Após eleição, Roberto Rocha desabafa sobre saúde do filho

O senador Roberto Rocha (PSDB) passou a campanha inteira dividindo-se em dois.

Ora era o candidato a governador do Maranhão, ora o pai que precisava cuidar do filho.

E, na esteira do debate sobre o insucesso da sua última incursão eleitoral, aproveitou para tratar de um assunto pessoal, e que ele preferiu não abordar abertamente durante as eleições.

Rocha tem um dos filhos, Paulo Roberto, internado em São Paulo. Tratando de um câncer.

Agora, passada a disputa eleitoral, ele posou para uma foto com o rebento, no hospital. E se manifestou sobre o caso.

“Em São Paulo, no Hospital Albert Einstein, com meu filho para mais uma sessão de quimioterapia. Deus no comando 🙏🏼”, declarou, comentando, ainda, o fato de não ter tocado no assunto na campanha.

“Jamais falaria dessa questão pessoal no período eleitoral, como não falei. Sofri calado.
Mas agora, creio que as pessoas merecem e tem o direito de saber, afinal sou homem público

“Valorização da nossa cultura”, diz Edivaldo sobre Sarau Histórico

O prefeito Edivaldo, ao lado da primeira-dama Camila Holanda, participou na noite desta sexta-feira (19) da 3ª edição do Sarau Histórico em 2018. Realizado na Praça Benedito Leite, o espetáculo mais uma vez encantou turistas e moradores da cidade com as histórias e os personagens que fazem parte da cultura ludovicense. O Sarau Histórico, evento da Prefeitura de São Luís, realizado por meio da Secretaria Municipal de Turismo (Setur), integra o Programa Reviva, uma das iniciativas da gestão do prefeito Edivaldo para movimentar o Centro Histórico da cidade.

Encantado com a riqueza de detalhes, o prefeito Edivaldo enfatizou a intenção do programa. “Temos riquezas inestimáveis que merecem ser conhecidas por todos, tanto os moradores quanto os turistas que nos visitam. O grande público presente em programações como essa, demonstra que a proposta do Reviva tem sido compreendida pela população, que através do programa se sente ainda mais atraída pela história de nossa cidade”, destacou o prefeito Edivaldo.”Essa é mais uma ação de valorização da nossa cultura”, completou ao destacar a importância do evento.

Nesta edição, o Sarau destacou a contribuição de escritores e poetas maranhenses – como Artur Azevedo, Gonçalves Dias, Maria Firmina, Josué Montelo, Bandeira Tribuzzi, Graça Aranha e Ferreira Gullar – para que São Luís conquistasse o título de Atenas Brasileira. A encenação foi comandada pela companhia Teoria das Artes que, com o espetáculo “O Pantheão”, levou ao palco escritores, poetas, artistas, personalidades da história maranhense.

“Somos uma cidade Patrimônio da Humanidade, portanto, cheia de riquezas e belezas que, como bem enfatizado pelo prefeito Edivaldo, merecem ser conhecidas e valorizadas. A cada Sarau, buscamos trazer uma novidade para encantar o público, e o tema ‘Atenas Maranhense’ contribui para resgatar parte da nossa história, cumprindo o objetivo do programa que é levar o público a conhecer a nossa história e apreciar a nossa cultura”, ressaltou a secretária municipal de Turismo, Socorro Araújo.

Assim como o teatro, a música também faz parte do Sarau Histórico. Ao som do chorinho, o grupo Regional Atraente abrilhantou a noite especial com um repertório composto por músicas de Chiquinha Gonzaga e Catulo da Paixão Cearense.

REVIVA

O Programa Reviva é desenvolvido pelo poder público municipal e incentivado pelo prefeito Edivaldo com o objetivo de promover a revitalização do Centro Histórico da capital maranhense, atraindo moradores da cidade e turistas a conhecerem mais acerca da história e da cultura de São Luís. O programa inclui atividades como do Passeio Serenata e do Roteiro Reggae, que levam o público a percorrer as ruas do Centro Histórico.

Até o final deste ano, serão realizadas ainda duas edições do Sarau Histórico, nos dias 9 de novembro e 14 de dezembro, além de duas edições do Passeio Serenata, nos dias 21 de novembro e 5 de dezembro.

REVIVA

O Programa Reviva é desenvolvido pelo poder público municipal e incentivado pelo prefeito Edivaldo com o objetivo de promover a revitalização do Centro Histórico da capital maranhense, atraindo moradores da cidade e turistas a conhecerem mais acerca da história e da cultura de São Luís. O programa inclui atividades como do Passeio Serenata e do Roteiro Reggae, que levam o público a percorrer as ruas do Centro Histórico.

Até o final deste ano, serão realizadas ainda duas edições do Sarau Histórico, nos dias 9 de novembro e 14 de dezembro, além de duas edições do Passeio Serenata, nos dias 21 de novembro e 5 de dezembro.

OAB-MA: Charles Dias retira apoio a Sâmara Braúna, que responde

Uma crise estabeleceu-se na campanha da advogada Sâmara Braúna ao comando da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Maranhão (OAB-MA).

Nesta sexta-feira (19), o advogado Charles Dias – um dos que ajudaram a eleger Thiago Diaz presidente – decidiu retirar seu apoio à candidatura da colega.

Segundo ele, que gravou um vídeo comunicando sua posição, a decisão foi motivada pela aliança de Braúna com o advogado Ulisses Souza.

Em um segundo vídeo, a advogada reagiu. E disse que foi ela quem rompeu, porque a Charles Dias “só interessava uma coisa: o cargo de conselheiro federal”.

 

Tema quer despesas de programas federais fora de gastos com pessoal

O presidente da Federação dos Municípios do Estado do Maranhão – FAMEM, Cleomar Tema, esteve em Brasília, esta semana, reunido com a secretária de Relações Financeiras Intergovernamentais da Secretaria do Tesouro Nacional do Ministério da Fazenda, Priscila Santana, com o coordenador geral do órgão, Renato Andrade e com o subgerente da Associação dos Membros dos Tribunais de Contas –ATRICON, João Lopes Conde.

Foram dois encontros distintos, com a mesma pauta. Tema reivindicou, tanto na STN, como na ATRICON, que na próxima edição do Manual da Contabilidade Pública 2019, elaborada pela STN, que as despesas relativas aos programas do Governo Federal relativas à Saúde, a exemplo da Saúde da Família Agente Comunitário da Saúde, Agente de Combate às Endemias e Núcleo de Apoio à Saúde da Família-NASF, deixem de ser consideradas como despesas próprias de pessoal dos municípios para fins de aferição de limites da Lei de Responsabilidade Fiscal.

“Esses programas são de natureza temporária e a maioria dos servidores são apenas prestadores de serviços, sem vínculo efetivo. Por isso, deverão ser enquadrados na rubrica orçamentária “Outros Serviços de Terceiros – Pessoa Física”, afirmou o dirigente da FAMEM.

Tema destacou ainda que antes de se dirigir a Brasília, determinou que fosse protocolado junto ao TCE/MA, consulta no mesmo sentido.

A solicitação feita pela Federação do Estado do Maranhão, de acordo com Cleomar Tema, já vem sendo seguido pelos Tribunais de Contas dos Estados do Paraná, Mato Grosso, Rondônia e Minas Gerais.

O líder municipalista maranhense afirmou que sua viagem a Brasília foi bastante proveitosa. “Tivemos êxito inicial em nosso pleito, uma vez que a secretária de Relações Financeira e Intergovernamentais da STN, a doutora Priscila Santana, nos garantiu que levará nossa reivindicação à apreciação do colegiado, na reunião que será realizada em novembro, incluindo a participação de representantes da ATRICON”, destacou Tema.

Por sua vez, João Lopes Conde, da ATRICON afirmou que: “É papel de nossa entidade normatizar o entendimento comum dos TCEs. Assim, acreditamos na real possibilidade de atendimento, dentro de pouco tempo do pleito da Federação dos Municípios do Estado do Maranhão”, assinalou.

“Atravessamos uma crise financeira muito grave. As despesas são imensas e os recursos são parcos e variáveis. Esse pedido vai de encontro aos anseios de todos os prefeitos e acredito, pela forma como fomos recebidos, tanto na Associação dos Tribunais de Contas, como na Secretaria do Tesouro do Ministério da Fazenda, que estamos dando um grande passo para a consolidação do nosso pedido”, finalizou Cleomar Tema.

OAB-MA tem contas de 2017 aprovadas por unanimidade em Conselho

O Conselho Estadual da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Maranhão (OAB/MA), aprovou, em sua sessão realizada nesta quinta-feira (18/10), as prestações de contas dos exercícios financeiros de 2017 referentes às despesas da OAB/MA e da Caixa de Assistência dos Advogados do Maranhão (CAAMA).

Para o presidente da OAB/MA, Thiago Diaz, a responsabilidade com o investimento dos advogados, por meio do pagamento das anuidades, e a transparência na prestação de contas de sua gestão, são parâmetros que norteiam sua administração. “O julgamento das contas pelo Conselho Pleno Seccional confere ainda mais credibilidade ao processo. O nosso modelo de gestão das contas da OAB/MA tem sido mantido desde o início da nossa gestão, sendo um padrão marcado pela eficiência e pelos resultados”, comentou.

Thiago Diaz ressaltou, ainda, que uma das principais marcas da seccional maranhense é a transparência nos procedimentos. “Nossa diretoria vem honrando um compromisso assumido de termos uma Ordem com transparência na administração, que resulta na prestação de contas não só para o Conselho Estadual, mas também para a advocacia maranhense. Toda a diretoria trabalha de forma conjunta para que possamos atingir esse objetivo, que é fundamental para uma OAB forte”, destacou.

A diretora-tesoureira da OAB/MA, Débora Cartágenes, frisou que a conduta da atual administração da Seccional Maranhão é balizada na transparência, o que se reflete no resultado positivo das contas da Ordem no Maranhão. “Essa aprovação representa a seriedade com que o orçamento vem sendo executado em nossa gestão”, complementou.

O Presidente da Caixa de Assistência da OAB, Diego Carlos Sá, frisou que aprovação das contas da CAAMA “é uma consequência lógica de uma gestão baseada em muita seriedade e transparência”, destacando, também, que hoje a Caixa oferece muito mais serviços e convênios à advocacia, desde tratamentos de saúde, odontológicos, bem como lazer e integração social, sempre buscando a melhoria dos serviços, ampliação, economicidade e transparência.

O relator dos dois processos de prestação de contas, conselheiro Flávio Henrique Matos, opinou pela aprovação das prestações de contas, estabelecendo um detalhado parecer e teve o voto seguido por unanimidade pelos demais conselheiros.

Maura Jorge defende Bolsonaro de críticas feitas por Flávio Dino

A candidata de Jair Bolsonaro ao Governo do Maranhão, Maura Jorge (PSL), defendeu o presidenciável do PSL dos ataques que vêm sendo feitos pelo governador Flávio Dino (PCdoB) nas redes sociais.

“Eu sou mulher e o maior ataque que já sofri, como mulher e como pessoa pública, foi do governador Flávio Dino em minha terra, Lago da Pedra, em uma inauguração, quando eu como prefeita quis falar na solenidade e ele me proibiu com grosserias. Tive que sair do palanque e resolvi, indignada, reagir armando um palanque, às pressas na frente do dele, onde pude me dirigir ao povo da minha cidade, que ficou ao meu lado vaiando o governador. Esse sim, o governador, trata as mulheres com desprezo, com soberba, como se sentisse superior”, declarou.

“Bolsonaro, pelo contrário, me trata com o maior respeito, como trata a todas as mulheres. Basta ver a mulher dele, que fala várias línguas, é intelectual, preparada e defensora número um do marido”, completa.

Maura Jorge criticou, ainda, o ataque promovido pelo governador maranhense ao ex-governador e agora senador eleito do Ceará, Cid Gomes, por este ter culpado o PT pelo desemprego, pela corrupção, pela recessão, pelas mentiras e pelas “besteiras” feitas sem “pedido de desculpas ao povo brasileiro” por tudo de ruim que fizeram.

“É evidente que existe um sentimento muito forte no país de repúdio ao PT, exatamente pelo desastre que foi o governo Dilma, que deixou um país muito pior do que encontrou, tanto que sofreu fragorosa derrota como candidata ao senado por Minas Gerais, onde sempre foi bem votada. O povo convalidou o impeachment. Não foi golpe, como os defensores de Dilma diziam”, opinou.

Ela aponta que o programa do PT, elaborado por Fernando Haddad, informa que tudo seria feito de novo no governo, sem mencionar o combate à corrupção.

“Flávio que pensa vir a ser presidente, sem raízes profundas no PT, foi um dos únicos a atacar Cid, começando uma guerra política pelo que sobrar do PT. Cid tem muita coisa para mostrar como resultado da sua passagem no governo do Ceará, que melhorou muito a educação, com capital humano de qualidade, atraiu capital financeiro e empresários e industrializou o Ceará. Fizeram com Tasso Jereissati o porto do Pecém, do nada e hoje é um dos mais importantes do país. Enquanto o nosso Itaqui, nas mãos do Flávio, não contribuiu para o nosso desenvolvimento”, comparou.

Ela apontou ainda os dados recentes que mostram a maior desigualdade social do país, no governo Flávio Dino, a pior renda per capita entre todos os estados, o aumento da pobreza absoluta, baixos indicadores educacionais e inexpressiva atração de empresas durante este período.

Simpatizantes

Sobre a acusação contra Bolsonaro, motivada pela suspeita de que empresas privadas teriam comprado pacotes na internet para impulsionar a candidatura de Bolsonaro no WhatsApp, Maura respondeu que o candidato não tem controle sobre o que acontece hoje no país, diante da enorme legião de simpatizantes de sua candidatura que tomaram a iniciativa.

“Essas coisas, os sindicatos sempre fizeram. Haddad não perderá a eleição por causa disso e, sim, pelas mazelas que o governo Dilma deixou e pelos graves problemas sociais do país, da tentativa de dividir o país entre bons e ruins e pela pobreza dominante. Isso tudo tem que mudar”, avaliou.

A ex-prefeita anunciou que vai solicitar, ao presidenciável, atenção especial ao Maranhão, estado que detém os piores indicadores de desenvolvimento do Brasil. Maura credita como certa a vitória de Jair Bolsonaro. “Do mesmo jeito que o PT tentou desqualificar o Impeachment chamando de golpe, agora certo da derrota já tenta desqualificar a vitória de Bolsonaro aos olhos internacionais. Não vamos deixar nos iludir quem sempre jogou sujo foi o PT. Deviam democraticamente aceitar a derrota”, concluiu.

Roberto Rocha deselegante

O senador Roberto Rocha (PSDB) foi deselegante.

É o mínimo que se pode dizer da postagem do tucano no Twitter, rebatendo críticas do deputado federal Zé Reinaldo (PSDB) a ele após o resultado das eleições (saiba mais).

Divergências e discordâncias são normais no debate político.

Mas ao fazer piada de quem o critica, Rocha deixa de lado a seriedade que o embate deveria ter.

Lamentável…

De qualquer forma, a bem do bom debate, vai aqui o link para a publicação do senador sobre o assunto.

“Nova onda” política que tomou o Brasil chegará ao MA, diz Adriano

De O Estado

Nos últimos dias o deputado estadual Adriano Sarney ganhou os holofotes ao ser o primeiro político com mandato ao declarar apoio a Jair Bolsonaro (PSL). Adriano também protagonizou uma discussão nas redes sociais com Fernando Haddad, candidato do PT a Presidência. Deputado estadual oposicionista mais votado nas eleições de 2018 no Maranhão, ele conseguiu um feito: aumentou a votação obtida em 2014. Para o próprio, a votação revela que sua postura crítica em relação ao governo Flávio Dino foi aprovada pelos seus eleitores e conquistou outros milhares.

Em entrevista a O Estado, Adriano falou de suas expectativas e avaliou as eleições.

O ESTADO – Como o senhor caracteriza o atual momento do país?

Deputado Adriano Sarney – A grande maioria da população está ávida por mudanças radicais na política. O resultado pode ser visto na nova composição do Congresso Nacional. Existem novas forças surgindo rapidamente e elas são a maioria. Um grupo menor, formado por setores de esquerda, tenta manter o lulismo. Acredito que os próximos quatro anos irão abrigar uma transição que será muito saudável para a democracia. A esquerda terá que rever seus posicionamentos e a direita terá que se acomodar no poder.

O ESTADO – Percebemos que o Maranhão ficou fora dessa onda. Que razões o senhor acha que determinaram essa situação?

Deputado Adriano Sarney – Além da força da máquina estadual ser muito forte aqui, a oposição titubeou. O nosso grupo seguiu com a sua linha histórica ao lado do Lula mesmo após o Haddad declarar apoio a Flávio Dino. Os candidatos que queriam representar uma terceira via também não conseguiram encarnar esse sentimento nacional.

Acredito que a soma dessas duas circunstâncias nos levou para uma eleição morna que beneficiou apenas ao governo.

O ESTADO – No primeiro turno a ex-governadora Roseana Sarney e o deputado federal Sarney Filho afirmaram que iriam apoiar o candidato do ex-presidente Lula. Na semana passada o senhor externou o apoio a Jair Bolsonaro. Há conflito de opiniões?

Deputado Adriano Sarney – Eu apenas ajustei a rota, Haddad preferiu apoiar Dino e sua vice é do PCdoB. O meu apoio foi pessoal e depois disso dezenas de correligionários me parabenizaram e já estão trabalhando pedindo votos para o Bolsonaro. Meu apoio é espontâneo e não quero nada em troca.

Em relação a outros membros do grupo que decidiram seguir outro caminho, acredito que é normal. Eu sou um democrata e divergências não me incomodam. Veja só, o nosso grupo é formado por uma pluralidade de opiniões em relação aos candidatos a presidente. Tem gente que apoia Haddad e outros o Bolsonaro. Do lado do governador tem muita gente doida para manifestar apoio a Bolsonaro, mas sabe que se fizer isso correrá o risco de ter a carne devorada pelos leões.

Aí fica a pergunta: qual a postura mais sadia? Quem é democrata e quem é totalitário?

O ESTADO – E qual a avaliação que o senhor faz aqui no Maranhão? O que deu errado? Alguma coisa deu certo?

Deputado Adriano Sarney – Perdemos a eleição, mas continuamos como uma força política importante no Maranhão. Prestamos um serviço à democracia. Se não fosse a Roseana, o Sarney Filho, o Lobão, os nossos candidatos a deputado, o empenho de nossos correligionários, o governo não teria se empenhado tanto para mostrar serviço.

Nosso grupo garantiu, junto aos outros candidatos, a possibilidade de escolha ao eleitor. Isso por si só já é um mérito.

Pelo lado do governo, eu apenas lamento que nunca antes a máquina pública havia sido usada de forma tão descarada em busca do voto. Eles sabem o que fizeram e vão ser assombrados por seus abusos durante muito tempo.

O ESTADO – E em relação ao futuro, a população pode esperar uma reciclagem? Haverá ainda um “grupo Sarney” ou o curso da história irá desencadear uma nova situação?

Deputado Adriano Sarney – Quando Flávio Dino ganhou a sua primeira eleição para o governo declarei que não existiria mais um grupo Sarney. Quem deu a Roseana a chance de voltar foi o péssimo governo dele. O nosso grupo continua firme, mas é claro que precisamos fazer uma reciclagem, renovar, tanto as pessoas como as nossas atitudes e posicionamentos. Uns vão sair, outros vão ficar e outros certamente vão chegar.

O que importa é que nossa proposta seguirá existindo. E em relação a “grupo”, eu acredito que a história irá se encarregar de fazer os ajustes.

O ESTADO – Como deverá ser sua postura em relação ao governo Flávio Dino? O que seus eleitores podem esperar?

Deputado Adriano Sarney – Uma postura de oposição responsável como sempre fiz. Tive uma votação maior do que a última, isso significa que a população aprovou meu trabalho. Mas é claro que amadureci muito durante meu primeiro mandato.

E eu, sinceramente, quero entender melhor esse fenômeno que acontece no Brasil. Essa “nova onda política” irá chegar ao Maranhão. Em maior ou menor escala? Só o tempo irá dizer.

A verdade é que aprendi em casa a sempre estar atento ao que acontece, a nunca me fechar em uma redoma e acreditar que a expressão de minha vontade é espelho do real. Vou seguir sendo responsável e trabalhando para honrar os votos que tive.