Lockdown ocorreu três semanas após início da queda de atendimentos em UPAs de São Luís

O secretário de Estado da Saúde do Maranhão, Carlos Lula, compartilhou nesta terça-feira (26) um gráfico para sustentar, mais uma vez, a tese de que o bloqueio total de atividades (lockdown) surtiu os efeitos esperados na Região Metropolitana de São Luís.

Na imagem (veja acima, com destaque inserido pelo Blog do Gilberto Léda), apresenta-se a evolução semanal dos atendimentos em UPAs da capital – as unidades são a “porta de entrada” de pacientes com Covid-19, ou com suspeita de contaminação.

Segundo o argumento do secretário, como o gráfico está decrescente, isso é prova de que o lockdown surtiu efeito. “Este gráfico revela um dos efeitos positivos do lockdown: a diminuição no número de atendimentos nas #UPAS de São Luís”, diz Lula.

⁣Como se vê dos dados compartilhados pelo titular da SES, o pico de atendimentos ocorreu na semana de 12 a 18 de abril: foram 697. A partir daí, semana a semana, os números são sempre menores.

Ocorre que o bloqueio total na Grande Ilha iniciou-se apenas no dia 5 de maio, três semanas após o pico, e quando os atendimentos já vinham caindo, de acordo com o gráfico da SES.

Portanto, não verdadeira a informação de que os atendimentos caíram por causa do lockdown. Pelo simples fato de que eles já vinham caindo antes mesmo dessa medida.


6 pensou em “Lockdown ocorreu três semanas após início da queda de atendimentos em UPAs de São Luís

  1. Queria entender o seguinte: o parâmetro do governo para justificar um possível arrefecimento da pandemia é o número de atendimentos nas UPA e não o quantitativo de casos novos?

  2. Pingback: Uso de máscaras surtiu muito mais efeito que lockdown em São Luís - Gilberto Léda

  3. Esse decreto surtiu efeito apenas no Primero dia, depois o que se viu foi o mesmo movimento dos dias anteriores. Portanto a idéia de que isso surtiu efeito é muito questionável.

  4. Pingback: Críticas a estudos sobre Covid-19 no Maranhão incomodam Carlos Lula - Gilberto Léda

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *