Edilázio critica caso de PM de ITZ exonerado após foto com Bolsonaro

O deputado federal Edilázio Júnior (PSD) denunciou na Câmara Federal uma eventual perseguição do Governo Flávio Dino (PCdoB) contra um subtenente da Polícia Militar do Maranhão. Trata-se do comandante do Grupo de Operações Especiais (GOE), subtenente João Paulo, que há 21 anos servia à população da cidade de Imperatriz no combate à criminalidade.

João Paulo foi exonerado do comando do GOE após ter posado para foto com o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), durante a visita do presidente à cidade de Imperatriz, na semana passada (saiba mais).

“Neste momento a população de Imperatriz está muito sentida pelo o que aconteceu com o comandante do GOE, o subtenente João Paulo, que há 21 anos comanda esse grupamento especial e que há 31 anos está na Polícia Militar. Hoje ele está deixando a cidade de Imperatriz e está deixando o comando do GOE, por um único motivo: a perseguição do Governo comunista no estado do Maranhão, que já é conhecida entre todos. Isso já aconteceu com delegados, oficiais, com praças e hoje a vítima foi o subtenente, porque na sexta-feira – e eu pude ver de perto -, os policiais que estavam fazendo a escolta do presidente Bolsonaro quiseram fazer uma foto com o chefe maior do nosso país, que é o presidente da República. Por conta disso, de uma foto, ele foi exonerado do comando do GOE”, disse.

O vereador da cidade de Imperatriz, Ricardo Seidel (PSD) classificou o ato de “ditadura”. “Ditadura é o que sofremos no estado do Maranhão. Estou aqui em frente ao 3 Batalhão onde o subtenente João Paulo, que por 31 anos serviu a Polícia Militar, foi afastado. E foi afastado porque simplesmente estava fazendo a segurança do presidente Bolsonaro, tirou uma foto e o governador comunista não gostou”, lamentou.

SSP nega

Flávio Dino afirmou em seu perfil em rede social que não deu ordem para afastamento do policial.

Já a Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP) garante que o fato não tem relação com a foto. “Não há qualquer processo administrativo instaurado contra um subtenente em Imperatriz por ter tirado foto com o presidente da República ou qualquer outra pessoa”, diz um comunicado oficial da pasta.


9 pensou em “Edilázio critica caso de PM de ITZ exonerado após foto com Bolsonaro

  1. Fake News, precisamos acabar com essa politicagem, vamos eleger pessoas sérias, comprometidas e que queiram trabalhar e deixar os pobres irem à peninsula.

  2. PERSEGUIDOR DA MOLÉSTIA! NUNCA NA HISTÓRIA DO MARANHÃO TEVE UM GOVERNADOR QUE FIZESSE ISSO COM UM MILITAR APENAS POR QUE TIROU UMA FOTO COM UM PRESIDENTE DA REPÚBLICA.

    VAMOS AGUARDAR ESSE “DITADOR COMUNISTA” É NAS URNAS.

  3. Edilázio Jr. é aquele q não quer ver pobre la pras bandas da PONTA DA AREIA pra não “poluir” a paisagem visual do lugar? Ou é aquele q o Leandro Miranda do Ponto e Vírgula chama de Edilázio KKK? RSRSSRSR
    Se for um dos dois tem muuuuuuuita credibilidade pra criticar o governador, afinal tem aquele projeto dele quando era deputado estadual, aquele, aquele lá do negócio, q ajudava ninguém, e aquele outro q liga nada a lugar nenhum kkk.

  4. O responsável pela segurança do presidente colocou um fuzil na mão do presidente e parou para tirar foto – uma falha de segurança, por natureza. Depois é exonerado e vai alegar perseguição?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *