TJ demite assessores que extorquiram empresário

Guerreiro Jr disse que foi informado das prisões no momento em que era elogiado pela ministra-corregedora Eliana Calmon, do CNJ

O presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Guerreiro Jr, confirmou, em entrevista coletiva na tarde de hoje (20), a exoneração dos advogados Marco Túlio Cavalcante Dominici e  Francisco Reginaldo Duarte Barros, ambos assessores do TJ, acusados de cobrar propina de R$ 400 mil para entregar ao empresário Savigny Sauaia os originais de um processo de espólio judicial envolvendo a família dele (reveja posts abaixo).

O ato de exoneração de Marco Túlio foi assinado pelo próprio presidente, de quem era assessor direto. Duarte foi exonerado, pela desembargadora Maria dos Remédios Buna, vice-presidente do TJ, no exercício da presidência. Ele era assessor do desembargador Raimundo Cutrim.

Ao confirmar as exonerações, Guerreiro disse que ficou ainda mais chocado porque estava sendo elogiado pela ministra-corregedora do CNJ, Eliana Calmon – a quem as prisões já foram informadas oficialmente -, em Brasília. “Eu apenas pedi licença à ministra, voltei ao hotel, refiz minhas malas e retornei a São Luís”, disse, abatido, o presidente do TJ.

Ele estava na capital federal para a posse de Carlos Ayres Bitto como novo presidente do STF.


3 pensou em “TJ demite assessores que extorquiram empresário

  1. Pedro Teles vai júri por morte de sem terra

    sex, 20/04/12 por Décio Sá | categoria Maranhão | Tags Barra do Corda, Miguelzinho Pereira, Nenzim, Pedro Teles

    Empresário Pedro Teles

    O juiz e presidente do Tribunal do Júri de Barra do Corda, Gustavo Henrique Silva Mendes, marcou para o próxima quarta-feira (25) o júri popular do assassinato do líder comunitário sem-teto Miguelzinho Pereira da Silva, o Miguelzinho. O julgamento já foi adiado várias vezes.

    Miguelzinho foi assassinado em 1997 por conta da disputa de terra em Barra do Corda, após gravar um depoimento contra o prefeito Manoel Mariano de Sousa, o Nenzim (PV).

    Interrogados, os assassinos identificaram o mandante, Pedro Alberto Teles de Sousa, filho de Nenzim e irmão do deputado estadual Rigo Teles (PV).

    Pedro Teles, preso ano passado na Operação Astiages pela Polícia Federal, e seus capangas chegaram a ser presos na época, mas o desembargador Pires da Fonseca lhes concedeu um habeas corpus. Veja o edital do júri.

    • Engraçado que o cara é o mais acessado do MA e ainda tem gente colando o texto dele no blog dos outros…

Os comentários estão fechados.