Deputados voltam ao trabalho com auxílio-moradia e verba de gabinete reajustados

plenárioOs deputados estaduais do Maranhão retornam  hoje (2) aos trabalhos na Assembleia Legislativa com duas boas notícias: a Mesa Diretora da Casa reajustou o auxílio-moradia dos parlamentares e o chamado “Cotão” – as verbas de gabinete.

Os ato estão publicados no dia 8 de janeiro no Diário da AL.

A partir deste mês, cada um dos 42 deputados receberá ajuda da ordem de R$ 3.189,75 para custear sua estada em São Luís  – o valor é referente a 75% do que é pago aos deputados federais.

O pagamento do auxílio-moradia gera polêmica no Maranhão desde 2013, quando, em meio às manifestações pela reforma política em todo o Brasil, a Assembleia local decidiu reajustar o valor do benefício (reveja aqui e aqui).

No fim daquele ano, o penduricalho chegou a ser extinto, mas houve quem reclamasse, e ele logo foi reinstituído (leia mais).

Antes do novo aumento, cada deputado tinha direito a algo em torno de R$ 2,9 mil mensais.

Cotão

A mesa edição do Diário Oficial do Legislativo estadual traz, também, uma novidade em relação à Verba Indenizatória e à Verba de Gabinete.

Os dois benefícios foram unificados em apenas um, agora chamado de Cota Para Exercício de Atividade Parlamentar (CEAP). É equivalente ao “Cotão”, dos deputados federais.

Segundo o ato da Mesa Diretora, a Assembleia “indenizará o deputado por despesas realizadas em razão de atividade inerente ao exercício do mandato parlamentar, pela CEAP, até o limite de R$ 41.779,83”.

Até o ano passado, somando-se as duas cotas, o valor era de R$ 38,4 mil.

Nada mau…

Baixe aqui a edição do Diário Oficial com todas as informações.


9 pensou em “Deputados voltam ao trabalho com auxílio-moradia e verba de gabinete reajustados

  1. Enquanto os representantes do povo enchem o bolso, o povo (o representado) chupa sal; tome tributo para os otários, tome blá-blá na imprensa, uns criticando outros defendendo, estes últimos, porque também pegam uma ponta, o chamado ” faz-me rir”, e assim o tempo vai passando, o povo e os políticos se misturando, no final, nada muda porque todos são iguais.

  2. Enquanto isso, o governador nem fala em reajuste para o funcionalismo público. Mas novas eleições ainda estão por vir.

  3. Os funcionários da assembléia aguarda o presidente Humberto Coutinho. A Reforma do PCCV Falta 28 dias o auxílio moradia dos deputados foi aprovado! ” SÓ FALTA O PCCV”

  4. Não acreditei e fui ver o diário oficial referido e vi que ainda tem a verba de assistência à saúde de R$ 1.609,00 para o deputado, cônjuge ou companheiro (a) e dos filhos. Assim, somados aos R$ 41.000,00 de verba indenizatória mais R$ 3.200,00 de auxilio moradia: totaliza R$ 45.809,00 multiplicado por 42 deputados é igual a R$ 1.900.000,00 mensais, multiplicado por doze meses totaliza R$ 23 milhões de reais e multiplicado pelos quatro anos do mandato parlamentar totaliza R$ 92 milhões de reais. A justificativa desses gastos, conforme consta nas leis publicadas é que o deputado estadual tem direito de receber 2/3 do que percebe o deputado federal. Então o gasto dessa natureza, além do Congresso Nacional se estende pelos demais estados brasileiros. Imagina o Estado de São Paulo cujo parlamento tem quase cem deputados. O parlamento está levando o Brasil a falência. Enquanto isso os servidores públicos sofrem com salários baixos e quem precisa de atendimento médico e não tem plano de saúde sofre nos corredores das upas e dos hospitais. Não é esse o Brasil que queremos, mas infelizmente é o que vivemos.

  5. ISSO É UMA IMORALIDADE. TODOS OS DEPUTADOS TÊM IMOVEIS EM SÃO LUIS, OU VCS QUEREM ME DIZER QUE O MORAL DA BR, A PRINCESINHA DO GÁS E OS DEMAIS ELEITOS “PRA REPRESENTAR OS INTERIORES” NÃO TÊM UM APARTAMENTO PELAS BANDAS DO CALHAU E DA PENÍNSULA.

    REALMENTE NÓS TODOS SOMOS MUITO BESTAS E IDIOTAS EM ACEITARMOS ISSO…

  6. Pingback: INCRÍVEL! Deputado propõe redução do auxílio-moradia | Gilberto Léda

  7. Pingback: ISTO É INCRIVEL: Deputado propõe reducao do auxilio-moradia | Codó Notícias

Os comentários estão fechados.