Bolsonaro rebate Dino: ‘Quer pacto, mas continua com o estado fechado’

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), respondeu hoje (28) à proposta do governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), sobre um pacto pelo emprego a ser coordenado pelo governo federal.

Para Bolsonaro, trata-se de uma incoerência sugerir a retomada da economia enquanto medidas de isolamento social seguem em efeito no estado como forma de combate ao novo coronavírus.

“Tem governador agora que quer pacto pelo emprego, mas ele continua com o Estado dele fechado”, disse Bolsonaro a apoiadores na saída do Palácio da Alvorada, na manhã desta terça-feira, sem citar Dino, mas claramente falando dele.

Na segunda-feira, o comunista encaminhou ofício ao presidente propondo um pacto nacional para a geração de emprego e renda no país.

“Encaminho agora ofício ao presidente da República propondo que ele reúna governadores, entidades empresariais e de trabalhadores, visando um pacto nacional pelo emprego. Hoje o secretário de Política Econômica do Governo Federal anunciou que o desemprego vai aumentar”, anunciou Dino no Twitter (reveja).

Em entrevista à Folha de S.Paulo, o secretário de Política Econômica, Adolfo Sachsida, disse que a alta moderada nos índices de desemprego não reflete a realidade. “O desemprego já aumentou, os dados é que não mostram isso, sendo bem franco”, disse na entrevista. “Temos de estar prontos para endereçar esse problema que vai afligir duramente a sociedade brasileira. Em setembro, os índices de desemprego vão dar um repique grande.”

_______________Leia mais
Flávio Dino dá razão a Bolsonaro


4 pensou em “Bolsonaro rebate Dino: ‘Quer pacto, mas continua com o estado fechado’

  1. O governador do Maranhão não é burro, sabe da contribuição que ele e outros governadores e prefeitos do Brasil deram para o alto índice de desempregados de hoje e futuros.
    Todavia , sabe que o seu ofício já repercutiu, ou seja ganhou mídia de graça.
    Ele sabe que o presidente jamais vai conclamar governadores e prefeitos para nenhum pacto seja ele qual for. Ainda mais neste momento que parece que temos vários brasis dentro um Brasil.
    .

  2. Depois que os seus amigos governadores do Consórcio Nordeste estão quase todos encalacrados na Justiça, ele propõe um armistício juntando outros governadores em nome de um tal “pacto nacional pelo emprego”? Era só o que faltava?

    Ele tem é que gerar empregos aqui mesmo e deixar o Bolsonaro e o Paulo Guedes governarem. Afinal, como promover um estimulo à geração de empregos pela iniciativa privada com um governo comunista no MA e com um governador acima de tudo avesso ao Capital? Só se for enchendo ainda mais a burra (a folha do estado) com empregos supostamente eleitorais, que, por sinal, dizem que estão sugando quase todas as receitas do estado e saindo pelo ladrão só de apaniguados???? Será verdade isso, eu nem acredito!!!???

  3. Queria saber o que vai fazer com os mais de 1800 desempregados que ele deixou quando fez o concurso da Polícia militar do Maranhão, chamou 3000 candidatos e só depois diz que ia nomear só alguns… Ou seja foi um concurso para se reeleger… Agora quando cobrado sobre as nomeações fala do Bolsonaro, agora por último culpa a Lei 173/2020, mais de março a julho foram mais de 450 comissionados nomeados descumprindo a atual Lei que ele cita…

  4. Pingback: Edilázio aponta hipocrisia de Dino ao propor pacto pelo emprego - Gilberto Léda

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *