“Vergonha nacional”, diz Sarney sobre caso do “gaiolão da tortura”

Desceu sobre o nosso Estado uma vergonha nacional. A visão que foi projetada foi cruel. E ninguém acreditava que, no Brasil, pudéssemos ter uma reminiscência das formas de tortura da Idade Média, onde eram raras as cadeias, mas em geral as pessoas ficavam amarradas em esteios, cavernas e masmorras – ou penduradas em gaiolas. Era uma maneira de se chegar à aplicação das penas conhecidas, que eram marcas infamantes, mutilações e mortes cruéis. A forma da morte era escolhida de maneira que fosse lenta – por isso a “modernidade” da guilhotina, que era rápida.

Não sei se, na União Soviética, que morreu sem deixar saudades, mas o saldo de mais de 30 milhões de mortos, o Stalin do comunismo de Estado construía gaiolões.

A verdade é que Barra do Corda, em nosso Estado, não merecia notoriedade nacional por esse motivo: ter sido descoberto um pequeno campo de concentração para punir pessoas, expostas à degradação, uma vez que era um espaço cercado de grades, de alto abaixo, um quadrado acimentado, em que um ser humano, sem água e sem lugar para fazer suas necessidades, fica na degradação humilhante de acocorar-se, esparramar-se no chão, ou ficar em pé, de qualquer forma exposto ao sol durante todo o dia, podendo sofrer queimaduras, feridas e sequelas externas e internas.

O homem, através dos tempos, chegou a um momento em que a insensibilidade tomou conta dos corações. Mas ninguém deixou de pungir-se com a cena do gaiolão de Barra do Corda, em que Francisco Lima e Silva, exposto a essas condições tão desumanas, só teve o alívio da morte.

O Ministério Público e a Defensoria daquele Município, desde o mês de maio, pediam que a monstruosidade fosse interditada. O juiz negou a inicial. Mas eles tiveram o cuidado de distribuir a denúncia da crueldade ali existente a todas as entidades nacionais que vigiam os direitos humanos.

O Governo do Estado lavou as mãos, e agora, diante da tragédia, diz que a culpa não é dele, mas de seus adversários. Essa fuga já não existe mais, pois, há três anos, estamos mergulhados nessa insensibilidade, que chegou ao máximo com o de que agora o país toma conhecimento.

Nada se fez. Nada se está fazendo. E acredito que nada se fará. Por muito menos, Roseana sofreu uma campanha política comandada pelos governantes atuais, que a responsabilizavam por uma disputa, também cruel, entre facções de bandidos.

Sobre essa campanha, que tinha objetivos eleitorais, um dia vão ser esclarecidas as suspeitas que pesam de terem sido promovidas com intuito político, que finalmente deu resultados.

O dr. Janot ameaçou pedir intervenção no Estado, denunciar à ONU, na Comissão de Direitos Humanos, e para cá mandou uma comissão de procuradores, cuja função era apenas atingir o objetivo político.

Quando assumi o Governo do Maranhão, em 1966, ainda tínhamos, em nosso Estado, o famoso tronco da Idade Média, que foi usado contra os escravos e continuou depois da abolição, com os prisioneiros a ele ficando acorrentados e expostos à execração pública. Fui à televisão, mostrei as correntes e acabei com esse tipo milenar de privação de liberdade e preparação para a morte.

Agora me parece que o gaiolão é um tronco moderno, feito de cimento e vergalhões de ferro.

No tempo da escravatura, diziam que, para os pretos, só tinham três “P”: pano, pão, porrada. Essa é a lei que está voltando em nosso Estado.

No momento em que toda a Nação pede a manutenção da lei do trabalho escravo, nós estamos vendo aqui não o trabalho escravo, mas a execução com crueldade de um comerciante, que paga com sua vida o grito de todos nós pedindo que esse tipo de prisão e outros cruéis, que caracterizam o sistema prisional brasileiro, acabem para sempre.

O maranhense é um povo pacífico, ordeiro, generoso e não aceita que gaiolão rime com Maranhão.

José Sarney

Maranhão amplia parcerias e tratativas de negócios com a China

O Governo do Maranhão, a Prefeitura de São Luís e a Universidade Federal do Maranhão (UFMA) conquistaram, em um trabalho coletivo, a assinatura de um memorando de entendimento com a Universidade de Hubei, em Wuhan. O documento assinado trata da promoção da língua e da cultura chinesa, facilitando o intercâmbio cultural em todo o mundo através do Instituto Confúcio, que deverá ser instalado em São Luís, com o apoio do Governo do Maranhão.

A importante notícia foi dada pela equipe formada pelo vice-prefeito de São Luís, Júlio Pinheiro; pela secretária de Turismo de São Luís, Socorro Araújo; pela secretária municipal de Articulação, Ana Paula Rodrigues; pelo presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Maranhão (Fapema), Alex Oliveira; e pelo pró-reitor de Pesquisa da Universidade Federal do Maranhão, Allan Kardec, que adiantou as tratativas na cidade de Wuhan, enquanto a comitiva liderada pelo vice-governador Carlos Brandão participava da agenda da Feira de Cantão, em Guangzhou.

“O termo de cooperação favorecerá diversas áreas, acompanhando a tendência do Maranhão em se aproximar cada vez mais dos investimentos chineses”, comemorou o vice-governador Carlos Brandão.

As pautas na cidade de Wuhan incluíram, também, dois grandes momentos: a visita ao novo Porto de Wuhan e uma reunião estratégica com secretários e vice-prefeitura da cidade de Wuhan para tratarem de avanços cooperativos nas áreas de turismo, cultura, educação, esporte, desenvolvimento tecnológico e sustentável, comércio, infraestrutura e mobilidade urbana.

A visita ao novo Porto de Wuhan resultou no avanço das discussões a respeito da comercialização da proteína animal e vegetal, com a interligação entre o Porto do Itaqui e o Porto de Wuhan que, segundo Jailson Luz, superintendente da Emap, trata-se de um porto tipicamente de contêineres.

“Inicialmente, devemos mobilizar a cooperação entre os dois portos para viabilizar a exportação tanto de carne de boi, quanto de carne de frango, que se apresentou como sendo o centro de interesse dos chineses”, contextualizou o superintendente.

Ele informou, ainda, que em março do próximo ano um grande encontro entre empresários deve acontecer na capital maranhense e contará com a participação da equipe do Porto de Wuhan, que deve conhecer de perto o Porto do Itaqui e finalizar os acordos de comércio com o Maranhão, além da troca de expertise.

Já o encontro com os secretários municipais chineses e a vice-prefeita de Wuhan, Xu Honglan, reverberou na promoção entre o Maranhão e a cidade anfitriã, o que significa, na prática, que novos projetos de cooperação serão firmados em breve, com conteúdos programáticos voltados para as principais áreas de desenvolvimento de nosso estado, com destaque para a economia e o comércio.

A vice-prefeita de Wuhan afirmou que com estas iniciativas poderão ser promovidos mais intercâmbios bilaterais, a exemplo do campo da educação. “Assim, será possível promovemos as escolas-irmãs e realizarmos atividades conjuntas”, explicou.

Carlos Brandão e os demais membros da comitiva da Missão Ásia, também coordenada pelo secretário de Programa Especiais do Governo do Maranhão, Pierre Januário, conheceram a Zona de Desenvolvimento de Alta Tecnologia do Lago Leste de Wuhan e, ainda durante a sua passagem por Guangzhou, participou de reunião com o jovem maranhense Tomas Pinheiro, consultor pela The China Pitch, que apresentou formas alternativas de mobilidade urbana, focada no uso de ‘bicicletas inteligentes’.

A Missão Ásia segue para a Coreia do Sul, neste sábado (21), a fim de ampliar os negócios maranhenses com o mercado asiático.

Edivaldo Jr. entrega obras de urbanização do Residencial Paraíso

O prefeito Edivaldo entregou, na manhã deste sábado (21), mais uma etapa da urbanização do Residencia l Paraíso. O bairro recebeu cerca de 13 quilômetros de pavimentação por meio do programa Asfalto na Rua e teve mais de 70 ruas asfaltadas beneficiando mais de 10 mil moradores. A entrega coincidiu com a culminância da 50ª edição do programa ‘Todos por São Luís’, desenvolvido durante duas semanas no bairro integrante da região Itaqui-Bacanga.

“A urbanização do Residencial Paraíso cumpre mais um etapa da nossa administração no atendimento à populações que acumulam anos de abandono dos serviços essenciais do poder público. Com as obras, os moradores podem ter um bairro mais adequado, com urbanização, mobilidade e dignidade. Quando começamos os trabalhos aqui as ruas eram precárias e agora a realidade mudou totalmente e para melhor”, destacou prefeito Edivaldo salientando a união entre Prefeitura e Governo do Estado. “Esta união tem garantido a melhoria da qualidade de vida da população, que se constitui o grande objetivo dessa parceria histórica”, completou Edivaldo que estava acompanhado da primeira-dama, Camila Holanda e de secretário, entre eles o de Obras e Serviços Urbanos (Semosp), Antônio Araújo.

O secretário da Semosp, Antonio Araújo, entende a pavimentação executada pelo programa Asfalto na Rua no Residencial Paraíso como uma etapa de serviços que dá continuidade a um trabalho iniciado desde os primeiros momentos da gestão do prefeito Edivaldo.

“É uma ação determinada pelo prefeito Edivaldo, consciente da importância de melhorar a mobilidade urbana em toda a capital, dando qualidade à vida das pessoas. Ao levar asfalto para bairros como o Residencial Paraíso, a Prefeitura está não só promovendo a melhoria da infraestrutura do bairro, bem como garantindo mais saúde para a população e fomentando o comércio na região”, enfatizou o secretário.

Uma comitiva formada pelo deputado federal Weverton Rocha (PDT), deputado estadual Bira do Pindaré (PSB), secretários de Agricultura, Pesca Abastecimento (Semapa), Ivaldo Rodrigues; de Urbanismo e Habitação (Semurh), Mádison Leonardo Andrade; de Comunicação (Secom), Conceição Castro; o presidente do Sindicato das Indústrias da Construção Civil do Maranhão (Sinduscon) Fábio Nahuz; e lideranças comunitárias prestigiaram a entrega da segunda etapa de urbanização do Residencial Paraíso.

O Residencial Paraíso é um dos mais recentes do Itaqui-Bacanga. Na região, com mais e 70 bairros, a Prefeitura trabalha em parceria com o Governo do Estado através do programa Mais Asfalto. Todas essas ações de melhoria do aspecto urbanístico, que inclui iluminação, têm impactado diretamente na melhoria da urbanização da área com mais de 250 mil habitantes. Mais de 36 quilômetros de asfalto foram colocados nos bairros São Raimundo, Vila Bacanga, Vila Isabel, Vila Ariri, Vila São Luís, Vilas Mauro Fecury I e II e Alto da Esperança.

Roberto Rocha retirou de Flávio Dino controle sobre R$ 90 milhões de emendas de bancada

Foi uma vitória pessoal do senador Roberto Rocha (PSDB) sobre o governador Flávio Dino (PCdoB) a decisão final sobre o destino dos R$ 160 milhões oriundos da emenda de bancada dos deputados federais e senadores do Maranhão.

O comunista queria porque queria que todo o dinheiro fosse direcionado ao Governo do Estado e, a partir disso, encaminhado aos municípios, para investimentos em Saúde.

Visava com isso, é óbvio, ao controle de 100% da verba para fazer política do jeito que gosta – com dinheiro alheio, e colhendo os frutos disso.

Rocha percebeu a tempo o movimento. Conversou com os senadores João Alberto e Edison Lobão, ambos do PMDB, e conseguiu convencê-los a alocar as emendas no Senado, no total de R$ 90 milhões, na Codevasf.

Por dois motivos.

Primeiro porque quem manda na Diretoria de Infraestrutura Nacional do órgão é o maranhense Marco Aurélio Diniz, indicado pelo tucano.

Já a direção regional do órgão está a cargo de Jones Braga, nome que foi submetido pelo deputado federal Hildo Rocha (PMDB), e aprovado por todos os senadores maranhenses antes da nomeação.

Assim, Dino terá controle sobre R$ 70 milhões e os senadores, sobre R$ 90 milhões.

É claro que, agora, os comunistas bradam, chamando a articulação de golpe, como se apenas o governador fosse capaz de fazer chegar às prefeituras os recursos das emendas.

Pura balela.

O dinheiro chegará às cidades do mesmo jeito.

Na verdade, conhecendo o modus operandi do governo comunista – que trata prefeitos e municípios e pão e água -, apostaria 10 para 1 como o recurso via Codevasf chegará mais rapidamente ao seu destino.

________________Leia mais
Dino vetou mais de R$ 12 milhões em emendas da oposição para a Saúde

ALÔ, BLITZ URBANA! Terreno baldio vira lixão no Jardim Eldorado

Um terreno baldio virou um problemão no Jardim Eldorado, em São Luís.

No cruzamento entre as ruas Duque Bacelar e Projeta, próximo ao Colégio Literato, o proprietário nunca murou, nem calçou, o imóvel, que agora funciona como uma espécie de lixão.

Os moradores reclamam do acúmulo de resíduos, o que tem provocado mau cheiro e o surgimento de insetos e mosquitos.

Abre o olho, Blitz Urbana!

Após 30 anos, Câmara volta a julgar contas de ex-prefeitos

O prazo para a Câmara Municipal de São Luís (CMSL) analisar as contas de um prefeito, logo após o envio do Tribunal de Contas do Estado do Maranhão (TCE-MA), é de um mês. Porém a avaliação dos cálculos das gestões de três ex-prefeitos — Gardênia Ribeiro Gonçalves, Conceição de Maria Carvalho de Andrade e Jackson Kepler Lago (já falecido) — estão atrasadas. Para zerar o julgamento das contas pendentes, um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) foi assinado pelo presidente da Casa, vereador Astro de Ogum (PR), junto com o Ministério Público Estadual (MP) e o Tribunal de Justiça, através da Vara de Interesses Difusos e Coletivo da capital.

O acordo possibilitou a apreciação do balanço financeiro dos ex-gestores da capital que há 30 anos não passava pelo crivo dos parlamentares. Para zerar os documentos pendentes, o Plenário Simão Estácio da Silveira começa a discutir alguns destes pareceres enviados pelo TCE-MA. Os primeiros julgamentos já estão na pauta da ordem do dia desta segunda-feira (23).

Dos 31 relatórios referentes aos anos compreendidos entre 1986 e 2017, foram identificados 13 relatórios com conclusão relativos às contas de 1988, de responsabilidades de Gardênia Gonçalves, aprovado com ressalvas; 1989, 1990, 1991 e 1992, de responsabilidades de Jackson Lago, também aprovadas com ressalvas; 1993, 1994, 1995 e 1996, de responsabilidades de Conceição Andrade, que teve parecer prévio com abstenção; e 1997, 1998, 1999 e 2000, também de responsabilidades de Jackson Lago, aprovadas com ressalvas.

A votação dos 31 vereadores vai determinar o futuro político de dois dos três ex-prefeitos – Gardênia Gonçalves e Conceição Andrade – porque caso os resultados forem desfavoráveis a elas, poderão ficar inelegíveis politicamente por oito anos e consideradas “fichas sujas”. Dos ex-prefeitos que ainda poderão ser julgados até o fim do ano, apenas dois já faleceram: Jackson Lago, que administrou a cidade, de 1989 a 1992 e de 1997 a 2000; e João Castelo, de 2009 a 2012.

MAIS TRÊS
Apesar do longo tempo desde que as contas deixaram de ser julgadas — o último registro no TCE é de 1987 —, só este ano, com a assinatura do TAC, foi que o assunto voltou a ser debatido no Palácio Pedro Neiva de Santa, sede do Poder Legislativo de São Luís. Além das contas de Gardênia, Conceição e Jackson, também devem passar pelo crivo dos vereadores até o final do ano o balanço de outros três prefeitos: Tadeu Palácio, de 2002 a 2004 e 2005 a 2008; João Castelo, de 2009 a 2012; e o atual prefeito Edivaldo Júnior, de 2013 a 2016.

TRAMITAÇÃO
Pela legislação, o TCE dá um parecer prévio a respeito dos números, mas cabe ao Legislativo dar a palavra final sobre eles. A partir do momento em que esse parecer prévio do TCE chega à Câmara Municipal, a Comissão Orçamento, Finanças, Planejamento e Patrimônio Municipal passa a deliberar tanto a respeito do parecer quanto das contas do Executivo. Nesse processo, o colegiado pode ou rejeitá-los ou aprová-los ou, ainda, aprová-los com ressalvas. A decisão da comissão ganha forma de um Projeto de Resolução, que será submetido à análise do Plenário da Câmara.

Após a aprovação pelo Plenário da Câmara, o Projeto de Resolução é encaminhado à Comissão de Constituição, Justiça, Legislação, Administração e Assuntos Municipais para a elaboração e a votação da proposta de redação final. Terminado este processo, a Resolução é promulgada pela Câmara, que informa ao TCE a decisão do Plenário a respeito do parecer prévio e das contas do Executivo.

PRERROGATIVA
Segundo os artigos 58 e 59 da Lei Complementar Federal 101/2000, é obrigação privativa das Casas Legislativas realizarem a análise das contas do Poder Executivo após o parecer do Tribunal de Contas do Estado (TCE).

Da assessoria

Glalbert Cutrim entrega motoniveladora para o município de Itapecuru-Mirim

O deputado estadual Glalbert Cutrim (PDT) e o governador do estado Flávio Dino (PCdoB), entregaram na quinta-feira (19), durante ato em São Luís, uma máquina motoniveladora, ao prefeito do município de Itapecuru, Dr. Miguel Lauand (PRB). Uma comitiva de vereadores acompanhou o prefeito durante a festejada solenidade.

O equipamento, orçado em cerca de R$ 600 mil, faz parte do programa Caminhos da Produção, que já contemplou 38 municípios e deverá chegar chegar a 90 até o final do ano.

O deputado falou da importância do equipamento para os prefeitos. “Esse programa é de grande importância, pois além de auxiliar na manutenção das estradas vicinais, passa a incorporar o patrimônio do município, o que também dá fôlego financeiro, já que com o equipamento, o prefeito não precisará mais locar esse tipo de máquina, economizando recursos.” Destacou o deputado.

Para o prefeito de Itapecuru, a máquina é uma conquista e dará garantias de estradas boas durante todo o ano. “Com um equipamento desse porte, teremos estradas vicinais em excelentes condições durante o ano inteiro, garantindo aos agricultores locais, a certeza do transporte de suas produções.” Avaliou Lauand.

Também participaram da solenidade, os vereadores Dênis Carvalho, Rogério Maluf, Ronilson Costa Cardoso, Neguinho da Saúde, Zeca Cruz e o presidente da Câmara, Carlos Júnior.

Dino vetou mais de R$ 12 milhões em emendas da oposição para a Saúde

Valores referem-se a 2016 e 2017; governador, que reclama de forma como senadores emendaram Orçamento da União, não libera valores indicados por deputados que lhe fazem críticas

De O Estado

Envolvido em uma polêmica depois de acusar a bancada maranhense no Senado de manobrar para não enviar aos municípios do Maranhão recursos da ordem de R$ 160 milhões referentes às emendas de bancada, o governador Flávio Dino (PCdoB) foi duramente criticado por parlamentares em todos os níveis.

Na quinta-feira, 19, o comunista foi às redes sociais reclamar dos senadores Edison Lobão (PMDB), João Alberto (PMDB) e Roberto Rocha (PSB). Disse o governador que os representantes do Maranhão se recusaram a cumprir um acordo que garantiria que a totalidade dos recursos seria destinada ao Governo do Maranhão, para então ser reencaminhada às prefeituras – para investimentos na área da Saúde.

Ainda segundo o chefe do Executivo estadual, os senadores querem que metade do valor seja destinado segundo a conveniência de cada um dos parlamentares.

“Um absurdo que uma parte da bancada federal negue uma emenda parlamentar e prejudique a saúde dos municípios, supostamente para me atingir”, escreveu.

A postura de Flávio Dino gerou rápida reação dos três senadores – todos criticando a tentativa de ingerência do governador em questões que dizem respeito exclusivamente à bancada. Apesar da insurgência do comunista, o Estado ficou mesmo só com R$ 70 milhões dessas emendas de bancada – os outros R$ 90 milhões chegarão aos municípios via Codevasf (saiba mais).

Além disso, deputados que fazem oposição ao governo na Assembleia Legislativa argumentaram que o comunista não tem legitimidade para reclamar da destinação de emendas, quando ele próprio não libera aquelas apresentadas pelos oposicionistas pelo que consideram revanchismo político.

Levantamento de O Estado aponta que os deputados têm razão. Cada um deles tem, atualmente, direito a indicar até R$ 3,5 milhões em emendas ao Orçamento – esse valor era de R$ 3,150 milhões em 2015 e 2016.

Em 2017, no entanto, o governador já deixou de destinar mais de R$ 7 milhões para a Saúde de municípios maranhenses ao não liberar emendas de pelo menos cinco deputados de oposição. O comunista vetou integralmente as indicações dos deputados Adriano Sarney (PV), Andrea Murad (PMDB), Edilázio Júnior (PV), Sousa Neto (Pros) e Eduardo Braide (PMN).

Num dos casos de maior destaque recentemente, Dino foi alvo de fortes criticas por não liberar mais de R$ 1 milhão à Fundação Antônio Jorge Dino, mantenedora do Hospital do Câncer Aldenora Bello. Para a unidade, foram destinadas emendas de Andrea Murad (R$ 200 mil), Edilázio Júnior (R$ 200 mil) e Eduardo Braide (R$ 700 mil).

“Desde 2011, destino todos os anos uma emenda parlamentar para o Hospital Aldenora Bello. Mas este ano, por uma questão política, de mero capricho do governador do Estado, o Aldenora Bello não poderá comprar um novo mamógrafo digital porque, simplesmente, ele não liberou a emenda”, destacou Braide, em discurso na Assembleia durante a semana. O governador nunca se manifestou sobre o caso.

Para o deputado Adriano Sarney, Flávio Dino reforça, a cada novo ato ou declaração, sua imagem de gestor incoerente e pouco afeito à solução democrática de conflitos. “A verdade é que o governador Flávio Dino seue agindo como se fosse um juiz, que detém o poder de definir os destinos de outros com uma canetada só. Não é. Ele é um representante do povo que o elegeu e deve agir como tal, debatendo, discutindo, não agredindo adversários. Ainda mais quando cobra dos outros uma postura que ele próprio não tem”, ressaltou.

Ao comentar o assunto, também por meio das redes, a deputada Andrea Murad endossou as críticas dos colegas. Ela classificou de “incoerente” a atitude do chefe do Executivo, que cobra de senadores uma postura, quando procede de forma totalmente inversa.

“Nunca liberou uma emenda para os deputados da oposição porque não se submetem a comer milho na sua mão. Muito cara de pau e incoerente como sempre se comportou durante todo o seu mandato”, declarou.

Menos recursos

Se levado em conta o ano de 2016, a Saúde municipal do Maranhão deixou de receber ainda mais dinheiro. Apenas dos deputados que responderam à consulta de O Estado, o governador Flávio Dino deixou de liberar outros R$ 4,9 milhões em emendas para o setor no ano passado.

As emendas vetadas em 2017*

Adriano Sarney – R$ 1,3 milhão

Edilázio Júnior (PV) – R$ 500 mil

Sousa Neto (Pros) – R$ 3,35 milhões

Andrea Murad (PMDB ) – R$ 1,2 milhão

Eduardo Braide – R$ 700 mil

*Apenas valores destinados à Saúde

ID Jovem: mais três cidades do Maranhão recebem Assis Filho

O Maranhão volta a receber a Caravana ID Jovem, da Secretaria Nacional de Juventude. Na sexta-feira, dia 20 de outubro, o secretário Nacional de Juventude, Assis Filho, visitará as cidades de Balsas, Riachão e Carolina. A Identidade Jovem beneficia brasileiros de 15 a 29 anos que pertencem a famílias com renda mensal de até dois salários mínimos.

A ID Jovem garante a meia-entrada em cinemas, teatros, shows e eventos esportivo, além de direito a duas vagas gratuitas e duas vagas com 50% de desconto no transporte interestadual, por veículo, embarcação ou comboio ferroviário. Todos esses benefícios são garantidos pelo Estatuto da Juventude – Lei nº 12.852/2013.

Outro benefício garantido pela ID Jovem é a gratuidade nas inscrições do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Jovens de famílias carentes com renda familiar per capita de até 1,5 salário mínimo têm direito à isenção no Enem. Basta informar o Número de Identificação Social (NIS) no momento de preencher a ficha de inscrição. Essa gratuidade também é estendida a todos os estudantes que estão concluindo o Ensino Médio em escolas da rede pública.

Portadores da ID Jovem também podem ser contemplados com a isenção de pagamento de taxa de concurso público Federal, o projeto de Lei que garante a gratuidade está em tramitação na Câmara dos Deputados.

Essa é a quarta vez que a Secretaria Nacional da Juventude lança o programa em cidades do estado do Maranhão. A Caravana ID Jovem já passou por Timon, São José de Ribamar, São Luís, Imperatriz, Grajaú, Bacabeira, Rosário, Caxias e Buriti Bravo, Bequimão, Santa Helena, Turilândia, Governador Nunes Freire, Santa Luzia do Paruá e Newton Bello. O estado do Maranhão possui cerca de 1 milhão de jovens aptos a participar do programa. De janeiro a setembro de 2017, foram geradas 323.652 mil ID Jovem.

AGENDA

Cidade: Balsas
Data: 20 de outubro de 2017 – sexta – Feira
Horário: 08h00min
Local: Auditório do Sebrae, Rua Padre Franco, s/n – Centro
Jovens que podem ter o benefício: 10.889

Cidade: Riachão – MA
Data: 20 de outubro de 2017 – sexta – Feira
Horário: 14h00min
Local: A confirmar
Jovens que podem ter o benefício: 3.358

Cidade: Carolina – MA
Data: 20 de outubro de 2017 – sexta-feira
Horário: 18h00min
Local: Auditório da Câmara Municipal de Carolina
Jovens que podem ter o benefício: 4.320

Dino perde mais uma! Emendas de bancada vão para a Codevasf

O governador Flávio Dino (PCdoB) perdeu mais uma no embate pessoal que trava com o senador Roberto Rocha (PSDB).

Depois de o comunista espernear porque queria que passassem pelas suas mãos os  R$ 160 milhões da emenda impositiva da bancada maranhense no Congresso Nacional, ele terá que se contentar com R$ 70 milhões.

Os outros R$ 90 milhões chegarão aos municípios maranhenses por meio da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (CODEVASF).

O acerto final da questão ocorreu na tarde de hoje, em Brasília, após reunião entre todos os deputados e senadores maranhenses.

Pelo acordo, os R$ 70 milhões repassados via Governo do Estado serão integralmente investidos em Saúde.

Já os R$ 90 milhões da Codevasf serão aplicados em ações voltadas ao fortalecimento da capacidade produtiva dos municípios, como a construção e recuperação de estradas, implantação e distribuição rural de energia, e aquisição de equipamentos agrícolas..