Pegadores: Emserh manteve esquemas após saída de terceirizadas, diz CGU

O esquema de pagamentos indevidos a pessoas indicadas por membros da gestão Flávio Dino (PCdoB), com recursos da Saúde, continuou até o ano de 2017, mesmo após o cancelamento de contratos do Governo do Maranhão com terceirizadas como o ICN e o Idac (saiba mais aqui e aqui).

A afirmação é da Controladoria Geral da União (CGU) e consta do inquérito da Polícia Federal que culminou com o desencadeamento da Operação Pegadores, na semana passada. De acordo com o órgão de controle externo do Governo Federal, no caso do Maranhão, o Idac foi substituído pela Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares (Emserh), órgão vinculado à Secretaria de Estado da Saúde (SES).

As organizações do terceiro setor são vistas pela PF como responsáveis pela origem da estratégia de desviar recursos por meio de empresas subcontratadas. Segundo os investigadores, por essa via, foram escoados pelo menos R$ 18 milhões da Saúde estadual desde 2015.

Ocorre que o fim dos contratos das entidades com o Estado não foi o suficiente para fazer cessar o esquema. E essa constatação, para a juíza Paula Souza Moraes, substituta da 1ª Vara Criminal da Justiça Federal no Maranhão, é “o mais grave de todos os elementos de provas descobertos” durante as investigações.

Emserh no comando

Segundo a magistrada, informações obtidas pela CGU “constituem fortes indícios de que o esquema de desvio de recursos públicos permanece mesmo após o encerramento do contrato entre a SES e o IDAC, isto é, mesmo após o rompimento do modelo de administração gerencial por meio de entidades do Terceiro Setor e a assunção da gestão hospitalar pela Emserh”.

Criada em 2015, aparentemente com o único propósito de fazer parte da jogada, a ISMC – de propriedade de Ideide Lopes, sogra de Mariano Castro, ex-assessor especial da SES (relembre) – foi o destino de mais de R$ 1 milhão apenas nos meses de agosto e setembro de 2017.

O dinheiro, no entanto, não saiu mais de nenhuma entidade, mas diretamente da Emserh.

Para comprovar os repasses, a CGU entregou à PF extratos de transferências do órgão diretamente à empresa de fachada.

Após análise do material, os federais concluíram: “MARIANO DE CASTRO E SILVA, que é a pessoa apontada por ARAGÃO como sendo o centro da Secretaria de Estado da Saúde, continuou a se beneficiar do esquema ilícito , empregando inclusive uma empresa em nome de sua sogra, mesmo após a rescisão do contrato do IDAC”.


5 ideias sobre “Pegadores: Emserh manteve esquemas após saída de terceirizadas, diz CGU

  1. Com essa cai por terra a argumentação ridícula esposada por Márcio Jerry e Flávio Dino que a roubalheira do seu governo foi motivada pela manutenção do “modelo” anterior dos governos passados : de Zé Reinaldo, Jackson e Roseana Sarney!

    Nesse escândalo, tudo o que eles falam , logo, logo é desmintido pelas investigações, uma vergonha!!!

  2. Meu kro e nobre babão Sarneista,
    Quando vc fala manteve o esquema é pq o esquema já existia e não foi combatida com o mesmo rigor como esta sendo combatida atualmente.
    E pra nós maranhense acreditarmos realmente nessa operação tem q botar atrás das grades a tua patroa Rosengana e o capacho dela o arabe Ricardão pois eles dois juntos desvesviarao bilhões.

  3. Dizer q o idac roubava e facil, mas a emserh,bio saude assumiu os contrato dos hospital q eram do idac. Reduziu o salario dos funcionario. nao paga fornecedor em dia e a verba continua a mesma de antes.e ai? ajeitando direitinho todo mundo roba.kkk oremos

  4. a saude nos hospitais do maranhao ta de mau a pior nao tem medicos para fazer um exame e uma luta se nao te ve cuidado a pessoa morre. antes a saude andava maisn agora paralizou total ainda mais se pegarem o chefao foi tudo enganaçao enganou o povo com a aquele monte de voto para naufragar o nosso maranhao na malicia do comunismo que e muito perigoso …

Os comentários estão fechados.