Depoimento aponta que comando da PMMA sabia de ordem para fichar oposição

O depoimento de um policial militar – tomado no bojo da sindicância aberta para apurar a expedição de memorandos determinando o monitoramento de adversários do governador Flávio Dino (PCdoB) nas eleições deste ano – aponta que, diferentemente do que tem alegado o secretário de Estado da Segurança, Jefferson Portela, a cúpula da Polícia Militar tinha conhecimento da operação.

Juarez Martins Coelho contou em oitiva, divulgada com exclusividade pela TV Mirante na noite de ontem (saiba mais), que, dias após o envio das ordens ao interior, a major Ana Paula foi cobrada pelo coronel Heron Santos para que os dados do fossem logo reunidos porque ele teria uma reunião com o coronel Pedro Ribeiro.

Ribeiro é nada menos que o subcomandante-geral da Polícia Militar do Maranhão.

Além disso, o mesmo tenente voltou a citar a Major Ana Paula ao informar que ela garantiu que o coronel Zózimo Paulino – comandante do CPI, que assina um documento, datado do dia 20 de abril, tornando sem efeito todos os memorandos emitidos anteriormente com ordens para o fichamento de oposicionistas e revelando a existência de um certo “Coordenador das Eleições de 2018” (saiba mais) – também sabia da reunião entre Heron e Pedro Ribeiro.

As revelações do oficial desmentem o secretário de Estado da Segurança Pública, Jefferson Portela. Em coletiva de imprensa na quarta-feira (25), ele garantiu que a expedição dos memorandos “foi um ato ilegal tomado à revelia do Comando da instituição”.

Pelo visto, parece que havia muita gente no Comando da PM por dentro do “ato ilegal”.


12 pensou em “Depoimento aponta que comando da PMMA sabia de ordem para fichar oposição

  1. Só uma ordem, se é que houve, causa tanto reboliço a ponto de se pedir intervenção federal, então me diga, o que era pra ter sido feito no caso absurdo da lanus guardo a governadora determinou que a polícia militar invadisse a sede da polícia federal em São Luís só porque estava investigando os desvios de montantes de dinheiro do nosso estado ela deveria ser causada e pressa já que eram esfera deferente do poder isso sim é um absurdo, estão fazendo tempestade em um copo dagua e o tsunami rosengana foi normal

    • Qual caso do Lanus? Aquele em que encurralaram o Atlético Mineiro no estádio, na final da Conmebol de 1997?

      • Ele quis dizer Lunus. ..a empresa da tua patroa, onde foi encontrado pela PF 1,5 milhão. ..esqueceu ??

    • Caso Lunus, você quis dizer, que foi aquela apreensão de R$ 1,3 milhão de reais na sede da construtora Lunus, de propriedade da então governadora Roseana Sarney (PMDB) e do marido dela, Jorge Murad, em 2002.

    • Se ela desistir, vc corre um sério risco de saber por aqui em primeira mão. Por ora, tudo o que vc lê aí sobre o assunto não passa de factoide, pode apostar

  2. Leda
    A deputada Andréa Murad bem que poderia perguntar aos governistas o que significa a expressão “para não criar embaraços na eleição”, que aparece no comunicado que circulou no âmbito da Polícia Militar, mais precisamente o que eles chamam de “embaraços”.

  3. Muito puxa saco de rosegana, xô rosegana, nunca mais sarney rouba o Maranhão novamente, esse deputados safado e invez de agilizar algo em prol da população, que ě prejudicar o governo de Dino, que muito fez p nos maranhense, e rosegana pouco fez,

Os comentários estão fechados.