Dino culpa Bolsonaro por alta de derivados de petróleo, mesmo com impostos federais zerados

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PSB), voltou a atacar o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido).

O tema da vez, novamente, é a alta de preços de derviados de petróleo no Brasil.

Bolsonaro culpa governadores pelo aumento de precisa do gás de cozinha e de combustíveis – uma vez que o governo federal zerou impostos sobre esses tipo de produto emarco deste ano.

Em entrevista ao repórter Jô Miyagui, do Seu Jornal, na TVT, o governador maranhense garantiu que a culpa da alta não é do ICMS estadual – cuja extinção ele jura defender – e afirmou que o problema é a “política criminosa” de preços da Petrobras.

“Este tema relativo aos impostos deve ser resolvido pelo Congresso Nacional no âmbito da reforma tributária. Eu particularmente sou a favor do fim do ICMS, eu acho que ele deve ser extinto no Brasil. Mas nenhum governador pode fazer isso sozinho”, disse.

E completou: “O Presidente da República deveria saber disso, mas ele não sabe de quase nada de positivo, só de coisas negativas. Então, ele deveria saber que existe uma Constituição, existe o Código Tributário Nacional, existe a Lei de Responsabilidade Fiscal, que os governadores têm que cumprir. Você não pode fazer renúncia de receita sem a previsão da compensação. Existe o Confaz, o Conselho Nacional de Política Fazendária, que é do Ministério da Economia”.

Para Dino, Bolsonaro deveria saber essas coisas, mas não sabe “ou finge não saber e quer se esconder das suas próprias responsabilidades”.

“Basta você comparar: o ICMS sempre existiu. E por que recentemente houve essa disparada no preço dos derivados de petróleo? Por conta de uma política equivocada, criminosa, de equiparação de preços ao mercado internacional em dólar”, concluiu.


8 pensou em “Dino culpa Bolsonaro por alta de derivados de petróleo, mesmo com impostos federais zerados

  1. Só a … sabe de tudo. O deus onisciente entre nós meros mortais. Ele só não falou que o ICMS dos combustívris do MA é um dos maiores do país e que disparou no seu desgoverno. Será que ele consultou os órgãos listados quando deixou o grupo mateus praticamente isento de ICMS e o transformou em potencia, sendo do estado mais miserável do brasil?

  2. BOM DIA SENHOR BLOGUEIRO GILBERTO LEDA, LEITORAS E LEITORES, A CULPA NO AUMENTO DOS DERIVADOS DE PETRÓLEO É DO GOVERNO FEDERAL, TRANSPORTADORAS, CAMINHONEIROS, GOVERNO DO ESTADO E REVENDEDORES, ENFIM A CULPA É DE TODOS, ENTÃO TODOS TERIAM QUE PROCURAR UMA SAÍDA, POIS NÃO É JUSTO O TRABALHADOR COM UM SALÁRIO DE R$ 1.100 TER QUE PAGAR R$ 100 POR UM BOTIJÃO DE GÁS COM APENAS 13KG E R$ 6,00 POR UM LITRO DE GASOLINA, ISSO É INJUSTO EM UM ESTADO POBRE COMO O MARANHÃO.

  3. O nosso presidente adora disseminar fake news. PIS/Cofins e a Contribuição de Intervenção de Domínio Econômico (Cide) são impostos federais e incidem sobre a gasolina. PIS/Cofins foi zerado apenas sobre o óleo diesel nos meses de março e abril, mas retornou à cobrança posteriormente. O que permanece zerado é o PIS/Cofins do gás liquefeito de petróleo (GLP).

  4. Lógico, a política de preço adotada pela PETROBRAS é vinculada ao dólar, e com o cambio descontrolado as altas serão constantes. É típico do INAPTO do Bolsonaro jogar a culpa para os outros.

  5. Meu amigo esse DINO é o.Maior cabo Eleitoral do Bolsonaro cara tudo é culpa do Presidente da República será que até a fara dos Capelães, Compra dos Respiradores também e culpa do Bolsonaro.

  6. DINÓQUIO SORVETAO, O CUBA DA ODEBRECHT, É TAO CRETINO, A PONTO DE ACHAR QUE TODO MUNDO É BURRO. SE MAO É CULPA DO ICMS, OQ ELE AUMENTA AO INVÉS DE BAIXAR ?! NSO É PROIBIDO BAIXAR! ELE SE ACHA TAO INTELIGENTE E SÓ TEM AUMENTADO A MISÉRIA DO MARANHÃO, PIOR ESTADO EM IDH DO BRASIL. ISSO É DE QUEM SABE TUDO OU DE QUEM ACHA QUE SABE? AO TÉRMINO DO SEGUNDO MANDATO CONSECUTIVO, ESSE CUBA DA ODEBRECHT FOI O QUE MAIS PEGOU DINHEIRO FEDERAL E ESTADUAL -RASPOU ATÉ DOS APOSENTADOS- SÓ PRA SE LOCUPLETAR E ELEGER SUA TRUPE.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *