Boeing 727 que voou na Vasp vai virar centro de eventos imersivos no Maranhão

AeroIn

Uma empresa do Maranhão promete criar uma experiência imersiva capaz de levar os visitantes para dentro de um clássico Boeing 727 que já voou muito pelo Brasil nas cores da divisão de carga aérea da Vasp, a Vaspex.

A iniciativa é da Aviano, uma empresa especializada em gastronomia e eventos, conduzida pelos sócios Bruno Almeida, Neyderman Amorim e Gisella Almeida. A julgar pelas renderizações e nível de detalhes divulgados no site oficial do futuro espaço de eventos, a iniciativa esbanja bom gosto e só poderia ser feita por verdadeiros amantes da aviação

Desde a construção aos detalhes internos já divulgados, passando pela libré da aeronave, tudo parece pensado para oferecer uma grande experiência de primeira classe (com o perdão do trocadilho), colocando o “passageiro” de fato num ambiente de aeroporto.

O ambiente anexo à aeronave também é totalmente planejado para colocar o visitante no clima de um aeroporto, com decoração e som ambiente, com direito a embarque no Boeing através de um finger. Antes de entrar no avião, porém, é necessário que os “passageiros” realizem seu check-in num guichê virtual

O mote “viva a incrível experiência de ter um avião só para você” fala muito sobre a experiência customizada que a Aviano pretende oferecer. Uma curiosidade divulgada no site, que por si já testemunha sobre o nível de personalização a ser oferecido, é a possibilidade de cada cliente batizar a aeronave com seu próprio nome durante um evento, como mostra a foto acima.

Enquanto isso, o dono do evento, que pode ser corporativo, social, casamento, entre outros, pode usar de uma tecnologia que envia os convites na forma de tickets de passagens a seus convidados.

Que avião é esse

O legal da iniciativa é que a própria empresa detalha o histórico da aeronave que será usada no projeto. Trata-se do jato de matrícula PP-SFG, a qual será conservada no novo projeto.

Esse é um diferencial da experiência da Aviano, já que a intenção dos donos certamente é dar um ar de continuidade na vida do célebre jato, como se ele ainda continuasse vivo e útil. Geralmente, em projetos desse tipo, a primeira coisa que o dono faz é remover a matrícula, às vezes por não entender a importância que ela tem para contar a história da máquina.

No caso, o PP-SFG tem uma história que começa em dezembro de 1982, quando foi entregue à Mexicana de Aviación como XA-MER. Dez anos depois, em 1993, passou para outra empresa mexicana, a Saro. Em 1996, voou na Qatar Airways como A7-ABF.

No ano seguinte, em 1997, foi entregue à VASP, onde chegou com as cores da Qatar e foi convertido a cargueiro nas oficinas da empresa paulista no aeroporto de Congonhas. Voou na empresa até 2005, antes de ser retirado de operação.


1 pensou em “Boeing 727 que voou na Vasp vai virar centro de eventos imersivos no Maranhão

  1. E aqueles boings-sucatas que estão na cabeceira do Aeroporto do Tirirical, o que vão fazer com eles? E por qual motivação foram abandonados em São Luís?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *