o novo Plano de Cargos Carreiras e Salários para os servidores do Ministério Público do Maranhão já esteja em vigor.”


5 pensou em “Veja imagens da ocupação do gabinete de Fátima Travassos

  1. a dra fatima travassos será que tem noção de que preside a Procuradoria de Justiça do Maranhão ? ou se sente uma “gerentona” de uma das secretarias do governo estadual?????? seu comportamento sempre defendendo as limitações e engessamentos alegados pelos ocupantes do palacio dos leões, já deveriam ter defenestrado essa zinha, do MP/MA……. mas…….

  2. O MP atravessa uma fase muito dificil. Esperamos que a sucessão em maio traga uma equipe de qualidade e, para isso e necessário escolher um PGJ que imponha respeito pelo seu passado e pela sua conduta. Tomara que o Governo do Estado tenha essa consciência e nao queira apenas colocar mais um “Secretario de Fato” com o nome de PGJ como vem fazendo a mais de dez anos

  3. Fui aprovado no último certame (embora excedente) e mesmo sabendo de funcionários apadrinhados dentro do Ministério, em nada adiantou minhas constantes reclamações. E agora, está vindo um outro concurso … Mais dinheiro para os cofre públicos.

  4. ESSES FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS SÃO UM BANDO DE VAGABUNDOS, DESENVOLVEM UM PÉSSIMO TRABALHO, BASEADO PURAMENTE NA PREGUIÇA O QUE CAUSA UM ATENDIMENTO AO PÚBLICO DE QUALIDADE ZERO. SÃO TODOS ACOMODADOS, O QUE MAIS ESCUTO DA BOCA DELES É QUE SÓ FALTAM ALGUNS ANOS PRA SE APOSENTAREM, MESMO OS QUE ACABARAM DE ENTRAR. POR ISSO QUE EU SEMPRE DIGO QUE O BRASIL NUNCA VAI PRA FRENTE, POIS ELES SÃO AS PRAGAS QUE DESTROEM O NOSSO PAÍS. E AINDA FICAM BOTANDO A CULPA NOS GOVERNANTES.

Os comentários estão fechados.