BNDES: governo do MA confirma “remanejamento”, mas não explica obras paradas

O governo Flávio Dino (PCdoB) confirmou ontem (28), por meio de declaração do secretário de Estado de Assuntos Políticos e Federativos, Márcio Jerry (PCdoB), que realmente houve “remanejamento e replanejamento” da aplicação de recursos do BNDES concedidos por empréstimo ao Executivo estadual.

A informação havia sido repassada, na quinta-feita (27), ao deputado federal André Fufuca (PEN-MA), pelo presidente do banco, Luciano Coutinho, durante depoimento na CPI do BNDES.

O parlamentar questionava o dirigente sobre os motivos para a paralisação de obras no estado. Coutinho mandou que o deputado procurasse o Governo do Maranhão (reveja).

Segundo Jerry, realmente houve “reorientação” da aplicação dos recursos.

“O governo Flávio Dino de fato reorientou a aplicação dos recursos do BNDES para inseri-los num projeto estratégico e impedir desperdício”, escreveu, em sua conta no Twitter.

Mas, sobre a paralisação de 500 obras em todo o estado, limitou-se a dizer: “Tem isso não”.


5 pensou em “BNDES: governo do MA confirma “remanejamento”, mas não explica obras paradas

  1. DEPUTADO ANDRÉ FUFUCA, NÃO SÓ AS OBRAS CUSTEADAS COM RECURSOS DO BNDES ESTÃO PARALISADAS NO MARANHÃO! MAS, SOBRETUDO, AS OBRAS QUE ESTAVAM SENDO REALIZADAS COM FONTES ORÇAMENTÁRIAS DO TESOURO ESTADUAL. ESSAS, A SITUAÇÃO HOJE É CRÍTICA, DESESPERADORA PRA QUEM TEM AINDA ALGUMA COISA PRA RECEBER.

    O QUE SE SABE É QUE O GOVERNO ESTADUAL NÃO POSSUI DINHEIRO PRA DAR CONTINUIDADE A ESTAS OBRAS E SEQUER PARA PAGAR OS ATRASADOS. VISTO QUE A DISPONIBILIDADE ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA DO ESTADO, DÁ MAL PRA PAGAR A SUA FOLHA DE PAGAMENTO E EMPRÉSTIMOS CONTRAÍDOS PELO ESTADO.

    LAMENTAVELMENTE, O QUE ESSE GOVERNO FAZ SE RESUME PRATICAMENTE A PAGAR A SUA FOLHA E EMPRÉSTIMOS, NADA MAIS.

  2. Você deve completar o pensamento e a frase do governo atual, no sentido de dizer que a paralisação das obras ocorreu em razão dos indícios de corrupção praticadas pelo governo Roseana com dinheiro do empréstimo do Banco. E que , somente, após a conclusão das auditorias que analisará as licitudes dos contratos de prestação de serviços e compra de produtos, e a responsabilização dos ex-gestores pela prática de crimes , caso de comprovação, é que será retomado as obras paralisadas.

    • mas esses indícios, só flávio dino vê. O banco não viu, tanto que não parou de repassar dinheiro e se eximiu de qlq responsabilidade pela paralisação das obras… e agora?

  3. O deputado federal André Fufuca advoga em causa própria, explico: o pai dele, “o fufucão”, é o proprietário da empresa DMAIS que está construindo o Centro Tecnológico de Coroatá, com aportes do FNDE/MEC.

    A obra está paradinha da silva desde o início do governo Flávio Dino. A empresa deles, muito bem assessorada, solicitou ao governo a Revisão do Equilíbrio Econômico-Financeiro do Contrato, e também pagamentos de atrasados junto à SECTEC do empavonado Bira do Pindaré. A secretaria de Bira, com a sua inoperância e/ou incompetência administrativa habitual, ou até mesmo por pura perseguição política, se omitiu e não deu a mínima pra reivindicação deles. Agora, o deputado fufuquinha – mansamente – aproveita o palanque da CPI do BNDES pra fazer as suas alusões às obras paradas no Maranhão, na tentativa, quiçá, de encontrar uma solução favorável para o impasse da sua família.

    Por isso concordo em parte com o secretário de Articulação Política do governo, Márcio Jerry, quando afirma que o deputado André Fufuca “recebeu o “Briefing” errado”. Mas discordo por outro lado do governo do Maranhão, no uso do formato de deixar de pagar as empreiteiras e fornecedores pra honrar empréstimos e/ou pagar folha de pessoal, coisa que não está funcionando. Justificando a paradeira das obras com auditorias, impasses técnicos, licenças, falências etc. Isso é vergonhoso! E catastrófico para a coletividade!

    • agora me diga: o que uma obra financiada pelo FNDE/MEC tem a ver com as obras bancadas com dinheiro do empréstimo do BNDES? eu, hein…

Os comentários estão fechados.