Marcelo Tavares, o “Demóstenes Torres do Maranhão”

Socialista é acusado de desviar vale-refeição quando comandou a AL

De O Estado do MA

O líder da oposição na Assembleia Legislativa, deputado Marcelo Tavares (PSB), foi denunciado por um ex-funcionário de seu gabinete de desviar tíquetes-alimentação dos servidores, na época em que foi presidente, em 2009. A denúncia foi feita anteontem, no blog de Caio Hostílio. O parlamentar nega a denúncia e acredita ser ela fruto de represália, pela demissão do funcionário citado pelo blogueiro.

De acordo com a denúncia publicada no blog, Márcio Murilo Pimenta, funcionário nomeado por Marcelo Tavares na Assembleia, teria comprado mercadorias em nome de servidores da Casa e as levado para um sítio de propriedade de uma assessora do ex-presidente da Assembleia que trabalhava no Grupo de Esposas de Deputados Estaduais (Gedema), presidido, à época, pela mulher do deputado, Silvana Tavares.

Segundo a denúncia, o esquema funcionava assim: Marcio Pimenta era o funcionário responsável pela distribuição dos tíquetes-alimentação Amazon Card aos servidores do Legislativo estadual. Ele usava tíquetes de servidores em férias ou tratamento de saúde para fazer compras a mando de Silvana Tavares e assessora parlamentar.

O blog exibe ainda notas fiscais do Supermercados Mateus, em nome de Márcio Pimenta, e garante ter ouvido do ex-servidor a afirmação de que comprava as mercadorias a mando da esposa e da assessora do deputado, no valor de R$ 10 mil, pagos com tíquetes.

Para confirmar a versão de Márcio Pimenta, o blogueiro Caio Hostílio ouviu também dos funcionários do supermercado a seguinte versão: “estiveram aqui duas moças bonitas e um rapaz alto e magro de cabelo grisalho. As duas moças olharam muitas coisas e anotaram numa folha com os preços e depois passaram para o rapaz com um talão de ticket e ele comprou em seu nome e mandou entregar tudo no endereço combinado”.

Outro lado – O deputado Marcelo Tavares classifica a denúncia de mentirosa. “Em primeiro lugar, qualquer pessoa pode comprar com tíquete do Amazon Card. O servidor pode usar, trocar ou até vender o benefício. Isso esvazia a denúncia. Em segundo lugar, as notas estão todas em nome do próprio Márcio Pimenta. A única nota do Amazon Card é equivalente a R$ 139,00, que poderia ter sido usado por qualquer um. Portanto, nem há o que questionar nesta história”, disse o parlamentar.

Marcelo Tavares lembrou ainda que Márcio Pimenta não precisaria de determinação para pegar tíquete, “porque era ele próprio quem os distribuía”. Além disso, lembra o parlamentar, o Departamento de Recursos Humanos da Assembleia tinha o controle dos servidores em férias ou licença e informava ao responsável pelos tíquetes, que não poderia preencher os espaços. “Além disso, como, até hoje, nenhum servidor reclamou de que alguém recebeu o tíquete em seu lugar?”, questionou o parlamentar.

O líder oposicionista admite apenas que os tíquetes podem ter sido usados para a compra de alimentos e material para festas dos próprios funcionários, mas ressalta: “Isso pode ocorrer, mas, enquanto os tíquetes não são repassados aos servidores, eles pertencem à Assembleia. Se a Casa usa, e pode ter usado, tem que repor ao servidor. É muito simples”, frisou.

De acordo com o parlamentar, Márcio Pimenta foi exonerado ainda em 2009, por questões outras, que ele não quis revelar. “Prefiro falar apenas depois que tiver certeza de que a denúncia foi feita pelo Márcio Pimenta”, disse o ex-presidente.


6 pensou em “Marcelo Tavares, o “Demóstenes Torres do Maranhão”

  1. na época do deputado João evangelista não tinha esse critério de distribuição de vale alimentação todos recebia mais a gestão de Marcelo Tavares criarão esse critério ficou mais fácil de desvio de vale alimentação o funcionário Marcelo era o laranja Jorge Zibicueta era o fiscal depois que Marcelo foi exonerado colocaram Cantanhede para fazer asa distribuição mais Jorge andava com a caixavales debaixo do braça ele que tinha o controle era de com confiança da primeira dama quem tinha todo controle dos vales e da folha de pagamento era o Jorge .
    Para os funcionário era linha dura mais para eles era um facilidade em tudo diária vale cargos em comissão gratificação transportes ate hoje tem carro da alema com segurança carregando suas filha para escola.
    ate hoje tem funcionário no cargo de chefia na alema
    vania continua adjunta
    cintia diretora financeira
    Jorge Zibicueta adjunto
    Aberlando diretor administrativo do plenário vcs d já olharam ele pelo plenário
    Dono Filomena e diretora
    Luciana lago e diretora da escola do legislativo

  2. Gilberto, uma pergunta: não entendi essas notas do Mix Mateus. Os tickets da ALEMA não eram recebidos nesse supermercado. Como eles conseguiram? Ao que os servidores sabiam, apenas maciel, fribal e carone aceitavam os tickets. Esse é outro fato estranho?? É por isso que o valor do auxília alimentação nunca foi fixado em lei e nunca foi incluido no contracheque, ao invés disso passa na mão de presidente por presidente e sempre é naquela velha história de cédula ou cartão, beneficiando apenas algumas redes de mercadorias!!! Estava na ora de arnaldo melo mostrar a que veio e instituir por lei o benefício alimentação em valor digno e o auxílio transporte, além do plano de saúde, que sempre tem uma operadora cachorra para atender os servidores. Se cada benefício desse foss incluído no salário, os servidores poderiam utilizar a lei de mercado (comcorrência, preço e demanda) em seu favor, escolhando planos de saúde e supermarcados mais baratos e eficiêntes e não ficarem presos em preços absurdos!!!

  3. Gilberto na época do amazoncard recebia sim hoje que mudou para valecard que não recebe

Os comentários estão fechados.