Deputados destacam decisão do STF e criticam abusos de Moro contra Lula

O presidente da Assembleia Legislativa do Maranhão, Othelino Neto (PCdoB), e o deputado petista Zé Inácio destacaram, na sessão desta terça-feira (5), a decisão da 2ª turma do Supremo Tribunal Federal (STF), ocorrida ontem (4), e que invalida o uso de delação do ex-ministro Antonio Palocci em ação penal contra o ex-presidente Lula, divulgada pelo então juiz da Lava Jato, Sérgio Moro.

De acordo com o colegiado do STF, Moro agiu politicamente ao incluir a colaboração de Palocci nos autos do processo envolvendo a Odebrecht e o Instituto Lula.

Para Othelino Neto, foi uma decisão acertada, apesar de tardia. “O STF começa a corrigir distorções que ocorreram comandadas pelo ex-juiz federal Sérgio Moro e que, infelizmente, impactaram nas eleições do país. Mas a justiça, embora tardiamente, começa a ser feita, e essas decisões de cunho político-partidárias de Moro devem ser devidamente corrigidas pela Suprema Corte do Brasil”, pontuou o chefe do Legislativo.

Na tribuna, Zé Inácio também comemorou a retirada da delação de Palocci da ação contra Lula. Segundo ele, Moro teve a intenção de prejudicar Fernando Haddad, candidato a presidente do Brasil nas eleições de 2018.

“Todo esse processo articulado contra o presidente Luta teve um forte reflexo na última eleição. Foi uma decisão que já havia sido proferida há mais de três meses, juntada aos autos do processo faltando seis dias para o primeiro turno das eleições, com o único objetivo de influenciar o pleito eleitoral, garantindo que houvesse o segundo turno para acabar com as chances de Haddad”, alegou o parlamentar.

Zé Inácio acredita que o resultado das eleições presidenciais poderia ter sido diferente. “Fez com que o povo brasileiro elegesse um presidente que não se preocupa com o desenvolvimento do nosso país, ao invés de eleger um professor comprometido com desenvolvimento econômico, social e educacional do país”, completou o deputado.


6 pensou em “Deputados destacam decisão do STF e criticam abusos de Moro contra Lula

  1. Othelino Neto não possui condições algumas, principalmente morais e éticas para falar de A ou B. Desde os tempos de colégio Marista não passava de um militantezinho político fuleiro, mequetrefe e dissimulado, defensor da baderna, balbúrdia e de facções políticas e criminosas, como é o caso da ORCRIM chamada PT.
    Sérgio Moro estudou, passou em concurso público e exerceu a magistratura por 22 anos. E o que Othelino fez? Vivia se sustentando em cargos políticos ou favores de governadores.
    E agora vem aqui falar merda, ainda mais pra defender o bandido e ladrão do Lula, que segundo ele é “a alma mais honesta do Brasil” e que tudo que foi lhe imputado não passa de uma mal entendido.

  2. Liberem o jumento pra concorrer, e ele vai tomar um pau dos brasileiros. O NE vai eleger Bolsonaro, anota ai. 🤣🤣🤣😂🤣 cambada de sem vergonha.

  3. Não irei delongar-me muito, mas um questionamento: quem é Othelino Neto mesmo no rol dos bichos? Principalmente para criticar quem quer que seja? Que moral esse sujeito pensa que tem, ainda mais criticando uma condenação de um dos maiores bandidos e ladrões que o Brasil já teve?
    O ex-juiz federal e ex-ministro da Justiça, o Sérgio Moro possui inúmeras qualidades, além de conhecimento jurídico superiores a…. um Othelino da vida. Ao menos, ele estudou, passou em concurso público e foi juiz federal durante 22 anos, por seus próprios méritos. Já o Othelino…..deixa para lá. Desde a época do Colégio Marista, querendo implantar política dentro do colégio, não passava de um militantezinho fuleiro e mequetrefe, que ao invés de ajudar fazia era atrapalhar. Digo isso, pois também fui aluno do Marista e presenciava essa chatice, com as nossas aulas sendo interrompidas para dar espaço a um caboclo desses.
    E agora, anos depois, vem querer criticar uma decisão judicial de alguém com capacidade superior a dele? Se não fosse deputado, estaria agora “mamando” em algum cargo político(como sempre fez ao longo dos anos).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *